Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Capital político de líderes japoneses depende das Olimpíadas

A menos que o governo de Suga consiga enfrentar a pandemia de maneira mais eficaz, em breve descobrirá que hospedar os jogos escapou de seu controle – e seu destino político junto com ele.

por Craig Mark, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier


Atualização: algumas horas após a publicação deste texto, uma reportagem do Times de Londres disse que o governo japonês concluiu privadamente que as Olimpíadas de Tóquio terão de ser canceladas devido ao coronavírus, com base em uma fonte, com o foco agora em tentar garantir os Jogos de 2032.


Com a propagação da Covid-19 piorando constantemente no Japão desde o início do inverno – os recordes diários de infecções e mortes continuam sendo quebrados – o destino dos Jogos Olímpicos de Tóquio está novamente em dúvida.

Nesta semana, o ex-vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional, Kevan Gosper, causou consternação no Japão ao sugerir que as Nações Unidas podem ter que decidir se as Olimpíadas e Paraolimpíadas podem prosseguir este ano.

Os especialistas médicos japoneses também estão cada vez mais incertos sobre a viabilidade dos jogos realizados. Mesmo que as vacinações continuem em todo o mundo, ainda seria extremamente arriscado permitir a entrada de mais de 15.000 atletas estrangeiros, além de dezenas de milhares de técnicos, oficiais, patrocinadores e membros da mídia.

O primeiro-ministro Yoshihide Suga faz seu discurso de política no parlamento esta semana

O público japonês parece concordar. Uma pesquisa recente da emissora pública NHK mostrou que 77% dos entrevistados querem que os Jogos de Tóquio sejam cancelados ou adiados novamente.

O primeiro-ministro Yoshihide Suga, no entanto, reafirmou a determinação do governo de realizar as Olimpíadas a partir de 23 de julho. Em seu discurso de abertura da primeira sessão no parlamento japonês na segunda-feira, Suga prometeu que o governo controlaria a pandemia o mais rápido possível.

Então, por que o governo se apega à esperança de realizar as Olimpíadas em face de tais desafios – e quais são os custos potenciais?

 

A liderança de Suga começou mal

Simplificando, a sorte política de Suga depende disso. Se as Olimpíadas de Tóquio forem canceladas, seu primeiro ministro estará quase certamente condenado e seu Partido Liberal Democrata, no poder, sem dúvida enfrentará um desafio eleitoral mais duro dos partidos de oposição mais organizados.

Foi um começo difícil para Suga desde que ele assumiu o cargo de Shinzo Abe em setembro passado, em grande parte devido à sua má gestão da pandemia.

O governo conservador do PDL priorizou consistentemente a economia em detrimento da saúde pública. Com o apoio da Japan Business Federation, o poderoso grupo de lobby das grandes corporações japonesas, por exemplo, Suga deu continuidade à campanha “Go To Travel” de Abe, que subsidiava o turismo doméstico e apoiava o setor hoteleiro. Ele relutantemente suspendeu o programa no mês passado, após ser acusado de espalhar a Covid-19 por todo o país.

Suga também resistiu a tomar medidas mais firmes para controlar a pandemia. Ele foi finalmente forçado a ceder à pressão dos líderes locais e reintroduzir um estado de emergência para a região metropolitana de Tóquio em 7 de janeiro. Desde então, foi expandido para outras grandes áreas urbanas, cobrindo metade da população do Japão até pelo menos 7 de fevereiro.

Mas isso é menos extenso do que o estado de emergência nacional declarado em abril passado. As novas medidas contam ainda com a colaboração voluntária do público e das empresas, sendo as pessoas obrigadas a ficar em casa e os restaurantes e bares encerrados até às 20 horas. Como as restrições não são obrigatórias, alguns restaurantes começaram a quebrar a hierarquia.

Como os casos de coronavírus continuam aumentando, o governo de Tóquio solicitou às pessoas que evitassem passeios não essenciais

A legislação está sendo considerada na Dieta para introduzir penalidades como prisão ou multas para indivíduos e empresas que não cumpram a lei, mas os partidos da oposição se opuseram a quaisquer medidas punitivas de execução.

O governo de Suga também foi criticado por uma taxa relativamente baixa de testes, rastreamento de contato insatisfatório e a lenta implantação de uma vacina, que não deve começar até o final de fevereiro.

Para combater essas preocupações, Suga nomeou o ambicioso ministro da reforma administrativa, Taro Kono, para se encarregar da distribuição da vacina Pfizer-BioNTech para toda a população.

 

Uma em cada seis pessoas em ‘pobreza relativa’

A economia não está se saindo muito melhor. Embora a taxa oficial de desemprego esteja em torno de 3%, pelo menos meio milhão de japoneses perderam seus empregos nos últimos seis meses. Um em cada seis é considerado em “pobreza relativa”, com rendimentos inferiores à metade da média nacional.

Cerca de 40% dos trabalhadores estão empregados em empregos não regulares de salários mais baixos, especialmente nas indústrias de serviços, e têm sido os mais vulneráveis na recessão relacionada à pandemia. As mulheres, em particular, foram duramente atingidas.

Embora a economia tenha mostrado sinais de crescimento nos últimos seis meses, espera-se que volte a desacelerar no primeiro trimestre de 2021, antes de se estabilizar. No entanto, o FMI espera uma “recuperação gradual” para o ano, graças às medidas de estímulo implementadas pelo governo.

 

As Olimpíadas se avultam sobre as próximas eleições

Sediar as Olimpíadas sempre teve um imenso prestígio político, portanto, não fazê-lo seria mais uma mancha para o novo governo e poderia destruir suas perspectivas nas próximas eleições nacionais, previstas para 21 de outubro.

Suga também enfrentará outra votação para a liderança de seu partido em 30 de setembro. Há alguns rumores de que um mediador de poder no partido, Toshihiro Nikai, poderia retirar seu apoio a Suga em favor de outro candidato. Um nome que está sendo sugerido como uma possível substituição é Seiko Noda, que poderia tornar-se a primeira mulher primeira-ministra do Japão se isso acontecer.

Se as Olimpíadas forem canceladas, isso também terá grandes implicações para a popular governadora de Tóquio, Yuriko Koike, uma forte defensora dos jogos. Ela foi reeleita em uma vitória esmagadora no ano passado, mas seu partido pode sofrer nas eleições locais em julho se os jogos não acontecerem.

Depois, há o custo financeiro para o país. Após o adiamento de março passado, o custo oficial dos jogos subiu 22%, para US$ 15,4 bilhões, embora as auditorias do governo tenham mostrado que o custo real é de US$ 25 bilhões.

O governo também é responsável por todos os custos, com exceção de US$ 6,7 bilhões em um orçamento operacional com financiamento privado.

Isso aumentaria o enorme déficit fiscal e a dívida pública que o governo acumulou devido aos gastos com estímulo para conter a pandemia. O projeto de orçamento submetido à Dieta esta semana foi estimado em um recorde de 106,6 trilhões de ienes, ou US$ 1 trilhão.

O revezamento da tocha olímpica deve começar em Fukushima no dia 25 de março, o que apresenta um prazo para uma decisão final sobre se os jogos podem prosseguir.

O COI disse que as Olimpíadas não podem ser adiadas mais e terão de ser canceladas se não começarem com segurança em julho.

A menos que o governo de Suga consiga enfrentar a pandemia de maneira mais eficaz, em breve descobrirá que hospedar os jogos escapou de seu controle – e seu destino político junto com ele.


por Craig Mark, Professor da Faculdade de Estudos Internacionais, Universidade Feminina de Kyoritsu    |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -