Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Cúpula do Clima: EUA prometem reduzir emissões pela metade até 2030

Discurso de Joe Biden, em clara defesa da ciência, foi também um contraponto ao ideário negacionista de seu antecessor na Casa Branca, Donald Trump.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, abriu nesta quinta-feira (22) a Cúpula de Líderes sobre o Clima com a promessa de reduzir as emissões de gases do efeito estufa em pelo menos 50% até 2030. O surpreendente anúncio foi uma tentativa de forçar outros países a adotarem metas mais ambiciosas contra a crise climática.

Ao assinar o Acordo de Paris, em 2015, o então presidente Barack Obama – do qual Biden era vice – havia se comprometido em cortar as emissões entre 26% e 28% até 2025. De acordo com o atual mandatário, a nova meta vai levar os EUA a se tornarem uma economia neutra em emissões de carbono no máximo até 2050.

O discurso de Biden, em clara defesa da ciência, foi também um contraponto ao ideário negacionista de seu antecessor na Casa Branca, o republicano Donald Trump. “Os cientistas nos dizem que essa década será decisiva, que essa é a década em que devemos tomar decisões que vão evitar as piores consequências da crise climática”, declarou o presidente americano.

A cúpula foi convocada pelo próprio Biden, que tenta demarcar os EUA na liderança da luta contra o aquecimento global – tema ignorado por Trump em seus quatro anos de mandato. Conforme a comunidade científica, apenas metas mais ambiciosas podem limitar o aumento da temperatura média do planeta a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais – objetivo estabelecido pelo Acordo de Paris e considerado pouco agressivo por ambientalistas.

“Precisamos agir, todos nós, e essa cúpula é o primeiro passo nesse caminho que vamos percorrer juntos até Glasgow (sede da COP26)”, disse Biden, acrescentando que “nenhuma nação pode resolver essa crise sozinha”, mas, sim, em parceria.

Estamos aqui para discutir como cada um de nós, cada país, pode estabelecer ambições climáticas mais elevadas, que vão criar empregos bem pagos, incentivar tecnologias inovadoras e ajudar países vulneráveis a se adaptarem aos impactos do clima.”

Organizada em menos de três meses, a cúpula climática reúne mais de 40 líderes mundiais para dois dias de debates, incluindo os presidentes Jair Bolsonaro, Xi Jinping (China), Vladimir Putin (Rússia) e Emmanuel Macron (França) e os primeiros-ministros Mario Draghi (Itália), Narendra Modi (Índia) e Yoshihide Suga (Japão), entre outros.

Em nome da China, Xi Jinping também discursou na cúpula e prometeu reduzir o uso de carvão no país, que é o maior emissor mundial de gases do efeito estufa. “Devemos nos empenhar para um desenvolvimento verde, para uma economia sustentável para as futuras gerações. Esse é o caminho para reforçar a produtividade, e os países em desenvolvimento devem aumentar suas ambições”, cobrou.

Rivais em questões geopolíticas e comerciais, EUA e China assinaram no início da semana um compromisso de cooperar na luta contra a crise climática. De acordo com Xi, o país asiático alcançará a neutralidade nas emissões de carbono até 2060.

Já o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou em seu pronunciamento que o mundo está “à beira do abismo” e exige uma resposta rápida. “Devemos garantir que o próximo passo seja na direção decisiva e correta.”


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -