Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Ao ultrapassar 500 mil mortes por covid, EUA refletem sobre fracasso

País tem mais de 28 milhões de casos e Brasil se aproxima da metade do número mortes de americanos, ocupando o segundo lugar no mundo.

Os Estados Unidos ultrapassaram nesta segunda-feira (22) a marca de 500 mil mortes por covid-19. Os primeiros óbitos pela doença foram registrados no condado de Santa Clara, na Califórnia, há pouco mais de um ano. Isso significa que mais americanos morreram de covid-19 do que nos campos de batalha da Primeira Guerra Mundial, da Segunda Guerra Mundial e da Guerra do Vietnã juntas.

“Frequentemente ouvimos as pessoas serem descritas como americanos comuns”, disse o presidente Joe Biden em um discurso transmitido pela televisão antes da cerimônia de inauguração do Memorial pelas vítimas da Covid. “Não há nada comum sobre elas. As pessoas que perdemos foram extraordinárias, elas abrangeram gerações, nasceram na América e imigraram para a América. Mas exatamente desse jeito, muitos deles deram seu último suspiro sozinhos na América.”

“Como nação, não podemos aceitar um destino tão cruel”, disse Biden. “Esta nação vai sorrir novamente”, acrescentou. “Esta nação conhecerá dias ensolarados novamente. Esta nação conhecerá a alegria novamente. E ao fazermos isso, lembraremos cada pessoa que perdemos, as vidas que viveram e os entes queridos que deixaram para trás. Nós passaremos por isso. Eu prometo.”

Nos primeiros dias da pandemia, o Dr. Anthony S. Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas do país, e a Dra. Deborah L. Birx, que coordenava a resposta ao coronavírus na época, projetaram em março passado que, mesmo com medidas rigorosas para os americanos ficarem em casa, o vírus pode matar até 240.000 americanos, um número que parecia inimaginável na época.

As mortes nos EUA por Covid-19 ocorreram mais rápido com o avanço da pandemia. A primeira morte na Califórnia, em 6 de fevereiro de 2020 chegou a 100 mil no final de maio. Demorou quatro meses para a nação registrar outras 100.000 mortes; no seguinte, cerca de três meses; na próxima, apenas cinco semanas.

Os EUA registraram mais de 28,8 milhões de casos de covid-19 e 512.526 mortes até esta segunda-feira, de acordo com a contagem do Worldometers baseada em dados de saúde pública, embora as mortes e hospitalizações diárias tenham recuado para seu menor nível desde antes dos feriados de Ação de Graças e do Natal.

Quase metade das mortes ocorreram depois de dezembro

O número chamou a atenção de historiadores para como será contada esta história no futuro do país. Nancy Bristow, chefe do departamento de história da Universidade de Puget Sound em Tacoma, Washington, autora de “Pandemia americana: os mundos perdidos da epidemia de gripe de 1918” alertou contra as tendências de “reescrever esta em outra história de triunfo americano”.

Cerca de um em cada 670 americanos morreu de Covid-19, que se tornou uma das principais causas de morte neste país, junto com doenças cardíacas e câncer, e reduziu a expectativa de vida mais acentuadamente do que em décadas. As perdas, monumentais para o país, foram terrivelmente pessoais para os parentes e amigos dos 500.000.

Os estados mais ricos e populosos (Califórnia, Texas, Flórida, Nova York e Illinois) tiveram o maior número de contágios, mas não foram os que contaram maior proporção de mortes. Estados com maior índice de pobreza, desigualdade e menor oferta de serviços médicos tiveram impacto maior, como Nova Jersey, Mississipi, Arizona, Dakota do Sul, Louisianna, Alabama, muitos deles sulistas e com maioria de população negra.

No geral, a taxa de mortalidade de negros americanos com Covid-19 foi quase duas vezes maior do que a de americanos brancos, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças; a taxa de mortalidade para hispânicos foi 2,3 vezes maior do que para americanos brancos. E para os nativos americanos, foi 2,4 vezes maior.

O vírus se espalhou por lares de idosos e outras instalações de cuidados de longo prazo, espalhando-se facilmente entre os residentes vulneráveis: eles são responsáveis ​​por mais de 163.000 mortes, cerca de um terço do total do país.

Os Estados Unidos respondem por cerca de 20% das mortes de Covid conhecidas no mundo, mesmo representando apenas 4,25% da população global. As mortes registradas entre dezembro e fevereiro foram responsáveis por 46% de todos os óbitos por covid-19 nos EUA, mesmo quando as vacinas se tornaram disponíveis e com o início de um esforço para imunizar a população norte-americana.

O país de 332 milhões de habitantes é o sexto entre as nações com mais de 10 milhões de habitantes e o 3o. entre aqueles países com mais de 50 milhões de habitantes que tiveram mais impacto de mortes na proporção da população.

Neste mesmo ranking de impacto das mortes, o Brasil aparece em 12o. entre as nações com mais de 10 milhões de habitantes e em 6o. entre as grandes nações com mais de 50 milhões de habitantes.

O marco angustiante ocorre em meio a notícias promissoras: novos casos de vírus e mortes diminuíram drasticamente e a distribuição de vacinas gradualmente acelerou. Mas a incerteza permanece sobre as variantes emergentes do vírus, algumas mais contagiosas e possivelmente mais letais, de modo que pode levar meses até que a pandemia seja contida. Os cientistas dizem que a trajetória do número de mortos nos EUA dependerá da velocidade das vacinações, dos efeitos das variantes e do grau de adesão das pessoas a diretrizes como uso de máscaras e distanciamento social.

 

Causas de morte

A enorme escala de doença e morte causada pelo coronavírus é traçada em números que cresceram muito além dos padrões familiares da vida diária, que às vezes pode ser difícil de controlar.

Uma forma de contextualizar isso é compará-lo com outras principais causas de morte em 2019, um ano antes de a pandemia se estabelecer no país.

500.000 mortes são …

  • Três vezes o número de pessoas mortas nos EUA em qualquer tipo de acidente, inclusive rodoviário, em 2019 (167.127).
  • Mais de oito vezes o número de mortes por influenza e pneumonia (59.120).
  • Mais de dez vezes o número de suicídios (48.344).
  • Mais do que o número de mortes por acidente vascular cerebral, diabetes, doença renal, doença de Alzheimer e causas relacionadas, combinadas (406,161).
  • Apenas doenças cardíacas (655.381) e câncer (599.274) causaram mais mortes.

Quando os dados completos para 2020 estiverem disponíveis nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, Covid-19 certamente será uma das principais causas de morte. Mas tentar projetar onde ela se classifica pode ser complicado. Uma grande parte das mortes causadas pela Covid-19 foram de pessoas clinicamente vulneráveis ​​devido a outros problemas de saúde significativos, como câncer, doenças pulmonares ou cardíacas. Alguns deles provavelmente teriam sucumbido a essas causas e sido incluídos nessas categorias, se suas mortes não tivessem sido aceleradas pela covid-19.


por Cezar Xavier   |    Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -