Bancos portugueses de cofres cheios

O ano está a correr às mil maravilhas para os principais bancos privados portugueses. Até Setembro, BPI, BCP e Santander Totta conseguiram lucros totais de 592,2 milhões de euros. Um valor bastante substancial, sobretudo se comparado com idêntico período do ano transacto, em que registaram prejuízos de 105 milhões.stock-exchange-921605_640

Nos primeiros nove meses deste ano, o que registou melhor performance foi o BCP, que saltou de um prejuízo de 109,5 milhões para um resultado líquido positivo de 151 milhões. Foi, para já, o virar de página de uma instituição que se habituou a registar prejuízos ao longo dos últimos quatro anos. Os bons resultados financeiros são justificados pelo aumento das margens financeiras e pela redução dos custos, nomeadamente com o pessoal (menos 217 trabalhadores) e os decorrentes do fecho de 16 balcões.

O BPI conseguiu resultados positivos de 151 milhões de euros contra os 114,3 milhões negativos de igual período de 2014. Neste caso, o maior contributo veio da actividade internacional (112 milhões), em especial, a desenvolvida em Angola.

O Santander Totta era, dos três, o único que escapara aos prejuízos nos primeiros nove meses do ano passado (resultados líquidos de 118,8 milhões). Este ano seguiu a tendência geral de melhoria e chegou ao final de Setembro com um lucro de 176,7 milhões, o que representa um crescimento de 48,7%.

Com as contas em alta, os bancos começam a conceder mais crédito, em especial às empresas. O Santander Totta aumentou esse valor em 5,9% e o BCP em 4,6%.

Subscreva a nossa newsletter.

Pub