Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 4, 2022

A antítese

A antítese do perfil de um agente político prolifera por aí:

  • nos partidos políticos;
  • nas organizações com vocação de poder;
  • nos Parlamentos, Assembleias ou o que lhes queiram chamar;
  • nos Órgãos do poder político nacional, autárquico e outros;
  • nas sociedades e respetivas civilizações, em geral;

A antítese do Ser-se Humano também anda por aí:

  • na família;
  • na escola;
  • no conhecimento;
  • na ambição justa;
  • no discernimento societário, político, económico, e outros;

A perversão dos valores em geral é o resultado de todo um processo de construção da mente Humana em torno de um vazio geral em redor de uma mente que se julga central e portadora da razão sobre todas as outras razões.

Uma mente firmada, formada e formatada por toda uma estrutura educativa ancestral em torno de um único objetivo: a sobrevivência. Tudo o mais tem sido o resultado de conjunturas temporais de transição entre gerações e a volumetria da correlação das forças em presença assentes num edifício hierárquico de comando.

Neste quadro merecem relevo todos os estádios civilizacionais embora o enfoque, pelo destoar, o possamos centrar em duas condutas distintas: o canibalismo e o esclavagismo.

O primeiro pelo surreal e o segundo pelo limite da submissão extrema.

Não é fácil exercitar a introspeção capaz da razoabilidade suficiente preceptora da multiplicidade conjuntural e multidisciplinar que a rodeia porque é bem mail fácil deixar os sensores da percepção agirem em conformidade com a razoabilidade de que é possuidora ao objetivar num único ponto de vista a subjetividade dos pontos de vista em geral.

Esta percepção abstrata “empurra” o “senso comum” para que se distancie de meandros corporativos onde se movimenta uma certa estirpe de pessoas para o mundo do indivíduo que não tem a noção de que os quadrantes coletivos funcionais são comummente pragmáticos e  pleonásticos ao ponto de as variações apuradas se resumir a diferença pouco relevante.

Assim sendo, neste domínio, não prevejo qualquer alteração no curto prazo uma vez que os currículos formativos ao nível do intelecto seguem uma trajetória histórica de proteção e incentivo a valores distorcidos daquilo que é a conveniência comum em proveito individual egocêntrico.

Ademais, com a atual reversão dos efeitos positivos da globalização tanto no conhecimento como na uniformização cultural de forma a acompanhar toda a evolução tecnológica com influência direta na dinamização e acutilância das civilizações tende a estagnar, com condições objetivas de reversão, para patamares racionais limitados, condicionados por um sistema educativo arcaico que está para durar, na senda dos interesses corporativos por detrás de um associativismo duvidoso e profissional que depois ascendem ao poder pela via dos partidos políticos de que se servem.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -