Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 27, 2021

Como uma hidrelétrica engajou a estratégia da China com Gana

A construção de Bui Dam pelos chineses é exemplar do tipo de vínculo estratégico que o país asiático vai engajando com países em que investe pesado.

por Kwame Adovor Tsikudo, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Ajuda, comércio e investimentos estrangeiros diretos tipificam a ascensão global da China e suas atividades na África. No centro do relacionamento em expansão da China com os países africanos está a infraestrutura, incluindo fibra óptica, redes de transporte e projetos de geração de energia. Além disso, a China apoia projetos africanos em termos menos rigorosos do que os países ocidentais, tornando a China atraente para os líderes africanos.

As relações contemporâneas entre China e Gana seguem um roteiro semelhante, com Bui Dam desempenhando um papel crucial na narrativa. A magnitude da Barragem de Bui e o valor envolvido a diferenciam dos projetos anteriores financiados pela China, incluindo o Teatro Nacional, construído em 1993.

A barragem de 400 megawatts foi concluída pela China Sinohydro Corporation em 2013. Fazia parte do Projeto Volta River, que entregou as barragens de Akosombo e Kpong em 1965 e 1982. O governo dos EUA e o Banco Mundial financiaram as barragens de Akosombo e Kpong. A Barragem de Bui foi erguida cerca de 200 km a montante de Akosombo e Kpong através do rio Black Volta, na região de Bono.

Antes do envolvimento da China, o Banco Mundial e o Banco Europeu de Investimento rejeitaram a proposta da barragem devido a temores de sustentabilidade ambiental. Isso ocorreu após investigações da Comissão Mundial de Barragens e temores sobre o tratamento inadequado de Gana de questões socioeconômicas resultantes das barragens de Akosombo e Kpong.

Quando o gramado para o projeto Bui foi cortado em 2007, ele representou o investimento mais significativo da China em Gana. Foi também o segundo maior investimento estrangeiro direto em Gana, depois da barragem de Akosombo. Ao custo de US $ 790 milhões, a barragem tinha a aparência de tudo o que a China precisava para construir uma imagem positiva.

Quando a construção começou em 2006, Gana não estava produzindo eletricidade suficiente. As deficiências levaram ao racionamento. O governo elogiou a barragem como uma solução para este problema. A construção também prometeu criar 4.000 empregos e transformação socioeconômica.

Em minha pesquisa, examinei a importância da barragem para as relações entre os dois países. Observei como a China usou o projeto para cultivar o soft power. O cientista político americano Joseph Nye descreve o soft power como a capacidade de um país de persuadir os outros a querer o que deseja. O soft power de um país pode derivar de sua cultura, valores políticos e políticas externas.

Concluí que, de fato, o projeto facilitou a expansão do mercado por parte das empresas chinesas nas décadas seguintes. Entre eles estão a Sinohydro, a Shanghai Corporation e a China International Water and Electric Corporation. Também descobri que o soft power era produtivo no nível macro, como o aumento das interações entre governos. Mas era limitado em níveis inferiores envolvendo relações de pessoa a pessoa.

Além do soft power

O acordo entre a China e Gana que permitiu a conclusão da barragem foi feito sob uma estrutura de recursos para infraestrutura. Esta abordagem envolveu a troca de recursos africanos por infraestruturas financiadas pela China. A barragem de Bui foi garantida com a exportação de 40.000 toneladas de grãos de cacau de Gana para a China até que o acordo de venda de energia começou quando o projeto foi concluído.

Existem atores na administração de Gana que estavam profundamente entusiasmados com o envolvimento da China. Como me disse um funcionário do ministério das finanças: Bui não teria se materializado sem a ajuda da China.

Mas minha pesquisa mostra que, como outros atores na África, a China é um jogador interessado em si mesmo. Usou seu poder brando para facilitar seus objetivos mais amplos de política externa, especialmente a expansão do mercado de suas empresas e bens, o emprego de seus cidadãos e as estadias de longo prazo de suas empresas.

Isso foi alcançado de várias maneiras.

A primeira foi por meio da estrutura que a China usa para todos os megaprojetos de água. Envolve agências governamentais, bem como empresas privadas que trabalham na China e que administram a água. Os membros interagem uns com os outros – e com redes externas – para construir barragens.

No exterior, a estrutura também usa sua influência e poder para facilitar outros investimentos e a criação de outros negócios.

O projeto Bui Dam foi um exemplo disso. Envolveu a China fornecendo oportunidades de trabalho, engenharia e financiamento para seus membros. O papel desempenhado por Sinohydro ilustra isso. Embora a empresa tenha entregue a barragem às autoridades ganenses em 2013, ela permaneceu no país, diversificando da barragem para a construção de estradas e pontes.

O projeto foi aprovado pelo Parlamento de Gana, que também estabeleceu a Bui Power Authority para coordenar e gerenciar a construção da barragem. O contrato com a empresa chinesa tinha uma cota de quantos chineses poderiam ser empregados no projeto. Isso nunca foi tornado público, mas fiquei sabendo em várias entrevistas com funcionários do Ministério das Finanças e do Ministério da Energia.

A boa vontade gerada pelo projeto também permitiu que cidadãos chineses visitassem Gana e prospectassem oportunidades de negócios. Os dados de investimento estatal mostram que o número de projetos e investimentos chineses em Gana acelerou rapidamente nas últimas duas décadas. Hoje, a China não é apenas a principal fonte de investimento estrangeiro direto de Gana, mas também o principal parceiro comercial e financiador de infraestrutura.

Outra dimensão notável do crescimento das relações China-Gana é o aumento no número de migrantes chineses para Gana e vice-versa. Embora o Serviço de Imigração de Gana não torne público o número de migrantes chineses, alguns acadêmicos estimam os números em cerca de 30.000, um número muito maior do que as estimativas de duas décadas atrás.

Gana emergiu como o país africano com mais estudantes na China.

Essas atividades e intercâmbios comerciais e associados continuarão a se aprofundar com a Belt and Road Initiative. Gana assinou a iniciativa em 2018 e já negociou um acordo de US $ 2 bilhões permitindo que a Sinohydro forneça infraestrutura, como estradas e pontes, em todo o país em troca de bauxita refinada.

Lições futuras

Os resultados da barragem Bui oferecem lições cruciais para futuros compromissos entre a China e Gana.

Gana deve ver além das narrativas de bem-estar da China e tentar se engajar em termos de igualdade. A Belt and Road Initiative traz novas oportunidades e desafios que exigem uma estratégia estadual pró-ativa e eficaz para otimizar os ganhos.

É louvável que o governo tenha formado um comitê consultivo para formular estratégias para envolver a China de forma produtiva. Esperançosamente, suas recomendações ajudarão a moldar as relações China-Gana para melhor e eliminar as assimetrias prevalecentes.


por Kwame Adovor Tsikudo, Professor assistente visitante, Universidade de Illinois em Urbana-Champaign  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -