Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

A China liderando a nova corrida espacial a Marte

Como Marte se tornou o prêmio para a nova corrida espacial – e por que a China está decidida a vencê-la.

por Steffi Paladini, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Olhando para suas realizações na última década, ninguém duvidaria que a China tem como objetivo vencer a nova corrida espacial. Não apenas foi o único país a pousar na Lua em cerca de 40 anos, e o primeiro a pousar suavemente em seu outro lado, como também plantou uma bandeira no solo lunar e trouxe amostras de volta à Terra.

A disputa entre várias nações e empresas privadas, porém, está longe de terminar. A China agora está se aproximando de Marte com sua missão Tianwen-1, que deve chegar em 10 de fevereiro. Uma inserção bem-sucedida em órbita – o rover não pousará até maio – marcará outro marco crucial por mais de um motivo.

A Terra e a lua fotografadas por Tianwen-1 em 27 de julho de 2020, quando estava a 750.000 milhas de distância de seu planeta de origem

Marte pode estar perto da Terra, mas é um alvo desafiador. Nada demonstra isso melhor do que os números. Das 49 missões até dezembro de 2020, apenas cerca de 20 foram bem-sucedidas. Nem todas essas falhas foram tentativas de iniciantes ou esforços iniciais. Em 2016, o Schiaparelli Mars Explorer da Agência Espacial Europeia caiu na superfície. Além disso, problemas técnicos em curso forçaram a ESA e seu parceiro russo Roscosmos a adiar sua próxima missão, ExoMars, até 2022.

A China não é o único país que se aproxima de Marte. Em 9 de fevereiro, uma sonda dos Emirados Árabes Unidos, Hope, tentará a mesma manobra de inserção. Não é um competidor direto da missão chinesa (a sonda vai apenas orbitar o planeta para estudar o clima marciano), mas (o rover Perseverance da Nasa), previsto para chegar uma semana depois, definitivamente é.

Para aumentar ainda mais as apostas para a China, entre o punhado de países que conseguiram a notoriamente complicada manobra de inserção em órbita, existe um país asiático lá: a Índia, o competidor direto da China no espaço, mas também na Terra.

A Indian Mars Orbiter Mission (MOM), também conhecida como Mangalyaan, chegou a Marte em 2014 – a primeira a chegar em sua missão inaugural. Esta é uma das razões pelas quais um resultado bem-sucedido de Tianwen-1 é tão importante para o status da China como a nova potência espacial: é uma forma de reafirmar seu domínio do espaço sobre seu vizinho. Ao contrário da Índia, não é a primeira vez que a China tenta uma missão a Marte (a anterior, Yinghuo-1, em 2011, falhou no lançamento). No entanto, nesta ocasião, as chances de sucesso parecem muito melhores.

 

Era Espacial 2.0

Diferentes países têm diferentes modelos de desenvolvimento quando se trata de espaço, então a nova corrida espacial é em parte uma competição para ter a melhor abordagem. Isso reflete o caráter específico da chamada Era Espacial 2.0, que, comparada à primeira, parece mais diversa, e onde atores não americanos, públicos e privados, aparecem com destaque, especialmente os asiáticos. Se a China lidera o grupo, sua visão também lidera.

Uma ilustração artística do primeiro rover da China a Marte, Tianwen-1, aterrissado no Planeta Vermelho

Mas há coisas maiores em jogo. O esforço de desenvolvimento por trás do setor espacial da China ainda é amplamente financiado pelo governo e liderado pelos militares. De acordo com a Comissão de Revisão de Segurança e Economia EUA-China, uma comissão parlamentar do governo dos Estados Unidos, a China considera o espaço uma “ferramenta de competição geopolítica e diplomática”. É claro que, junto com o ciberespaço, o cosmos tornou-se um novo domínio de guerra fundamental, onde os EUA são o principal – mas não o único – adversário. Isso significa que as considerações comerciais vêm em segundo lugar para muitos países, embora tenham se tornado cada vez mais importantes no esquema geral das coisas.

A China já promulgou planos de cinco anos para suas atividades espaciais, o último dos quais terminou em 2020 com mais 140 lançamentos. Mais missões estão planejadas: uma nova estação espacial orbital, a recuperação de amostras marcianas e uma missão exploratória de Júpiter entre eles.

Embora os recursos comprometidos pelo país permaneçam em grande parte desconhecidos (sabemos apenas o que está incluído nos planos de cinco anos), as estimativas dos EUA para 2017 colocam esse número em US$ 11 bilhões, perdendo apenas para os próprios EUA – da Nasa, o orçamento para o mesmo ano foi de cerca de US$ 20 bilhões.

A Índia adotou uma abordagem bastante diferente, onde os interesses civis e comerciais há muito predominam. Seguindo o modelo de transparência da Nasa, o país publica relatórios de suas atividades e os gastos anuais (cerca de US$ 1 bilhão por ano de sua agência espacial, a Organização de Pesquisa Espacial Indiana (ISRO).

Um conceito artístico da primeira missão do rover da China em Marte, Tianwen-1, chegando em órbita no Planeta Vermelho

Diferente em ambições, escopo e investimentos, o programa espacial indiano alcançou alguns sucessos notáveis, como a comercialização de serviços de lançamento acessíveis para países ansiosos por colocar seus próprios satélites em órbita. Em 2017, a Índia fez história com o maior número de satélites – 104 – já lançados por um foguete em uma única missão até o momento, todos exceto três estrangeiros de propriedade e construídos (esse recorde só foi batido pela SpaceX há poucos dias, com 143 satélites). Ainda mais impressionante é o custo comparativamente baixo da missão Marte da Índia, US$ 74 milhões – cerca de dez vezes mais barato do que a missão Maven da Nasa. O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, brincou que toda a missão custou menos do que o filme de Hollywood, Gravity.

Devido a preocupações geopolíticas e de rivalidade, isso pode estar prestes a mudar. O governo da Índia divulgou seu relatório anual de 2019-20, que mostra um envolvimento militar crescente no setor espacial. E outras missões à Lua e Vênus estão bem nos planos indianos da ISRO, caso os chineses já não estivessem motivados o suficiente para tornar Tianwen-1 um sucesso retumbante. O Space Race 2.0 está definitivamente se aquecendo.


por Steffi Paladini, Pesquisador em Economia e Segurança Global na Universidade da Cidade de Birmingham (Reino Unido)   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -