Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

A grande mentira

Arnaldo Xarim
Arnaldo Xarim
Economista

No início deste ano e a propósito do Fórum Económico Mundial de Davos, um relatório então apresentado pela OXFAM (Public Good or Private Wealth) revelava que no ano que acabava de terminar se tinha alargado o fosso entre ricos e pobres, pois enquanto a riqueza dos primeiros tinha aumentado 12% a dos segundos tinha caído 11%.

Houve mesmo quem, como o PUBLICO, tivesse chamado a atenção para o facto dos 26 mais ricos terem tanto dinheiro quanto a metade mais pobre da população mundial, número que compara com anteriores trabalhos da mesma organização onde se revelava que os 388 mega-ricos que em 2010 detinham cerca de 50% da riqueza mundial, já estavam reduzidos a apenas 62, em 2016.

Inacreditavelmente e apesar destes números, continuamos a ouvir insistentemente a afirmação da ideia, de que «é cada vez maior o número de pobres que estão a ser tirados da pobreza», esquecendo que aquela situação resulta especialmente da migração dos campos para as cidades e para condições de vida mais inseguras e é repetida vezes sem conta apesar da dura evidência de que, de facto, a metade mais pobre da humanidade perdeu quase metade da sua riqueza, só nos últimos cinco anos.

Este grande embuste é significativo nas suas implicações; não é apenas uma afirmação inegavelmente falsa sobre o sucesso da globalização, mas também uma manobra de encobrimento dos seus resultados. O que é invariavelmente apresentado como um benefício infalível do mercado global revela-se afinal o oposto da realidade. Quando as teorias e os dogmas do mercado colapsam como resultado, que dizer da “teoria do trickle-down economics” (ver o artigo A Utopia do Trickle-down) quando, na verdade, o prometido fluxo para baixo se transformou num fluxo de transferências dos mais pobres para os mais ricos na ordem das centenas de milhares de milhões de dólares?

O que podemos dizer agora da doutrina incansavelmente proclamada de que o mercado global traz “mais riqueza para todos”, quando, na verdade, a irrefutável evidência mostra uma realidade oposta, onde os mais desfavorecidos perderam inegavelmente quase metade de sua participação na riqueza global, enquanto os mais ricos multiplicaram o seu quinhão e onde se comprova que as principais reivindicações morais e económicas que justificam o mercado global são uma enorme mentira que o tempo torna cada vez maior.

O número de multimilionários duplicou desde a crise financeira de 2008 e as suas fortunas cresceram à média de 2,5 mil milhões de dólares por dia (os números são do referido relatório da OXFAM) e, no entanto, as grandes fortunas e as grandes empresas pagam taxas de impostos cada vez mais baixas.

Enquanto o Banco Mundial, o FMI e organizações internacionais congéneres continuam a garantir a redução da pobreza no mundo e os grandes meios de comunicação asseguram nas suas manchetes que a situação tem melhorado para os mais pobres, a maioria destes vêem reduzida a sua qualidade de vida. Na realidade, esses alegados grandes ganhos traduzem-se em insignificantes aumentos de rendimento e no alargamento do fosso para os mais ricos.

A apregoada liberdade capitalista da “globalização” sem fronteiras (sistema económico-financeiro orientado para reduzir o financiamento de todos os sectores e instituições públicas criados para responder ao interesse comum e com os serviços públicos e infra-estruturas condenados a uma situação de falência, não apenas pelas políticas de cortes, privatizações e controle corporativo das políticas públicas e subsídios, mas também por uma crescente evasão fiscal relativamente à qual governos e tratados comerciais nada fizeram nada para corrigir), continua a favorecer os mais ricos enquanto apresenta a contínua privação dos pobres sob a falsa imagem da “redução da pobreza”.

A defesa do interesse individual sobre o interesse geral, conduziu a que os governos que deveriam assegurar a manutenção dos sistemas de apoio à vida social e à defesa ambiental estão agora sistematicamente falidos ou endividados e, sem que muitas vezes se compreenda o porquê, a economia mundial entra em sucessivas e cada vez mais profundas recessões. Enquanto isso continua a fomentar-se a privatização de serviços públicos, em lugar de políticas que privilegiem a disponibilização de serviços públicos e universais de saúde e educação, e mantém-se as opções de baixa imposição fiscal sobre as grandes fortunas e os lucros das grandes empresas multinacionais e pouca ou nenhuma acção real para travar a evasão fiscal.

A globalização em benefício das grandes corporações não está apenas fora de controlo, ela está a colocar em risco toda a organização da vida social e ecológica. A competição global significa, de facto, o desrespeito pelos meios de vida e pela segurança das populações enquanto o meio ambiente é saqueado e poluído numa escala crescente de depredação. E o maior sinal de insanidade é continuarmos a defender e a apresentar como solução a estratégia que nos conduziu a esta situação: o dogma do crescimento infinito num planeta com recursos limitados.


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -