Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Junho 21, 2024

A volta de Bolsonaro e a miséria do bolsonarismo

Tereza Cruvinel, em Brasília
Tereza Cruvinel, em Brasília
Jornalista, actualmente colunista do Jornal do Brasil. Foi colunista política do Brasil 247 e comentarista política da RedeTV. Ex-presidente da TV Brasil, ex-colunista de O Globo e Correio Braziliense.

Jair Bolsonaro desembarca hoje em Brasília, depois do descanso de três meses nos Estados Unidos, com custos para o erário, que bancou a permanência dos assessores a que tem direito, afora o voo da FAB que o levou. A chegada também terá custos, com a mobilização de um grande aparato de segurança no aeroporto e ao longo do deslocamento que pretende fazer com apoiadores em carro aberto.

Quem tem medo de Bolsonaro? Há quem diga que a volta dele ao país, para comandar a oposição de extrema-direita, mudará ambiente político para o governo Lula. Lorota. Fora do poder, aonde chegou pelas artes da Lava Jato, da polarização movida a ódio e da demonização da política, Bolsonaro será como o leão envelhecido, que ruge muito sem morder.  Ainda mais se for declarado inelegível pelo TSE, o que deve acontecer em maio. A liderança política não costuma andar com políticos sem perspectivas eleitorais.

Tivemos um exemplo do que pode ser a oposição bolsonarista na sessão desta terça-feira na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, a que compareceu o ministro da Justiça, Flávio Dino, para prestar esclarecimentos sobre um rosário de questões.

Os bolsonaristas planejaram um show de combatividade que levaria o ministro a nocaute. O que vimos foi Dino fazendo picadinho deles, explicitando que são balofos, despreparados, mal intencionados e até mesmo infantis. Foram tratados com a condescendência do professor para com alunos arrogantes e ignorantes, desprovidos de argumentos para a contestação.

Combinando saber jurídico com experiência política, bom humor e paciência, Dino desmistificou a oposição bolsonaristas e ensinou a seus colegas de governo como lidar com eles. Foi de fato um show, mas do ministro. Quem quiser se divertir procure o vídeo da TV Câmara no Youtube.

O que buscavam não eram explicações sobre ações da pasta e muito menos um debate sério sobre questões relevantes da área de Justiça e Segurança. O que buscaram, e não conseguiram, eram imagens de um ministro acuado ou ridicularizado em vídeos que usariam nas redes sociais, terreno em que sabem combater. O Parlamento é outra coisa mas, para enfrentá-los, o governo deve adotar o método Dino.

Outras refregas virão, com outros ministros. A CCJ tem maioria governista e é presidida pelo petista Rui Falcão. Já a Comissão de Fiscalização e Controle tem como presidente a bolsonarista Bia Kicis e a maioria do governo é nominal. A ordem ali é manter o fogo algo sobre os ministros de Lula.

Bolsonaro, que passou quase 30 anos no baixo clero da Câmara, não é muito diferentes de seus aliados que deram vexame na CCJ, como o estreante Nikolas Ferreira, que saiu da sessão com um apelido humilhante. Ou André Fernandes (PL-CE), que caiu na asneira de acusar Dino de responder a 277 processos judiciais, com base no site Jusbrasil, que compila citações de pessoas em ações. Reclamaram do “deboche” de Dino, que o colocou “no continente mental de quem acha que a terra é plana”. Merecido. Um deputado não pode falar o que vem à boca, deve abri-la com o mínimo de responsabilidade e informação.

Então, não é com Bolsonaro que o governo deve se preocupar, e sim com aliados como o presidente da Câmara, Arthur Lira, que paralisou a agenda legislativa na disputa com o Senado sobre o rito das MPs, buscando o controle sobre a tramitação delas para ampliar seu poder de barganha.


Texto original em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -