Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

As Olimpíadas e o retrocesso bolsonarista

O desempenho e o resultado dos atletas brasileiros nas Olimpíadas de 2021 em Tóquio, Japão, encerram importantes lições. É preciso, antes de tudo, registrar com elogios o papel do Brasil na competição, muito bem representado pelos que participaram dos jogos. Nesse âmbito, ficou realçado o protagonismo de mulheres, negros e nordestinos, um perfil que retrata à perfeição a essência do povo brasileiro, credenciais legítimas de um país marcado por injustiças sociais.

Esse pressuposto remete à lógica que levou os atletas a representar tão bem o Brasil, considerando os níveis das disputas, sobretudo os das superpotências no esporte. São resultados colhidos de semeadura do ciclo de governos democráticos e progressistas dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, quando os ministros Agnelo Queiróz, Orlando Silva e Aldo Rebelo, atuaram na pasta do Esporte por indicação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), apoiados em importantes conhecedores do assunto.

Prevaleceu, nesse período, o entendimento de que o esporte tem função social muito importante. Os investimentos possibilitaram a formação de atletas que já nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, despontaram com conquistas significativas e agora trazem de Tóquio mais um conjunto considerável de medalhas. O que foi plantando naquele período rendeu frutos e poderia ter rendido bem mais, não fossem as contenções nos investimentos.

A nova postura ante o esporte dos governos Temer e Bolsonaro são consequências do projeto de poder que tira recursos do povo para sustentar a ciranda financeira. Com essa política, onde houver fontes para se transferir dinheiro ao rentismo a mão do parasitismo orçamentário atua. Nessa sanha devoradora, foi-se também o Ministério do Esporte e com ele a arquitetura que possibilitou a formação dos atletas que agora brilharam nas Olimpíadas.

Como se vê, o combate ao bolsonarismo tem um amplo espectro. Além das suas investidas contra o Estado Democrático, seu projeto de poder destrói os fundamentos da não. E isso inclui questões essenciais à vida, como saúde e educação, intrínsecas à ideia desenvolvimento com progresso social. Bolsonaro é a antítese da civilização. Com ele no poder, o país não tem alternativa à marcha regressiva, cujo traço principal é a barbárie.


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -