Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Breve antropologia da paisagem de máscaras contra covid-19

O modo como um pesquisador relata como se deu o uso cotidiano das máscaras, desde o início da pandemia, mostra algumas universalidades que vão marcar esse início de década na história.

por Mickey Vallee, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Você se lembra do início da pandemia, quando durante meses um grande debate foi se as pessoas deveriam ou não usar máscara?

Por volta de março de 2020, fiz minha própria máscara usando instruções que encontrei online. Eu era o único cliente mascarado em minha mercearia local no dia em que o fiz, mas em vez de seguir o impulso de arrancá-lo e enfiá-lo no bolso de trás quando os olhos do sem máscara se fixaram em mim, pensei: por que não t Eu transformo isso em uma oportunidade de pesquisa?

Liguei o gravador de memo de voz do meu telefone e fiz anotações de áudio sobre minhas experiências, narrando meu caminho em torno dos clientes desviando seus carrinhos e entre estoques cada vez menores de papel higiênico e fermento instantâneo. Ouvindo minhas anotações, pareço ter ponderado:

“Por que eu sou o único usando uma máscara? … Minha voz soa estranha nisso. Eu sinto que estou respirando por um canudo. Não sei. É meio confortável, eu acho. As pessoas estão realmente olhando para mim? Eu não sei dizer. É quando as regras começam a mudar que todos percebem coisas básicas como caminhar e o que fazemos com nossos rostos.”

As regras não parecem mudar para todos. O Canadá demorou a recomendar ao público que usasse máscaras – a Dra. Theresa Tam, diretora médica do Canadá, recomendou máscaras caseiras durante o uso do transporte público e compras no início de abril de 2020.

Depois do meu primeiro dia de máscara, vi rostos desaparecerem lentamente sob as dobras de algodão e, desde então, fiz centenas de horas de anotações de áudio sobre máscaras e cultura de máscaras, debates de máscaras e desafios de máscaras, em algo que estou chamando de nova paisagem de máscaras.

Mascaramento: uma teia emaranhada de fatos e medos

Por que o Canadá demorou tanto para começar a aconselhar as pessoas a usarem máscaras? Parte do motivo é que as máscaras foram incorporadas ao nosso período de reabertura (maio-agosto de 2020), já que o isolamento em casa exigia pouco uso de máscara. No início da pandemia, de fevereiro a abril de 2020, a história global relacionada às máscaras era uma teia emaranhada de fatos e medos:

O Canadá demorou um pouco antes de recomendar que o público usasse máscara

Se a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros locais médicos profissionais estavam expressando uma certa ambivalência em relação à máscara, uma comunidade global DIY de cientistas, fabricantes e fabricantes de máscaras, influenciadores de mídia social, celebridades e membros da comunidade pressionaram por sua adoção generalizada.

O caso da República Tcheca

Os influenciadores na República Tcheca foram os primeiros a iniciar uma campanha pública e global para que as pessoas usassem máscaras. YouTuber Petr Ludwig postou um vídeo referindo-se a um estudo da Universidade de Cambridge que recomendava que as pessoas usassem máscaras caseiras para reduzir a propagação – enfatizando que as máscaras tinham como objetivo, em tal situação, proteger a comunidade e não os próprios indivíduos mascarados.

Como as pessoas estavam sob pedidos para ficar em casa e talvez prestando mais atenção às redes sociais, ouviram o chamado para começar a fazer máscaras em casa. Na República Tcheca, os influenciadores colocaram máscaras e espalharam mensagens com a hashtag # Masks4All , que atingiu os círculos globais de costura em questão de dias.

A hashtag # Masks4All resultou em uma chamada nacional para fazer máscaras, converter fábricas em estações de trabalho e compartilhar instruções de design de máscaras . Pessoas em todo o mundo responderam a este apelo: Eles começaram a fazer máscaras, entregando muitas para funcionários da linha de frente e deixando-as penduradas em público em “árvores de máscaras”.

Demorou cerca de uma semana para a hashtag # Masks4All ficar online e, em abril de 2020, 36 países fizeram o mesmo. O Canadá embarcou no início de abril com sua recomendação de usar máscaras no transporte público e durante as compras, então anunciou em 20 de maio que os canadenses deveriam considerar o uso de máscaras quando não pudessem se distanciar socialmente.

Valorizando máscaras

À medida que as políticas de máscara foram postas em prática globalmente, certos valores começaram a emergir. No Canadá, aqueles que aderiram à máscara estavam geralmente cientes dos motivos pelos quais as pessoas eram solicitadas a usá-la. Uma pesquisa exploratória com perguntas sobre atitudes em relação ao uso da máscara, que conduzi em novembro de 2020 (os resultados, ainda a serem publicados), indicou que os entrevistados estavam de acordo com um modelo de raciocínio de saúde comunitária.

As respostas indicaram que suas atitudes estavam de acordo com os valores que o uso da máscara desempenha. Isso era frequentemente expresso em frases comuns que eram explicitamente relacionais, afetivas e voltadas para a comunidade: “para proteger os outros e também a mim mesmo”, “para proteger os vulneráveis”, “usar uma máscara é ‘a coisa certa a fazer’,” que promove a “responsabilidade social” e dá um “bom exemplo”.

As respostas também incluíram que usar máscara era “bom senso” e algumas vezes os entrevistados mencionaram que “mantém meu rosto aquecido”. Ainda tenho a primeira máscara que fiz. É um lembrete do tipo de desempenho e ritual em que a máscara se tornou.

Mas a ciência é sempre estável? Recentemente, o oficial médico-chefe de Alberta anunciou que a província começará a relaxar as medidas de distanciamento social, incluindo a revogação do uso de máscaras obrigatórias (exceto nas escolas).

A situação obviamente ainda está mudando, já que provavelmente estabelecemos um relacionamento de longo prazo com COVID-19. Este novo relacionamento provavelmente não deixará as máscaras esquecidas. Em vez disso, as máscaras podem se tornar mais complexas, políticas e performáticas. A ciência informa como governos, comunidades e a mídia tomam as melhores decisões para si próprios e uns para os outros.


por Mickey Vallee, Professor Associado e Presidente de Pesquisa do Canadá (Nível II) em Comunidade, Identidade e Mídia Digital, Universidade Athabasca   |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -