Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

Começou a Guerra no Sahara Ocidental sob a passividade da ONU

Isabel Lourenço
Observadora Internacional e colaboradora de porunsaharalibre.org

Esta madrugada estalou a Guerra no Sahara Ocidental sob o nariz e impassividade da ONU

Marrocos viola o Cessar-Fogo perante a impassividade da Missão das Nações Unidas

Esta madrugada, 13 de Novembro 2020, o exército marroquino penetrou através de 3 pontos da brecha ilegal de Guergarat em violação do cessar-fogo com a intenção de dispersar à força os civis saharauis que protestam nesse local há mais de 3 semanas e fazer um cordão militar ao longo da estrada ilegal construída por Marrocos.

Antes do exército marroquino entrar com os veículos militares os marroquinos enviaram soldados à paisana para atacar os manifestantes saharauis num tentativa de manipular a situação.

Uma das colunas deparou-se com o exercito saharaui já perto da fronteira entre o Sahara Ocidental e a Mauritânia e começaram os confrontos bélicos.

Quando o exército marroquino violou ou cessar fogo o exército saharaui protegeu imediatamente os civis saharauis e colocou-os em lugar seguro.

Os confrontos bélicos duraram numa primeira fase menos de uma hora.

Segundo fontes no terreno o exercito saharaui capturou 7 dezenas de soldados marroquinos.

 

Onde está a MINURSO? Onde estão as Nações Unidas? Onde está Guterres?

Tudo isso está a acontecer sobre o olhar passivo da Missão de Paz das Nações Unidas que já estava informada das intenções marroquinas de violação do cessar de fogo uma vez que fontes diplomáticas anunciaram ontem à noite que iam cruzar a zona tampão com veículos militares e foram citadas pela agência espanhola EFE esta manhã assim como nos meios de comunicação marroquinos.

A Frente Polisario, legitimo representante do Povo Saharaui e a RASD (República Árabe Saharaui Democrática) desdobraram-se em avisos que não poderiam deixar o exercito marroquina entrar nos territórios Saharauis em violação do acordo militar no. 1 e do acordo de cessar fogo.

Os solados da MINURSO encontram-se na zona da manifestação desde o primeiro dia e o seu dever era defender os civis saharauis de um ataque marroquino e encerrar a brecha ilegal aberta por Marrocos de acordo com as resoluções pertinentes das Nações Unidas.

Foi apenas com António Guterres que houve uma mudança na terminologia aplicada à brecha ilegal como noticiamos no nosso último artigo – Sahara Ocidental à beira da ruptura do cessar fogo.



Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -