Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Junho 22, 2021

Da lama ao caos o canto da esperança que vem da arte para a vida

Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Jornalista, assessor do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

Não há pandemia nem Bolsonaro que pare a arte e a resistência contra o retrocesso, o autoritarismo e a ignorância. Canções de todos os cantos do Brasil para o mundo celebram a vida, louvam a paciência e a perseverança.

A música popular brasileira carrega em si toda a vitalidade para recarregar as baterias dos sonhos e das lutas da classe trabalhadora organizada contra o desmantelo do capital.

Gangga Barreto

A cantora e compositora Gangga Barreto canta este samba com sotaque pernambucano. O trabalho dessa artista olindense carrega a vontade de superação apresentando a marca do povo brasileiro com sua diversidade e liberdade.

Memeu (2021), de Gangga Barreto e Bubeiq

 

Teixeirinha

O gaúcho Teixeirinha (1927-1985) cantou a música caipira. Foi um dos artistas que mais vendeu discos no país. Por isso, chegou a ser chamado de o Rei do Disco.

O Colono (1975), de Teixeirinha

 

Aleuda

A cearense Aleuda fez parte da banda que acompanha Hermeto Pascoal. Iniciou carreira profissional em 1960. Tem um trabalho voltado para as raízes nordestinas e o experimentalismo.

Fofoca (2000), de Aleuda; canta com Hermeto Pascoal

 

Chico Science

O pernambucano Chico Science (1966-1997) se revelou um dos maiores talentos da música popular brasileira. Principal nome do movimento manguebeat inovou a música popular brasileira mesclando a cultura de seu estado com o rock numa criação singular. A questão social sempre presente em seu trabalho. Um gênio da MPB.

Da Lama ao Caos (1994), de Chico Science; canta com Nação Zumbi

 

Martinho da Vila

O carioca Martinho da Vila é um dos maiores representantes do samba. Presença obrigatória para quem ama a música popular brasileira. Canta as dores, os amores de um povo sofrido, mas que sonha e resiste.

Canta, Canta Minha Gente (1974), de Martinho da Vila

 


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos