Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Como Charles Dickens pôs as pessoas comuns no centro da história

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

Em 2020, completaram-se os 150 anos da despedida da vida do romancista inglês Charles Dickens. Jenny Farrell registra a data nesta bela apresentação de sua obra.

por Jenny Farrell, em People´s World  | Tradução de José Carlos Ruy

O romancista inglês Charles Dickens nasceu em 1812, durante as Guerras Napoleônicas, na pequena burguesia inferior, cuja experiência de vida se sobrepõe em parte à do proletariado. Ele morreu em 9 de junho de 1870, aos 58 anos. Escrevemos isto no 150º aniversário de sua morte.

Embora a perspectiva autoral de Dickens sempre tenha permanecido pequeno-burguesa, ele nunca se esqueceu de como seu pai foi preso por dívidas – e de como a situação financeira de sua família o obrigou a deixar a escola aos 12 anos de idade e trabalhar 10 horas por dia em um enegrecimento (graxa de sapato). Essa experiência o levou à convicção de toda a vida de que nenhuma criança deveria suportar tanto sofrimento.

Além de testemunhar a pobreza e o trabalho infantil, Dickens também experimentou os esforços da pequena burguesia para manter algum tipo de fachada em face das dificuldades financeiras. Apesar de seu incrível sucesso literário inicial, nunca se tornou complacente. Em vez disso, seu radicalismo se aprofundou ao longo da vida.

Os primeiros empregos jornalísticos de Dickens foram como repórter parlamentar de revistas radicais, movendo-se assim em círculos radicais. Ele também foi fundamental na organização de uma greve de repórteres do jornal The True Sun e agiu com sucesso como seu porta-voz. Ao mesmo tempo, desenvolveu-se seu amor pela escrita. Em 1836, ele deixou seu emprego como repórter e começou a ganhar a vida vendendo seus livros e escritos.

Ele nasceu no período de rápida aceleração da Revolução Industrial, que impulsionou a transição do capitalismo britânico para sua fase imperialista. Seu primeiro período criativo, de 1836 a 1842, coincidiu com a ascensão e o pico do movimento cartista. A segunda fase cobriu o renascimento temporário do cartismo e a sublevação de 1848-49, terminando com o triunfo final da reação europeia em 1850 – um triunfo que marcou seu terceiro período criativo.

O desenvolvimento de Dickens como escritor, de uma perspectiva básica de otimismo a uma de pessimismo, reflete, portanto, as sensibilidades do radicalismo inglês nesses mesmos anos. Sua produtiva obra literária cai no período entre o colapso do movimento socialista inglês sob Robert Owen e seu renascimento sob a 1ª Internacional em 1864. Na França, o pintor Gustave Courbet desenvolveu o realismo durante essa época, retratando pessoas trabalhando em um ambiente não romântico. Isso fala com o espírito da época, o contexto no qual devemos buscar o significado de Charles Dickens.

Dickens sempre se considerou uma pessoa comum, simpatizando com trabalhadores e expondo a injustiça contra eles. Isso o tornou popular de forma duradoura entre as pessoas comuns. Sua postura de que os pobres e os grupos socialmente excluídos como as crianças sejam tratados como seres humanos foi em si uma demanda revolucionária.

Assumindo essa posição, Dickens desenvolveu um novo tipo de romance. Seus livros desviam o foco dos personagens das classes ricas e direcionam para a vida de crianças, homens e mulheres comuns, principalmente urbanos, que enfrentam os desafios do dia a dia. Com forte senso de individualidade, ele tornou essas pessoas extraordinariamente vívidas. Ele mostra a seus leitores o lado mais sombrio da sociedade na primeira grande metrópole industrializada do mundo. Seus personagens mais interessantes e valiosos geralmente são pessoas das classes sociais mais baixas.

Em 1842, Dickens viajou para os Estados Unidos como um defensor comprometido da independência estadunidense, procurando encontrar a democracia de seus sonhos. Não apenas ficou desapontado com o que viu – mas a existência da escravidão e sua defesa entusiástica por muitos que encontrou também o indignaram. Após seu retorno, escreveu American Notes for General Circulation (1842), que criticava fortemente a sociedade estadunidense e seus valores, especialmente a escravidão e a violência, bem como o individualismo extremo. No romance Martin Chuzzlewit, publicado logo depois, ele também descreve o conflito que viveu entre as expectativas e a realidade nos EUA.

Até sua visita aos EUA, a perspectiva de Dickens era direcionada exclusivamente para o sul da Inglaterra, enquanto o principal impulso para o cartismo vinha das Midlands industriais e do Norte. Não surpreendentemente, o radicalismo em seus romances anteriores era mais moderado e inicialmente representava males incidentais. Mas, à medida que sua escrita se desenvolveu, todo o sistema social que ele descreve se mostra cada vez mais profundamente podre e irreformável.

A título de exemplo, vamos voltar rapidamente para um dos romances posteriores de Dickens, Great Expectations (1860-61), no qual a expectativa de dar o título é suportada por um menino da classe trabalhadora e está ligada à esperança de uma rica patrona de boa vontade. O romance descreve o desenvolvimento de Pip e o choque da desilusão.

Neste livro, não há absolutamente nenhuma esperança de que as condições possam ser corrigidas pela benevolência da classe dominante. Em vez disso, é o pária Magwitch, enganado, explorado e brutalizado pela lei, que mostra gratidão e generosidade a Pip. Assim como a burguesia deve sua riqueza à exploração das classes trabalhadoras, Pip deve sua riqueza a Magwitch – e Pip é tão ingrato quanto a burguesia.

A descrição de Dickens dos dois personagens advogados, Jaggers e seu funcionário Wemmick, também é digna de nota. Eles são implacáveis​​em suas vidas profissionais, mas levam uma vida privada completamente diferente e compassiva, mostrando que o sucesso nos negócios só é alcançado à custa da própria humanidade. Para sublinhar isso metaforicamente, Jaggers sempre lava as mãos após um trabalho particularmente sujo. Pip também muda durante o tempo de suas “expectativas”, à custa de sua humanidade, como é dolorosamente expresso em seu vergonhoso tratamento de Joe Gargery e Biddy.

O romance mostra a loucura de se entregar à ilusão e como a atração de grandes expectativas leva ao desastre. O final original de Dickens sublinhou a ruptura completa de Pip com suas aspirações de avanço social e sua visão sobre a crueldade de uma sociedade “melhor”. No entanto, Dickens deixou-se dissuadir de seu final planejado e impiedosamente consistente. Sob pressão do romancista Bulwer Lytton, ele mudou o final pretendido em favor de um desfecho menos provável e mais feliz. Alguém está inclinado a concordar com George Bernard Shaw, que afirmou que a conclusão original de Dickens foi o verdadeiro final feliz. A lógica do romance contradiz o final alterado. Seus personagens mais admiráveis ​​são o ferreiro Joe Gargery e a professora Biddy, segunda esposa de Gargery. O próprio Pip, como personagem principal, começa e termina como um trabalhador.

Quando Charles Dickens começou a escrever em 1836, a taxa de alfabetização na Inglaterra estava abaixo de 50%. Mais do que qualquer outro escritor de sua época, Dickens deve ter ajudado a inspirar o desejo de alfabetização entre as pessoas comuns, publicando histórias – a maioria serializadas em revistas – que as pessoas realmente queriam ler porque podiam se identificar com os personagens.

Dickens teve uma grande e contínua influência nos escritores subsequentes. Em Ragged-Trousered Philanthropists, de Robert Tressell, por exemplo, este autor não apenas expande o foco de Dickens, retratando um panorama da classe trabalhadora, mas também está claramente imerso na tradição dickensiana em seu uso de nomes ou motivos, que contêm o poder de generalização social. Nesse sentido, as sátiras cada vez mais ferozes e pontiagudas de Dickens ajudam a preparar o terreno para a verdadeira literatura da classe trabalhadora.


por Jenny Farrell, Nascida em Berlim, vive na Irlanda desde 1985. É professora no Galway Mayo Institute of Technology, especialista em poesia irlandesa e inglesa, bem como na obra de William Shakespeare. Escreve para Culture Matters e Socialist Voice, órgão do Partido Comunista da Irlanda. É amiga e colaboradora do Vermelho em Dublin.  |   People´s World  |   Texto em português do Brasil, com tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -