Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 25, 2021

COVID 19. O medo. A vida

As ruas e avenidas abertas por esse mundo fora, onde as auto-estradas são mera ligação de localidades mais distantes, estão desertas. Sem vida. Sem alma.

Em contrapartida, as novas ruas, avenidas e auto-estradas virtuais, abertas em canais de comunicação ponto-a-ponto. Em linha. Com servidores interfaces a servirem de placas giratórias, estão com fluxos de trânsito limitado, tal é a densidade de transporte de comunicação que carrega e descarrega em simultâneo por todo o mundo.

O COVID 19 isolou a voz, os afetos pessoais, a presença física do Homem, num tempo conturbado em que só a acutilância e a inteligência consegue entender o efetivo alcance dos reais efeitos nefastos que já provocou; está a provocar; e continuará a provocar; em todos os domínios:

  • sociais;
  • políticos;
  • religiosos;

Um triângulo demasiado perigoso quando interligado no exercício do poder com o medo a servir de arma.

Um assunto pertinente mas que vem estando no foco central da discussão sobre a sustentabilidade mundial no atual canário dos verdadeiros motivos que causam as alterações climáticas no planeta; a desertificação das localidades; as concentrações em urbes; a acumulação de riqueza versus o aumento da pobreza intercontinental; as migrações de povos fugindo da fome e da guerra tribal e intencional nos seus Países; a contaminação dos Oceanos, do ar e da água potável; circunstâncias que tornam a vida num exercício complexo e a eliminarão e breve trecho se não forem tomadas medidas efetivas.

As questões que se colocam são sempre as mesmas:

  • equidade;
  • justiça;
  • liberdade;

Mas voltemos ao COVID 19 e, o medo.

O medo que já vinha sendo resultado efetivo, articuladamente trabalhado pelos média, instalando o caos social a que só o esclarecimento com senso despoletado por quem tem o dever de zelar pela saúde pública pôs cobro de forma tardia mas eficaz.

E assim, as pessoas optaram sem qualquer imposição por reordenar os seus hábitos de vida em conformidade com a evolução da propagação do COVID 19 sem alarme nem alarde conhecida que era a sua disseminação internacional e algumas das formas adotadas em alguns países, nomeadamente a China, País onde alegadamente terá tido a sua origem, para conter essa possível e, previsível, pandemia.

Mas, se o COVID 19 trouxe o medo, um sentimento de dor terrível e de insegurança total, também trouxe o reacender de uma chama; a chama da esperança em que tudo passe e a vida volte a ser, simplesmente, vida!

Tanto quanto tem sido possível apurar a faixa etária com maior risco de contração do COVID 19, excluindo desta fórmula os profissionais de saúde, localiza-se acima dos 60 anos de idade. Uma idade que vem sendo trabalhada cientificamente para que se prolongue mas que impede a coabitação harmoniosa da biodiversidade mas também da sustentabilidade planetária em recursos disponíveis. Uma discussão pura e dura mas, demasiado inconveniente para aquela que caminha para ser metade da população existente na Europa de, ascendência Europeia, e que, trava o crescimento de novas gerações por circunstâncias conjunturais em que o ponto central é a chave desta equação: o interesse económico. A indústria constrói e destrói o que seja desde que o resultado gere lucro. Não lhe importa como. Desde que seja um lucro imediato para suporte de algo imaterial: o poder.

Porque, o medo e o poder sempre foram a mesma coisa na justa medida em que é sempre um que gera o outro. O poder assenta no medo e vice versa. Mesmo em democracia.

A organização das sociedades, assentando em modelos oligárquicos para uma melhor articulação entre as diversas necessidades implícitas aos hábitos e usos contemporâneos.

Nesse sentido o seu suporte estrutural assenta em Legislação que regula e impõe.

Ora, a imposição, é por si só, algo que dita o medo para que não seja violada essa imposição.

Por sua vez, a Legislação, pode ser mais, ou menos, justa.

Num tempo em que a justiça vem sendo fortemente questionada pelos povos, surge esta epidemia pandémica na família dos Corona vírus que identificam como COVID 19 sem que se lhe conheça a origem: se um derivado ou um produto confecionado.

Seria demasiado assustador e de efeito avassalador partir do segundo pressuposto.

O primeiro pressuposto admite o ajustamento do vírus adquirindo novas resistências para que se propague contornando todos os antivírus existentes de forma a conseguir a sua própria sobrevivência que é, naturalmente, contrária à sobrevivência da espécie Humana mas, de que necessita para a sua própria sobrevivência.

São as contradições de suporte às vida Natural onde o Homem, por ser possuidor de uma mais valia relevante: a inteligência, consegue vencer e ultrapassar.

A bem das gerações futuras e da relação ambiental em mutação permanente mas, sustentável.

E, assim, o COVID 19, terá uma vacina para o conter e, isolar.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -