Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

Diplomata dos EUA renuncia contra deportações desumanas de haitianos

Situação expõe contradições do governo Biden que tenta agradar conservadores e progressistas, numa política imigratória que se expressa com deportações violentas e desumanas.

O enviado americano sênior para a política do Haiti anunciou, nesta quinta-feira (23), sua renúncia por causa das deportações “desumanas” e “contraproducentes” de migrantes haitianos para um país desesperado que se recupera de uma crise política e de um terremoto letal no mês passado – uma decisão que dividiu alguns dos conselheiros mais próximos do presidente Biden.

O diplomata, Daniel Foote, foi nomeado enviado especial ao Haiti em julho, poucas semanas depois que o presidente Jovenel Moïse foi morto em seu quarto durante uma invasão noturna em sua residência.

Milhares de haitianos migraram para a fronteira do Texas, principalmente na semana passada. Imagens de agentes montados em cavalos perseguindo haitianos geraram indignação com o tratamento dispensado aos migrantes.

“Não serei associado à decisão desumana e contraproducente dos Estados Unidos de deportar milhares de refugiados haitianos e imigrantes ilegais para o Haiti, um país onde as autoridades americanas estão confinadas em complexos seguros por causa do perigo representado por gangues armadas no controle da vida diária”, escreveu Foote ao secretário de Estado Antony J. Blinken em uma carta de demissão datada de quarta-feira.

O Sr. Foote também detonou um “ciclo de intervenções políticas internacionais no Haiti” que “produziu consistentemente resultados catastróficos” e alertou que o número de pessoas desesperadas que viajam para as fronteiras americanas “só vai crescer à medida que aumentarmos a miséria inaceitável do Haiti”.

Diplomata de carreira que anteriormente serviu como embaixador na Zâmbia e secretário assistente interino para narcóticos internacionais e assuntos de aplicação da lei, Foote confirmou a autenticidade de sua carta de demissão na quinta-feira.

Nos últimos dois meses, após o assassinato de Moïse, um terremoto e enchentes mataram mais de 2.000 haitianos e deixaram muitos mais feridos e desabrigados. Isso só aumentou o preço que a pobreza, a fome e a violência crescente já cobram do país.

Muitos dos haitianos que chegaram à fronteira com os Estados Unidos na semana passada viajaram durante meses ao Brasil e ao Chile, onde tiveram permissão para viver e trabalhar depois que um terremoto atingiu o Haiti em 2010.

Mais de 2.000 haitianos foram deportados na semana passada, com mais voos programados, e milhares foram autorizados a entrar no país, de acordo com uma autoridade familiarizada com o assunto que falou ao New York Times sob condição de anonimato para discutir o assunto publicamente. Na quinta-feira, o Departamento de Segurança Interna disse que cerca de 4.000 migrantes, a maioria haitianos, estavam detidos em uma área temporária sob a Ponte Internacional Del Rio, no Texas, enquanto os agentes os processam.

O aumento da migração haitiana começou nos meses após Biden reverter algumas das políticas de imigração mais rígidas do presidente Donald J. Trump e projetar um tom mais acolhedor para os migrantes.

Mas até agora, em sua presidência, Biden tem lutado para equilibrar medidas duras para proteger a fronteira sudoeste com sua promessa de campanha de mostrar compaixão aos migrantes que querem vir para os Estados Unidos para uma vida melhor. Isso levou a uma divisão entre alguns assessores importantes, incluindo Susan E. Rice, a conselheira de política interna da Casa Branca, que apóia medidas que servem como impedimentos à imigração, e os progressistas que estão tentando mantê-lo em sua promessa de entregar um sistema humanizado.

Em maio, o governo Biden estendeu o status de proteção temporária para 150.000 haitianos que já viviam nos Estados Unidos. Dois meses depois, a ordem foi novamente prorrogada para haitianos que estiveram nos Estados Unidos antes de 29 de julho.

Mas dezenas de milhares de haitianos tentaram entrar nos Estados Unidos desde então, apesar de não se qualificarem para o programa. Enfrentando o mais alto nível de travessias de fronteira em décadas, o governo Biden intensificou a aplicação de políticas destinadas a retardar sua entrada.

Na quinta-feira, Jen Psaki, a secretária de imprensa da Casa Branca, descreveu as autoridades como “horrorizadas” com as imagens de haitianos sendo confrontados por agentes da fronteira a cavalo e disse que o presidente estava trabalhando para desenvolver um sistema de imigração “humano” apesar da reiteração de aplicação de leis de restrições de fronteira.


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -