Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

As dificuldades de acordo comercial EUA-Reino Unido pós-Brexit

Para os EUA, um acordo só começaria a parecer mais benéfico economicamente se o Reino Unido estivesse disposto a abrir os mercados de alimentos ou saúde, ambos politicamente muito difíceis. No entanto, um acordo seria altamente simbólico para o Reino Unido, que tenta encontrar seu lugar em um mundo pós-Brexit.

por Karen Jackson, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A capacidade de fechar novos acordos comerciais foi uma promessa importante da campanha do Brexit, mesmo antes de o Reino Unido deixar a União Europeia. Mas o progresso em direção a um acordo com os EUA tem vacilado. Inicialmente, havia grandes esperanças de que um acordo pudesse estar pronto quando o período de transição do Brexit terminasse em 31 de dezembro de 2020. Então, qual é o atraso e o que o Reino Unido pode realisticamente esperar obter em tal acordo?

O comércio entre o Reino Unido e os EUA atingiu uma alta histórica de mais de US $ 140 bilhões em 2019, de acordo com o UN COMTRADE, e tem crescido continuamente nos últimos dois anos. Enquanto isso, houve um lento declínio no comércio entre o Reino Unido e a UE em 2019 – embora seu valor ainda seja muito mais alto, US $ 560 bilhões.

Mas, como esperado, as exportações e importações do Reino Unido caíram drasticamente em maio e junho de 2020, alguma recuperação em julho e agosto. É claro que o crescimento de 2019 no comércio entre o Reino Unido e os EUA foi revertido, principalmente como resultado da pandemia. Isso torna as negociações entre o Reino Unido e os EUA sobre uma maior liberalização do comércio cada vez mais importantes.

As negociações sobre um acordo começaram formalmente em maio de 2020 e, após vários prazos perdidos, nenhum acordo foi materializado até agora. A recente entrevista do presidente eleito Joe Biden com o New York Times sugere que há pouca probabilidade de os EUA fecharem um acordo comercial completo com o Reino Unido no curto prazo. E quando a Autoridade de Promoção Comercial dos EUA expirar em julho de 2021, não haverá mais uma oportunidade de acelerar um acordo no Congresso.

No entanto, comentários recentes de Robert Lighthizer, o atual representante comercial dos EUA, à BBC aumentaram as esperanças de um mini-negócio, que pode se concentrar exclusivamente na redução das tarifas.

 

O Sistema de Saúde não está a venda

Há uma série de razões para a falta de progresso: as eleições nos Estados Unidos atrapalharam e o Reino Unido tem negociado com uma série de parceiros, todos ao mesmo tempo. Embora o Reino Unido tenha uma das maiores equipes de negociadores comerciais, eles ainda são novos neste processo, uma vez que todos esses acordos estavam nas mãos dos negociadores comerciais da UE até muito recentemente. Existem também diferenças substanciais de opinião.

Na área de saúde, o acesso ao mercado do Reino Unido seria um bom resultado para os negociadores dos EUA, já que representantes do setor de saúde dos EUA estão interessados ​​em expandir para o Reino Unido. No entanto, os negociadores do Reino Unido declararam: “O NHS não estará na mesa. O preço que o NHS paga pelos medicamentos não estará na mesa. Os serviços que o NHS oferece não estarão na mesa. O NHS não está, e nunca estará, à venda para o setor privado, seja no exterior ou nacional. ”

Dito isto, uma inversão de marcha é possível, especialmente se não houver outra maneira de chegar a um acordo. O NHS é tão importante em relação a um acordo com os Estados Unidos que pode ter que ser reexaminado.

Os exportadores do Reino Unido já têm forte acesso ao mercado dos EUA; os EUA são o país de exportação mais importante para as exportações de bens do Reino Unido. Por outro lado, existem mais oportunidades para um melhor acesso ao mercado do Reino Unido para produtos dos EUA. Os negociadores dos EUA estão particularmente interessados ​​na abertura dos setores agrícola e de alimentos. Dito isso, o público britânico está se tornando mais informado sobre os possíveis problemas com os produtos alimentícios dos EUA sendo vendidos abaixo dos padrões da UE. E, compreensivelmente, os agricultores do Reino Unido não aceitam o aumento da concorrência.

De uma perspectiva do Reino Unido, simplesmente não parece haver muito a ganhar com um acordo comercial em termos econômicos; a modelagem do próprio governo do Reino Unido estima aumentos de 0,07-0,16% do PIB no longo prazo, dependendo se o acordo levaria à liberalização comercial parcial ou total. Para os EUA, um acordo só começaria a parecer mais benéfico economicamente se o Reino Unido estivesse disposto a abrir os mercados de alimentos ou saúde, ambos politicamente muito difíceis. No entanto, um acordo seria altamente simbólico para o Reino Unido, que tenta encontrar seu lugar em um mundo pós-Brexit.

Embora seja improvável que vejamos um acordo comercial completo entre o Reino Unido e os Estados Unidos em um futuro próximo, é possível que vejamos um mini-acordo emergir durante as semanas finais do governo Trump. Isso pode levar os dois países a concordar em tarifas mais baixas sobre produtos como uísque e caxemira. Alternativamente, sob a próxima administração dos EUA, a disposição de Biden em construir alianças contra a China também poderia encorajar um mini-acordo entre o Reino Unido e os EUA.


por Karen Jackson, Professora sênior de economia na Universidade de Westminster Oleksandr Shepotylo é professor de Economia na Universidade Aston    |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -