Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Julho 15, 2024

Barbie, Barbie, que foste tu fazer…

João Vasco AlmeidaA Barbie passou-se. Em vez de uma só, desengonçada e a permitir as piores perversidades adolescentes, agora tem corpinho para todos os gostos. Ora alta e magra, ora baixa e rechonchuda, ora branca ora negra. A empresa que a faz considerou, ao fim de dois mil anos, que Botero podia ter razão e vai de fazer moldes diversos para a bonecada.

A Barbie é, desde quinta-feira deste ano da graça de 2016, tudo o que um homem quiser. As meninas já podem brincar e os rapazes já podem rejeitar conforme etnia, credo e corpo.

A Mattel, empresa que nos deu tão profundos personagens como He-Man, dona da Barbie desde sempre, diz que assim quer chegar a todos os públicos. Fui ver. E não chega. O Ken, o eterno namorado da Barbie, continua branco e alto, como um Trump que se recusa a mudar.

Barbie, para todos os preconceitos
As novas Barbies, para todos os preconceitos

Há que pensar, então, no que acontece além do reino maravilhoso. A sociedade já tinha reagido com alguma comoção à sexy Popota, toda ela curvadita e de baby-doll e minissaia. A Barbie clássica, inspirada num cartoon alemão da década de 50, estava gasta. Mas o problema estava nas vendas.

A Barbie já não vendia. Esperta como sempre, a Disney há muito tinha ultrapassado a bonequita da Mattel, com as suas princesinhas de todas as cores e feitios. A pobre alemã já só excitava os vintage, longe de se enquadrar no maravilhoso mundo da biodiversidade.

Tal como António Costa, a Mattel percebeu que era preciso diversificar: um bloquista aqui, um congresso do Livre ali, um PCP para a lapela. Eis-nos chegados, então, ao mundo dos moldes e cores para a canalha globalizada. Uma Barbie não é uma Barbie, são muitas. Igual ao mundo, aliás: uma convicção passam a ser muitas, à escolha e conforme a “conjuntura”.

Eu tive uma Barbie, das clássicas. Perdeu a cabeça comigo. Ainda lhe tenho as pernas. Mas sei que é uma Barbie porque só tinha aquelas pernas. Daqui a 30 anos já ninguém sabe de quem serão as pernas, porque se perdeu a identidade (mesmo que fosse estúpida e disforme).

Leia outros artigos de João Vasco Almeida

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Uma Aventura | Na Caixa

Mentores espirituais

Auto-retrato, Pablo Picasso

- Publicidade -