Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Colonialismo climático: proibição do financiamento a projetos na África

Por que proibir o financiamento de projetos de combustíveis fósseis na África não é uma solução climática. O tanzaniano médio usou apenas um sexto da eletricidade consumida por uma geladeira americana típica em 2014.

por Benjamin Attia e Morgan Bazilian, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

As desigualdades globais de energia de hoje são surpreendentes.

Os videogames na Califórnia consomem mais eletricidade do que nações inteiras. O tanzaniano médio usou apenas um sexto da eletricidade consumida por uma geladeira americana típica em 2014.

Globalmente, os 10% mais ricos dos países consomem 20 vezes mais energia do que os 10% mais pobres . E 1,1 bilhão de africanos subsaarianos compartilham a mesma quantidade de capacidade de geração de energia que os 83 milhões de habitantes da Alemanha. Pelo menos metade não tem acesso à eletricidade.

Essas gritantes desigualdades de energia estão alimentando debates espinhosos sobre o financiamento do futuro energético da África, enquanto os líderes mundiais e seus negociadores se preparam para a COP26, a conferência climática das Nações Unidas em Glasgow, Escócia, em novembro.

Um tema cada vez mais comum em países ricos – incluindo aqueles responsáveis ​​pela maioria das emissões de gases de efeito estufa ao longo do tempo – é a promessa de que eles encerrarão o financiamento público para todos (ou quase todos) os projetos de combustíveis fósseis em países menos desenvolvidos, mesmo que continuem a  financiar e, em muitos casos, subsidiando pesadamente os próprios combustíveis fósseis.

Em geral, é mais fácil para os países que oferecem financiamento de desenvolvimento no exterior para projetos de energia fazerem regras de baixo carbono para outros do que para eles próprios. Por exemplo, China, Japão e Coreia do Sul – algumas das nações que mais consomem carvão do mundo – recentemente se comprometeram a parar de financiar projetos de carvão no exterior e aumentar os investimentos em energias renováveis. Mas eles não assumiram compromissos equivalentes em casa.

O Tesouro dos Estados Unidos e a instituição financeira de desenvolvimento do Reino Unido, o Grupo CDC, adotaram uma abordagem mais matizada. Eles estão limitando todos os projetos de geração de energia à base de carvão e petróleo e deixando uma janela estreita disponível para projetos de gás natural em países pobres que passam por um rigoroso processo de triagem. Isso é mais ou menos semelhante à abordagem do Banco Mundial.

Como pesquisadores experientes em políticas de energia limpa, acreditamos que a exclusão total de todos os projetos de energia não renovável do financiamento do desenvolvimento é uma estratégia climática injusta e ineficaz que ilumina mais de 1 bilhão de africanos.

Pequenos ganhos climáticos, grandes perdas de desenvolvimento

Focar na limitação das emissões dos países mais pobres do mundo, enquanto as emissões continuam a aumentar nos países industrializados, é claramente mal direcionado em nossa opinião. Dadas as fortes desigualdades no uso de energia e emissões, isso poderia, em vez disso, consolidar a pobreza e ampliar a desigualdade induzida pelo agravamento da mudança climática, ao mesmo tempo em que realiza muito pouco para reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa.

Juntos, EUA, Reino Unido, União Europeia, Japão e Rússia têm quase a mesma população – 1,1 bilhão de pessoas – que a África Subsaariana, mas 35 vezes mais usinas movidas a gás em operação ou em desenvolvimento e 52 vezes mais usinas a carvão.

Quando se trata de emissões de dióxido de carbono, a África Subsaariana é coletivamente responsável por apenas meio por cento de todas as emissões globais ao longo do tempo, enquanto os EUA, Reino Unido, UE, Japão e Rússia são responsáveis ​​por mais de 100 vezes esse valor, ou cerca de 57%.

 

 

 

 

O limite superior para o crescimento futuro da África nas emissões do setor de energia também é insignificante. Se a demanda de eletricidade da região hipoteticamente triplicou amanhã, em vez de dobrar até 2040 como a Agência Internacional de Energia previu recentemente , e se apenas gás natural fosse usado para atender à nova demanda, as emissões globais anuais aumentariam apenas 0,62%, de acordo com uma estimativa. Isso é equivalente às emissões anuais do estado da Louisiana hoje.

Além do mais, a parcela de energia renovável em muitas redes nacionais da África Subsaariana já é maior do que a de quase todos os grandes emissores de gases de efeito estufa. Em pelo menos seis países – Quênia, Etiópia, Malaui, Mali, Moçambique e Uganda – as energias renováveis ​​representam mais de 50% de sua geração anual. Em 2018, a energia hidrelétrica, geotérmica, solar e eólica representava cerca de 20% da energia total gerada no continente.

A maior parte da região achará que a energia renovável é a maneira mais rápida e barata de expandir sua capacidade de geração, mas algumas áreas ainda podem precisar de alguns combustíveis fósseis em vários setores da economia à medida que se desenvolvem.

Está claro há décadas que o mundo precisa cortar rápida e agressivamente suas emissões de gases de efeito estufa para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus Celsius e evitar os piores impactos das mudanças climáticas. Muitas regiões da África, incluindo o Sahel e Moçambique, já estão enfrentando os efeitos das mudanças climáticas, incluindo o agravamento das secas, insegurança alimentar e fortes tempestades. A adaptação às mudanças climáticas e a construção de resiliência requerem a própria energia, desenvolvimento econômico e infraestrutura que atualmente faltam em algumas das regiões mais afetadas e aquelas menos preparadas para se adaptar.

Colonialismo climático e legados da colonização

Outros  especialistas concordam que essa direção da política climática não é apenas ineficaz, ela está enraizada nas iniquidades históricas do colonialismo.

filósofo Olúfẹ́mi O. Táíwò define o colonialismo climático como o “aprofundamento ou expansão da dominação estrangeira por meio de iniciativas climáticas que exploram os recursos das nações mais pobres ou comprometem sua soberania”.

O legado do colonialismo é um fator que contribui para uma ampla gama de questões, desde conflitos à corrupção e ao mau estado do acesso à eletricidade em grande parte da África hoje.

Enquanto as nações em processo de industrialização nos anos 1900 construíam redes de eletricidade por meio de massivas campanhas de gastos públicos, como o New Deal de Franklin Roosevelt nos Estados Unidos e a Lei de Fornecimento de Eletricidade de 1926 no Reino Unido, a maior parte da África estava sendo ativamente roubada de seus ricos recursos naturais. Grande parte da infraestrutura construída na África colonial naquela época foi construída apenas para facilitar as operações de extração de recursos, como commodities mineradas, petróleo, madeira, borracha, chá, café e especiarias.

Em 1992, uma coalizão de nações de baixa renda defendeu com sucesso os caminhos de mitigação do clima da ONU para incluir seu direito ao desenvolvimento e uma “responsabilidade comum, mas diferenciada” para lidar com os problemas duplos de desenvolvimento e mudança climática. Essa linguagem há muito tem sido a base das considerações de equidade na política climática, inclusive no Acordo de Paris de 2015, que prevê cortes mais profundos de emissões dos países desenvolvidos com base em suas “respectivas capacidades”.

Uma transição de quê?

O vice-presidente nigeriano Yemi Osinbajo descreveu recentemente a “transição energética” como “um termo curioso” quando aplicado universalmente, dadas as deficiências de energia em países como a Nigéria. Ele defendeu uma transição energética na qual a África possa se desenvolver rapidamente e crescer. O aumento da eletricidade nas regiões em industrialização da África Subsaariana alimentaria primeiro as atividades geradoras de renda e os serviços públicos, ambos motores do crescimento econômico.

Negociações climáticas equitativas e eficazes exigirão considerações políticas diferenciadas que equilibrem as prioridades de redução da pobreza energética com mitigação e adaptação urgentes às mudanças climáticas. Uma transição energética justa deixaria os governos africanos a fazer e implementar políticas e cumprir os seus próprios compromissos climáticos nacionais ao abrigo do Acordo de Paris, em vez de assumir os do Ocidente.


por Benjamin Attia e Morgan Bazilian, em The Conversation, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Benjamin Attia, Membro não residente do Instituto Payne de Políticas Públicas, Escola de Minas do Colorado
  • Morgan Bazilian, Professor de Políticas Públicas e Diretor do Instituto Payne, Escola de Minas do Colorado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -