Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Agência alimentar da ONU ganha Nobel da Paz pela luta contra a fome

A organização foi reconhecida pelo seu trabalho durante a pandemia de Covid-19, que “contribuiu para um forte aumento no número de vítimas da fome no mundo”, afirmou o Comitê Nobel Norueguês

O Programa Alimentar Mundial da ONU, maior agência humanitária do mundo, foi agraciado nesta sexta-feira (09) com o Prêmio Nobel da Paz por seu empenho para combater a fome no planeta, anunciou o comitê do Nobel da Paz, em Oslo. A organização foi reconhecida pelo seu trabalho durante a pandemia de Covid-19, que “contribuiu para um forte aumento no número de vítimas da fome no mundo”, afirmou o Comitê Nobel Norueguês. A informação é do DW.

Segundo a agência, mais de 821 milhões de pessoas no mundo sofrem de fome crônica, enquanto outros 135 milhões enfrentam fome severa ou inanição e outros 130 milhões podem vir a se juntar a esse grupo no final de 2020 devido à pandemia. A América Latina foi especialmente atingida pelo coronavírus, com o número de habitantes que precisam de assistência alimentar quase triplicando.

O Comitê Nobel destacou a necessidade de cooperação multilateral nos dias de hoje e os esforços da agência da ONU para “melhorar as condições para a paz em áreas afetadas por conflitos”. “A agência atua como uma força motriz no esforço para prevenir o uso da fome como arma de guerra e conflito”, acrescentou.

A organização, baseada em Roma, ajuda cerca de 97 milhões pessoas em cerca de 88 países a cada ano. Segundo ela, uma em cada nove pessoas no mundo ainda não têm o suficiente para comer.

A necessidade de solidariedade internacional e cooperação multilateral é mais clara do que nunca”.

O Programa Alimentar Mundial foi criado em 1962 a pedido do então presidente americano Dwight Eisenhower, como um experimento para fornecer ajuda alimentar por meio do sistema da ONU. No ano seguinte à sua criação, desenvolveu seu primeiro projeto de merenda escolar e, em 1965, se tornou um programa das Nações Unidas de pleno direito.

Atualmente, dois terços dos trabalhos da agência são realizados em países afetados por conflitos, onde as populações têm três vezes mais chances de estarem subnutridas do que em qualquer outra região do mundo. Há poucos lugares do mundo onde a agência nunca atuou. Sua maior resposta de emergência, no entanto, tem sido no Iêmen, onde tenta alimentar 13 milhões de pessoas.

O programa é financiado inteiramente por doações voluntária, a maioria vinda de governos. Em 2019, a agência arrecadou 8 bilhões de dólares, usados para fornecer mais de 4,2 milhões de toneladas métricas de alimentos e 2,1 bilhões de dólares em benefícios em espécie e vouchers. Ela possui mais de 17 mil funcionários, do quais 90% estão em países onde a agência oferece assistência.

O porta-voz da agência, Tomson Phiri, afirmou que o prêmio é um momento de orgulho. “Uma das belezas das atividades do programa é que não apenas fornecemos alimentos para hoje e amanhã, mas munimos as pessoas com conhecimento, os meios para se sustentar no próximo dia e nos dias seguintes”, acrescentou.


Fonte: DW  |   Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -