Exercício antimíssil

China defende eliminação total de armas nucleares

"A China sempre defendeu uma proibição e eliminação total das armas nucleares", reiterou, nesta quinta-feira o porta-voz do Ministério da Defesa Yang Yujun

"A China sempre defendeu uma proibição e eliminação total das armas nucleares", reiterou, nesta quinta-feira o porta-voz do Ministério da Defesa Yang Yujun

“O país que possui os maiores arsenais nucleares do mundo deve tomar responsabilidades especiais e primárias no desarmamento nuclear”, disse Yang.

No Fórum Xiangshan, em Outubro de 2016, as forças armadas da China e da Rússia anunciaram que realizarão o segundo exercício antimíssil em 2017, “pretendendo exercer habilidade de operação conjunta de defesa aérea e força antimíssil”, disse Yang.

Na 5ª-feira, dia 29, Donald Trump escreveu na sua conta no Twiter que “os EUA devem fortalecer e expandir fortemente a sua capacidade nuclear até que o mundo caia em si em relação às armas nucleares”.

Esta afirmação foi alvo de uma declaração de Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, que afirmou que “os EUA, enquanto país com a maior reserva nuclear no mundo, tem responsabilidades especiais e primárias no processo de desarmamento nuclear. E acrescentou, “O país com a maior reserva nuclear no mundo deve tomar a iniciativa de fazer um corte substancial no seu arsenal nuclear para criar condições para a eliminação total das armas nucleares”.

Agência Xinhua

Subscreva a nossa newsletter.

Pub