Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Abril 19, 2024

Da mudança global

Nélson Abreu, em Los Angeles
Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Os nossos sentidos dão-nos uma sensação de solidez da matéria que a física quântica já mostrou ser falsa. As experiências significantes e transformadoras, os valores e as relações também não existem no plano físico.A visão redutora materialista muitas vezes não sobrevive às experiências transpessoais que apontam para a possibilidade de um vasto universo centrado no Ser ou na consciência, em vez da matéria.

Ao mudar a nossa visão do mundo, através destas experiências espirituais com a natureza, com a meditação, com experiências da vida, podemos nos tornar agentes de mudanças estruturais positivas. Com um novo mindset podemos recriar as histórias ou os paradigmas predominantes e ajudar a co-criar o futuro melhor que sabemos que é possível.

A maioria da história humana, considera que o espírito, a alma, o ser, o eu ou a mente humana é uma parte auto-evidente e fundamental da realidade. O reino material foi, ao longo da história, muitas vezes considerado como uma realidade menos importante do que o plano da consciência, ou na melhor das hipóteses uma extensão ou reflexão dela.

Com o progresso da ciência empírica, no entanto, um conflito se desenvolveu entre aqueles que se atreveram a questionar doutrinas ortodoxas e o poder religioso que defendia esse dogma. Uma trégua relativa foi alcançada estabelecendo campos magistrais mutuamente exclusivos: o domínio material poderia ser investigado pelo espírito científico e as questões do espírito deveriam ser deixadas para o clero.

A censura e o abuso de poder da autoridade religiosa levaram os filósofos naturais a deixar de estudar a natureza da nossa realidade interna, limitando-se a fenómenos que podem ser observados fisicamente. Chegou ao ponto da realidade subjectiva ser rejeitada, criando um novo tipo de parcialidade e censura nas ciências. A consciência ficou cada vez mais considerada uma ilusão, um fantasma imaginário da máquina de “berlindes biológicos,” um fenómeno secundário relativamente sem importância comparado com o cérebro.

Vale ressaltar que muitos dos pioneiros da física como Newton, Einstein e Bohm não limitaram a sua visão ao mundo físico observável e mantiveram-se curiosos sobre o domínio subjectivo. Enquanto o grande progresso tecnológico foi alcançado através da ciência materialista newton-cartesiana, a sua utilidade diminuiu com o surgimento da física quântica há um século.

Após um desvio reducionista de cerca de dois séculos, a ideia de que a consciência é real, fundamental e irredutível ressurge. No entanto, desta vez, a consciência está a voltar ao centro como resultado da aplicação do espírito científico, incluindo a física, a parapsicologia e a ciência contemporânea da consciência, em vez do pensamento religioso.

A actual crise planetária demonstra ainda mais a inadequação da visão de mundo materialista como um paradigma sobre o qual construir civilizações. Não é apenas o paradigma materialista enfermo desafiado pelas pesquisas da física e consciência do século passado: está claro para muitos que o materialismo não possui consistência lógica interna. Para todas as afirmações do cientificismo de que a essência humana não existe, que somos apenas pedaços da matéria, ela chega a tais conclusões através da experiência e do pensamento, que ocorrem no domínio da consciência. Verdadeiramente, só um ser como nós pode ser simultaneamente tão inteligente e imprudente para negar a própria existência.

Por que é que esse paradigma doente, ultrapassado e destrutivo é tão persistente? Em parte, é porque não reagimos a coisas que conhecemos em teoria da mesma maneira que as coisas que experimentamos visceralmente. Nós somos movidos por experiências, não dados ou fatos. Nós somos movidos pela imagem de uma criança refugiada falecida numa praia do que por estatísticas cuja escala humana não compreendemos.

As experiências humanitárias e ecológicas, assim como as práticas de consciência, nos permitem tornar mais perceptivos e alcançar novos níveis de consciência, ética e maturidade.

 

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -