Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

A famosa treta entre Caetano e Belchior

Se Caetano metamorfoseia aos ditames do mercado, Belchior saiu pela marginal e se perdeu nela, sendo caso raro na MPB de fuga da fama, da carreira, do seu eu. Belchior valeu-se do direito de desaparecer e rompeu não só com o showbusiness, mas com a própria sociedade.

Minha bolha virtual vai ao delírio com live do Caetano Veloso. São produções impecáveis e nos fazem celebrar a genialidade da sua obra. Mostram também como o baiano está sempre antenado com o momento, como é hábil em se adaptar às exigências do mercado da cultura e assim juntar centenas de milhares de pessoas numa grande audiência virtual.

Belchior sempre se incomodou com esse caetanismo camaleônico. O cantor cearense enviou críticas veladas a esse comportamento dentro de algumas de suas letras. Mais que uma divergência entre cantores, o debate de fundo se deu entre duas correntes musicais dos anos 70: o tropicalismo e a turma que ficou conhecida como Pessoal do Ceará.

Os mais atentos já conhecem as referências que Belchior fez a Caetano e sua obra. Numa delas, chega a citá-lo: “Veloso, o sol não é tão bonito pra quem vem do Norte e vai viver na rua”, cantou na música Retrato 3×4, lançada no disco Alucinação de 76. Quando escreveu, Belchior morava literalmente numa rua da capital paulista, enquanto Caetano vivia o auge do tropicalismo com letras mais centradas no psicodelismo.

Na mesma toada, Belchior alfineta o tropicalismo na saga do Rapaz Latino Americano, também no disco Alucinação.

“Mas sei que nada é divino
Nada
Nada é maravilhoso, nada
Nada é secreto, nada
Nada é misterioso
Não (…)”.

Com a peculiar astúcia nas palavras, Belchior apresenta neste hino do cara fodido brasileiro a crítica musical, política, estética que tinha em relação ao movimento musical dos baianos. No segundo verso da mesma música conta que traz “de cabeça uma canção do rádio em que um ‘antigo compositor baiano’ me dizia tudo é divino, tudo é maravilhoso”.

O pessoal que chegava do Ceará no Rio e em São Paulo (que tiveram como principais expressões Ednardo, Amelinha, Fagner, Belchior) considerava a Tropicália já ultrapassada e antiga e o seu psicodelismo exacerbado uma forma de fuga de temas mais políticos.

Como contraponto, Belchior se apegava no caminho do realismo: “Eu não estou interessado em nenhuma teoria, nem nessas coisas do oriente, romances astrais, a minha alucinação é suportar o dia-a-dia e meu delírio é a experiência com coisas reais”, anunciou Belchior na música que deu título ao álbum Alucinação.

Pode ser que a treta entre os Caetano e Belchior teve um ponto final com o artigo publicado um dia após a morte do bigodudo, quando Caetano mostra ter entendido e assimilado as críticas: “todas as citações a canções nossas que estavam em trechos de canções de Belchior me agradavam por estarem dentro de um timbre criativo sempre rico e instigante”. Caetano admite que a chegada à cena do “pessoal do Ceará teve como uma de suas marcas a intenção de exibir confronto com os tropicalistas”.

Se Caetano metamorfoseia aos ditames do mercado, Belchior saiu pela marginal e se perdeu nela, sendo caso raro na MPB de fuga da fama, da carreira, do seu eu. Belchior valeu-se do direito de desaparecer e rompeu não só com o showbusiness, mas com a própria sociedade.

Inacreditável, mas quanto mais Belchior fugiu, mais foi encontrado pelas novas gerações que o escolheram como ícone. Os jovens fazem seus versos poéticos serem recitados em shows de seus intérpretes Brasil afora. Belchior está mais vivo que nunca. Já Caetano, será um eterno sobrevivente, pois sabe sempre se adaptar.


por Kerison Lopes  |   Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial Rádio Peão Brasil / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -