Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 15, 2022

Como podemos medir o sucesso da COP26?

O grau de sucesso é medido nas sessões de negociação, nos compromissos que são alcançados, na verificação do cumprimento dos acordos anteriores e no alcance da cooperação entre os países.

por Manuel de Castro Muñoz de Lucas, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

De 31 de outubro a 12 de novembro, será realizada em Glasgow a 26ª conferência (COP26) dos 191 países signatários da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). O principal acordo da UNFCCC é estabilizar a concentração de gases de efeito estufa no ar em um nível que evite uma “interferência perigosa” das atividades humanas no sistema climático global.

Essas conferências mundiais acontecem anualmente desde 1995. A COP26 deveria ter sido realizada em 2020, mas a covid-19 a obrigou a ser adiada para este ano. Neles, acordos e ações de cooperação são negociados em escala global para atingir o objetivo mencionado. O grau de cumprimento dos compromissos assumidos em conferências anteriores também é revisto periodicamente.

Os participantes das sessões são delegados políticos e altos funcionários do governo de todos os países, assistidos por especialistas científicos e técnicos.

O que define o sucesso de uma COP?

Há alguns anos, coincidindo com estas conferências do clima, vários eventos paralelos têm sido organizados para os quais são convidadas associações de municípios e regiões, organizações científicas e sociais, grupos não governamentais de ativistas ambientais e empresas com interesses em ações a favor do clima. Certamente, o objetivo é atrair mais atenção da mídia e, em essência, exercer pressão sobre os governos para que cheguem a acordos mais ambiciosos e tomem ações mais determinadas para prevenir futuras mudanças climáticas indesejáveis.

Mas para avaliar o grau de sucesso de qualquer uma dessas conferências, é necessário estar atento ao que acontece nas sessões de negociação, aos compromissos que são alcançados, à verificação do cumprimento dos acordos anteriores e ao alcance da imprescindível cooperação entre todos os países. Afinal, é um problema global sem fronteiras.

Compromissos de redução de emissões

Esta COP26 é de especial interesse porque o Acordo do Clima de Paris 2015 definiu justamente o ano de 2020 como o primeiro marco para verificar publicamente o nível de envolvimento de cada país no compromisso de redução da emissão global de gases de efeito estufa. O objetivo é evitar que o aquecimento global no final do século alcance 2 ℃ em relação à era pré-industrial e permaneça em torno de 1,5 ℃, conforme estabelecido no artigo 2 do referido acordo.

Em 2015, cada um dos países foi solicitado a assumir compromissos “voluntários” de redução de emissões a médio e longo prazo, dependendo das respectivas capacidades. Esses documentos são conhecidos como Nationally Determined Contributions (NDCs).

Eles devem incluir vários indicadores mensuráveis. Entre outros, a redução percentual das emissões esperada por cada país em 2030 em relação a um ano de referência. A partir da análise dos PADs enviados por todos os países signatários, concluiu-se que, com esses compromissos futuros de emissão, o aquecimento global no final do século se estabilizaria bem acima da meta acordada.

Por esse motivo, o Acordo de Paris estabeleceu que em 2020 os países deveriam atualizar os PADs com compromissos mais ambiciosos para cortar as emissões nacionais e que isso seria repetido a cada cinco anos a partir de então.

Até julho passado, 113 países haviam enviado os novos NDCs com os quais a UNFCCC preparou e publicou um relatório de síntese. Mostra a escassa redução das emissões em escala global contemplada pelos novos compromissos em relação aos enviados em 2015. Até 2030, apenas 6% do total das emissões globais estava corrigido.

Mas há muita desigualdade na melhoria fornecida nos novos PADs. Enquanto a União Europeia, por exemplo, passou de uma redução de 40% nas emissões para 55% em 2030 em comparação com 1990, outros países mal mudaram as metas ou usaram métricas confusas. Tem até países que nem enviaram novos compromissos.

A COP26 também analisará outra importante ação incluída no Acordo de Paris programada para 2020: a contribuição dos países desenvolvidos para um fundo de US$ 100.000 por ano para ajudar os estados menos desenvolvidos em sua transição para uma economia de baixa renda. Carbono e na adoção de medidas para se adaptar às mudanças climáticas futuras.

Um grupo de trabalhadores durante os preparativos para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26)

Poucos sinais de progresso até agora

Estes são dois exemplos que demonstram a importância crucial de a COP26 de Glasgow terminar com um sinal positivo. Pode ser mais ou menos ambicioso, mas pelo menos não desanima em uma sociedade cada vez mais inquieta com as evidências das mudanças climáticas e, principalmente, em uma juventude que terá que enfrentar a herança que lhes resta.

Não é fácil avaliar o grau de sucesso de uma conferência que reúne delegações políticas de todos os países com o objetivo de negociar acordos para enfrentar um problema global, onde se confronta o grau de compromisso e responsabilidade de cada um deles. vários interesses econômicos em jogo.

Talvez uma forma razoável e objetiva de avaliar o resultado da COP26 seja examinar o nível de conformidade com os dois compromissos prioritários mencionados no Acordo de Paris para o ano de 2020.

Claro, as indicações por enquanto não são muito animadoras. Como já foi dito, a maioria dos compromissos atualizados não apresenta o grau de ambição e qualidade que se esperava. Eles ainda estão muito longe da trajetória de redução de emissões globais que os cientistas do IPCC determinaram para estabilizar o aquecimento global abaixo de 2 ℃ e próximo a 1,5 ℃. E este é um mandato vinculativo para todos os países signatários do Acordo de Paris.

Também não há sinais da disposição dos países desenvolvidos em contribuir conjuntamente com a ajuda financeira anual de US$ 100.000 para as regiões menos desenvolvidas.

Portanto, neste momento, só podemos confiar que a Cúpula de Chefes de Estado e de Governo convocada em Glasgow para 1 e 2 de novembro irá emergir iniciativas que corrigem urgentemente a baixa ambição de muitos dos atuais planos de mitigação nacionais. Que eles alcançam uma cooperação mais decidida e transparente entre todos os países e que consigam gerar a ajuda financeira de que os mais necessitados. Vamos ver.


por Manuel de Castro Muñoz de Lucas, Professor de Física da Terra, Universidade de Castilla-La Mancha   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -