Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Junho 14, 2024

Aventuras de uma escritora imprevisível

Beatriz Lamas Oliveira
Beatriz Lamas Oliveira
Médica Especialista em Saúde Publica e Medicina Tropical. Editora na "Escrivaninha". Autora e ilustradora.

Na apresentação do meu livro “O Clube das Efes” numa Escola Básica da área do grande Porto, aconteceu este episódio digno de nota

A apresentação do livro, feita por mim, conta a história do Filipe e das três doninhas, a Faia, a Flor e o Freixo, ou seja os elementos do Clube das Efes, e tinha durado os habituais quarenta e cinco minutos, com apoio de um power point construído com as aguarelas originais que foram criadas para ilustrar o livro. Estas apresentações eram tudo menos solenes e cansativas, e eu estava habituada a variar a forma de falar conforme as expressões das caras dos meninos e meninas à minha frente, interpretando o desejo de que eu continuasse a contar a história até ao fim.

Os alunos, cerca de cinquenta, tinham seguido a narrativa mostrando interesse vivo e parecendo muito concentrados.

Estávamos num amplo anfiteatro, bem confortável, já  na fase de perguntas e respostas finais, perguntas livres sobre o livro, sobre o meu trabalho de escrita e de ilustração.

Para minha satisfação havia muitas e variadas curiosidades e muito braço levantado a pedir a palavra.

Lá em cima um dedinho tímido de menina franzina agitou-se e eu fiz-lhe sinal de que podia falar.

A menina, um pouco atrapalhada, perguntou:

_Eu queria saber se a senhora é aquela escritora Beatriz Lamas Oliveira que devia vir hoje aqui à escola! Ou se a tal escritora vem depois.

Inspirada pela engraçada questão, respondi:

_Não, não sou a escritora. Eu sou a Dona Lucinda. A tal escritora ia a caminho do café que fica aqui em frente da escola e encontrou-me a atravessar a rua. Eu tencionava ir às compras ali ao mercado municipal. Mas essa tal escritora perguntou-me se eu não me importava de a substituir aqui no anfiteatro e conversar com os alunos enquanto ela descansava. E eu fiz-lhe a vontade.

Nesta altura das explicações da suposta Dona Lucinda, havia alunos pasmados, havia alunos sorridentes e havia alunos a rir com vontade.

Na verdade, só a Professora parecia com alguma falta de ar.

A menina que tinha questionado se eu era mesmo uma escritora verdadeira tapou a boca com ambas as palmas das mãos, a esconder um “Oh” de espanto um tanto envergonhado e depois juntou-se, contente, interpretei eu, ao coro do riso geral.

Estas histórias talvez um dia sejam contadas numa nova coleção intitulada “Aventuras de uma escritora imprevisível”.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior
Próximo artigo
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -