Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022

Bolsonaro abre porteira ao crime ambiental na Amazônia, diz deputada

Por incentivar mineração em terras indígenas e agir para acabar com o Fundo Amazônia, um programa de combate ao desmatamento e de desenvolvimento sustentável, Jair Bolsonaro abriu a porteira da degradação ambiental na região.

É o que avalia a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) para quem o presidente não dá a menor importância às questões ambientais.

Segundo ela, Bolsonaro está levando o país uma completa desmoralização, abrindo espaço para os oportunistas e irresponsáveis que defendem a internacionalização da Amazônia brasileira.

Bolsonaro nunca se conformou com a multa que o Ibama lhe aplicou pela prática de crime ambiental. Então, tudo o que ele puder fazer para acabar com o órgão, ele vai fazer. Bolsonaro abre a porteira da degradação ambiental na Amazônia, quando incentiva mineração em terras indígenas e dá sinais de que quer extinguir algumas reservas ambientais”.

Agora, ele também detona o Fundo Amazônia, que sobrevivia com as contribuições da Alemanha e Noruega, sustentando parte das ações do Ibama e dos projetos de uso sustentável da floresta. Perder o apoio dos que mais contribuem significa perder quase 300 milhões de reais em investimentos em projetos ambientais. Significa que populações mais pobres podem ficar desassistidas”.

Para a parlamentar, as leis precisam ser cumpridas como o Código Florestal propõe e é necessário aliar sustentabilidade com desenvolvimento. “A Amazônia está ardendo, está em chamas, e a fumaça se deslocou para outros estados. O avanço da fumaça com as queimadas ilegais mostrou que não são só os moradores do Norte que sofrem com o desmatamento, todo o país será vítima da destruição de anos de conquistas que são nossas leis ambientais”, frisou.

A parlamentar acredita que é preciso agir rapidamente para que os prejuízos sejam reduzidos e denunciou que o aumento do desmatamento e das queimadas é, na maior parte dos casos, criminoso.

Perpétua defendeu as populações tradicionais que sofrem as consequências do desmatamento e perdem a terra para as multas, enquanto os grandes devastadores, aqueles que desmatam ilegalmente, são amparados por advogados e não pagam multa nenhuma.

Impassividade

“Até quando vamos assistir a morte da Amazônia de braços cruzados?”, questionou a deputada. Perpétua citou os dados alarmantes do Sistema de Alerta de Desmatamento que foram divulgados recentemente e mostraram que, na comparação de julho deste ano com julho de 2018, o desmatamento foi 66% maior. Para ela, uma das possíveis causas deste aumento é o incentivo que sai das falas do presidente Jair Bolsonaro.

A deputada acreana entende que é essencial uma proposta de desenvolvimento, de cidadania e de geração de renda por meio do uso sustentável da floresta. “A Amazônia peruana é do Peru, a Amazônia boliviana é da Bolívia, e a Amazônia brasileira é dos brasileiros! O Brasil precisa provar aos brasileiros que pode, sabe e quer cuidar da sua Amazônia”, concluiu.


Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV (Prensa Latina) / Tornado


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -