Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023

Dívidas ao fisco: Google deve mais de mil milhões de euros a França

dividas

As autoridades francesas exigem que a Google pague 1,6 mil milhões de euros em impostos que ainda não foram pagos pela empresa. Porém, a mesma pode entrar em negociações com o fisco francês, para não pagar a totalidade da soma.

De acordo com a edição online da BBC, o valor que a corporação deve a França é muito maior do que os 130 milhões de libras (mais de 164 milhões de euros) que foram pagos às autoridades britânicas. Nem a empresa, nem o fisco francês quiseram comentar o assunto, porém, a BBC revelou que o CEO Sundar Pichai esteve em Paris para uma reunião com o ministro da Economia daquele país, Emmanuel Macron.

Sabe-se ainda que o ministro das Finanças gaulês, Michel Sapin, não coloca a hipótese de um acordo com a companhia norte-americana.

Os assuntos relacionados com o fisco de grandes empresas internacionais têm estado sob forte escrutínio. Muitas empresas têm sido acusadas de utilizar as leis para minimizar os impostos a serem pagos. No caso da companhia norte-americana de buscas pela Internet, a sua estrutura permite-lhes pagar impostos na Irlanda mesmo que as vendas estejam relacionadas com o Reino Unido.

Em Janeiro, a empresa chegou a acordo com o fisco britânico para pagar mais 130 milhões de libras correspondentes ao período desde 2005, considerado “desproporcionalmente pequeno” quando comparado com o volume de negócios da empresa no país, citando o Public Accounts Committee.

A BBC revelou ainda que as autoridades da concorrência europeia também têm investigado até que ponto alguns acordos alcançados por grandes empresas com autoridades fiscais dos países onde operam implicam ajudas estatais ilegais. Por exemplo, a Starbucks e a Fiat Chrysler foram notificadas para pagar mais de 30 milhões de euros em impostos, depois dos benefícios fiscais europeus terem sido considerados ilegais. Porém, ambas as companhias discordaram da decisão de Bruxelas, tendo a Starbucks anunciado que vai recorrer da decisão.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -