Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Setembro 28, 2021

Corrida mundial por insumos para vacinas

A corrida mundial por insumos para vacinas nos maiores exportadores de produtos farmacêuticos, Índia e China, é o destaque da cientista política Ana Prestes nesta edição. A votação de moção de confiança na câmara dos deputados do primeiro-ministro italiano, o crescimento econômico da China em 2020, a posse de Joe Biden nos EUA, as eleições e crise na área de saúde no Peru, as eleições no Chile e a ausência do Brasil na lista de exportação de vacinas da Índia são outros tópicos da nota internacional.

Insumos para vacinas

Ingrediente Farmacêutico Ativo – IFA – um novo termo que passa a fazer parte de nossas análises em tempos de pandemia e corrida mundial por vacinas. O material, nomeado em inglês como Active Pharmaceutical Ingredient, é a base ou a “liga” das vacinas. Sem ele não há vacina. Em um planeta de bilhões de pessoas precisando ser vacinadas, o IFA virou ouro, a demanda para sua compra é gigantesca e seus maiores fornecedores vêm da Ásia: China e Índia.

Andei lendo a imprensa asiática e percebi que a exportação do IFA é tema quente na disputa por liderança regional que marca hoje a relação entre Índia e China. A imprensa asiática comemora o aumento em 18% das vendas do material pela Índia em 2020 após o “ocidente” retaliar a China por uma suposta negligência com relação ao surgimento do coronavírus em Wuhan. É a narrativa do “vírus chinês” interferindo no mercado de fármacos e beneficiando a Índia, embora quando olhamos os números vemos que a Índia importa grande parte do IFA que revende da própria China.

É como se para uma parte do ocidente, presa em uma narrativa anti-China, fosse mais “limpo” comprar da Índia. Enfim, uma grande guerra comercial em curso e um grande esforço indiano para potencializar sua já grande (terceira do mundo) indústria farmacêutica. Fato é que neste momento o Brasil depende completamente da chegada desse material para que o Butantan e a Fiocruz possam prosseguir na fabricação das vacinas que imunizarão a população brasileira.

 

Giuseppe Conte

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, enfrentou e venceu segunda (18) mais uma votação de moção de confiança na câmara dos deputados do país. A votação prossegue hoje no Senado. Entre deputadas e deputados o resultado ficou em 321 contra 259 pela manutenção do governo de Conte. Foram 27 os que se abstiveram de votar. Apoiando Conte estão os partidos Movimento 5 Estrelas, PD – Partido Democrático e o Livres e Iguais.

Na oposição votaram os partidos Itália Viva e os mais à direita: Liga, Irmãos de Itália e Força Itália. A crise foi causada pelo rompimento do ex-premiê e hoje senador, Matteo Renzi, líder do partido Itália Viva, que semana passada anunciou a saída de duas ministras de seu partido do governo de Conte, a ministra da agricultura, Teresa Bellanova, e a ministra da Família, Elena Bonetti. Com as saídas, a coalizão governista deixou de ter maioria no parlamento. A desavença gira principalmente em torno de como a Itália vai aplicar os 200 bilhões de euros concedidos pela União Europeia, dentro do plano aprovado para a recuperação econômica do bloco. Segundo Renzi, o plano está centralizado nas mãos de Conte e com pouca possibilidade de participação dos outros partidos nas decisões.

O partido de Renzi, o Itália Viva, é uma dissidência do Partido Democrático e teve 3% de votos nas eleições de 2018. A ação de Renzi deixou Salvini animado com a possibilidade de convocação de eleições antecipadas.

 

PIB chinês

Mesmo em um ano pandêmico como o de 2020, o balanço final do PIB chinês foi positivo e na casa dos 2,3% de crescimento econômico. No primeiro trimestre de 2020, quando o país era o epicentro do surto por um novo tipo de coronavírus, sua economia chegou a cair 6,8%. Mas a recuperação veio nos trimestres seguintes, com mais força no último (6,5%). Somente a produção industrial registrou um avanço em 2020 de 7,3%. O anúncio foi feito pelo Escritório Nacional de Estatísticas da China no dia de sedunda (18).

 

Posse do novo presidente dos EUA

Acontecerá hoje (20) a posse do novo presidente dos EUA. Os democratas Joe Biden e Kamalla Harris tomarão posse dentro de um esquema de segurança não muito comum nas últimas posses presidenciais dos EUA. Ruas e avenidas fechadas, um muro de quatro metros envolve o capitólio, e uma presença massiva de Guardas Nacionais, polícia local, polícia do capitólio. Fala-se em um contingente de 25 mil da Guarda Nacional, número maior do que as tropas americanas hoje posicionadas no Iraque e no Afeganistão juntas.

O presidente Trump não estará na cerimônia. Ele deixará Washington ainda hoje rumo ao seu resort de Mar-a-Lago, na Flórida. Entre as suas últimas ações no dia de ontem houve uma liberação para entrada de viajantes nos EUA, Brasil incluído, apesar da atual gravidade da pandemia, a partir do dia 26 de janeiro. Logo que saiu tal resolução, a porta-voz de Biden anunciou que essa medida será revogada e que na verdade as restrições de entrada no país serão aumentadas diante da crise do coronavírus ainda em alta com uma média de 4 mil mortos por dia no país. Também é aguardada a lista de indultos de Trump como último ato na presidência.

 

Peru com eleições em abril

O Peru se prepara para eleições em abril. A presidente do congresso peruano, Mirtha Vázquez, anunciou ontem (18) um protocolo sanitário para vigorar durante a campanha e o pleito. O Peru ainda é um dos países mais atingidos pelo coronavírus na América do Sul. Mirtha assumiu a presidência do parlamento logo que o então presidente Francisco Sagasti assumiu a presidência do país dado o vácuo político deixado pelo impeachment de Martin Vizcarra e a renúncia de Manuel Merino. Ela era vice-presidente na chapa que elegeu Sagasti.

As eleições no Peru vão acontecer em 11 de abril. Se houver segundo turno será em 6 de junho. Serão eleitos o/a presidente, dois vices, 130 parlamentares e 5 parlamentares andinos para o período que vai de 2021 a 2026. Uma última pesquisa Ipsos aponta que ainda há indefinição em 25% do eleitorado peruanos sobre o candidato em que votarão. As intenções de voto aparecem assim: George Forsyth (ex-jogador de futebol, partido Vitória Nacional) com 17%, Keiko Fujimori (filha de Alberto Fujimori, candidata pela terceira vez, partido Força Popular) com 8%, Verónika Mendoza (psicóloga/antropóloga de esquerda, partido Novo Peru) com 7%, Julio Guzmán (economista/centrista, Partido Morado) com 7%, e Daniel Uresti (militar aposentado, partido Podemos Peru) com 6%.

O Peru está neste momento vivendo uma greve de médicos e profissionais da área de saúde em geral. Os hospitais estão em colapso com falta de oxigênio e leitos de UTI, semelhante ao que ocorre em Manaus. O país conta com quase 40 mil mortos pelo coronavírus.

 

Chile também terá eleições presidenciais

O Chile também terá eleições presidenciais, mas em novembro de 2021. Ontem foram anunciados novos “sondeos”, sondagens de opinião pública, pelo instituto Cadem. O comunista do PCChileno, Daniel Jadue, divide a liderança nas preferências espontâneas do eleitorado com Joaquín Lavín da UDI, com 7% cada. São seguidos por Evelyn Matthei, 4%, Sebastián Sichel, 4%, José Antonio Kast, 3%, e Pamela Jiles (2%).

No entanto, a aprovação de Jadue caiu de 47% para 39% e quando perguntados sobre quem acreditam que será eleito, os números apontam 15% para Lavín, contra 6% de Jadue. Foram feitas questões também sobre a nova candidata, Paula Narváez, do PS, ex-ministra de Bachelet que apareceu com 30% de aprovação. Piñera aparece com aprovação de 17% e desaprovação de 72%. Jadue pode ter sido atingido pela exploração midiática do assim chamado “caso Luminarias”.

Trata-se de uma investigação que está sendo feita nos contratos de iluminação pública em vários municípios e um deles é o da Recoleta, município governado por Jadue. Embora não exista nenhuma prova de corrupção cometida pela administração, a imprensa chilena está explorando o caso para diminuir a aprovação do comunista. Outro destaque do momento na corrida presidencial é a candidatura Paula Narváez, que foi ministra no segundo governo Bachelet e funcionária da ONU Mulheres hoje em dia. Narváez é da esquerda do partido socialista e herda o legado de Bachelet.

 

E eleição das/dos representantes constituinte

Além das presidenciais, o Chile terá no dia 11 de abril a eleição das/dos representantes constituintes. Eles farão a elaboração da nova Constituinte do país. No mesmo dia, os/as chilenos votarão para governadores regionais, prefeitos e vereadores. Serão quatro cédulas. Estão inscritas 101 chapas, sendo 79 delas para constituintes. Cada uma dessas listas será correspondida a uma letra do alfabeto e a combinação das letras define o voto do cidadão.

 

Índia vai exportação de sua vacina

Chegam notícias de que a Índia vai começar a exportação de sua vacina, mas o Brasil ainda não consta da lista de países receptores das doses do imunizantes. Estão lá na lista o Bangladesh, Butão, Ilhas Maldivas, Nepal, Mianmar, Sri Lanka, Afeganistão e Ilhas Seychelles.


por Ana Prestes, Cientista social. Mestre e doutora em Ciência Política pela UFMG   |    Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -