Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 9, 2021

24 de Março, o dia que tudo mudou?

Hélder Costa
Actor, dramaturgo e encenador do Teatro A Barraca.

Nos Estados Unidos, os sobreviventes do massacre de Parkland convocaram manifestações para combater o negócio criminoso das armas. Foi um apelo correspondido por milhões de pessoas de todos os cambiantes: idade, sexo, raça e diferentes opiniões políticas. Mas havia uma enorme maioria de jovens de 15, 16 anos confraternizando com ” Veteranos pela Paz”, restos de soldados das inúmeras guerras que essa curiosa democracia espalha sistematicamente pelo mundo.

Emma Gonzalez, iniciou o seu discurso com um silêncio de 6 minutos e 20 segundos, o tempo que durou o massacre de 14 estudantes e 3 professores. Exigiu novos regulamentos para as armas e afiançou que este acontecimento não era o fim da luta, era o princípio.

Emma Gonzalez (Thomson / Reuters)

Coincidência curiosa na mesma data em 1962, milhares de jovens estudantes portugueses lutaram contra a ditadura fascista e a guerra colonial. Há dias, na casa do Alentejo um jantar comemorativo juntou cerca de 400 activistas dessa época. Foi um Encontro afectivo, libertário e esperançoso.

Todos esperamos que a luta se desenvolva e que crie condições políticas para que os Estados Unidos limpem o lixo e se transformem num país decente; aliás, o Papa já apelou a que os jovens se mobilizassem, e Bernie Sanders e outros, também aderiram a essa revolta.

Que essa data passe a ser assinalada como a marca fundamental do tão esperado caminho para a PAZ.

Foto: Leah Millis/Reuters

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -