Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

“É um ódio que tem sido pregado”, diz Duvivier sobre atentado

O caso está sendo investigado pela 10ª DP (Botafogo), onde foi registrado como crime de explosão. Um dos seguranças conseguiu controlar o princípio de incêndio e não houve feridos. O ataque ocorreu por volta das 4 horas da madrugada.

Um Jesus Cristo gay no especial de Natal do Porta dos Fundos é o provável motivo do atentado contra a produtora O2 na madrugada desta terça-feira (24). “Assustador. Eles não estão sós. É um ódio que tem sido pregado na mídia conservadora e no Congresso”, disse o humorista, ator e roteirista Gregório Duvivier ao El País.

Ele é um dos atores de A primeira tentação de Jesus, produzido para a Netflix. O filme de humor enlouqueceu conservadores e cristãos fundamentalistas, incluindo o clã presidencial e pastores.  Um abaixo-assinado pede o veto à produção  dizendo que é considerada “ofensiva à fé cristã” já passou de 2 milhões de assinaturas.

Em nota, a produtora do grupo diz que já foram disponibilizadas  as imagens das câmeras de segurança da equipe. “O país encerrará essa tormenta de ódio e o amor prevalecerá junto com a liberdade de expressão”, encerra a declaração.

O ator Fabio Porchat usou sua conta do Twitter no início da noite desta terça-feira (24) para se pronunciar sobre o ataque a bomba na sede da produtora do Porta dos Fundos. “Não vão nos calar! Nunca! É preciso estar atento e forte…”, escreveu Porchat.

Ações na Justiça

Na madrugada desta véspera de Natal, a sede da produtora do Porta dos Fundos, no bairro Humaitá, no Rio de Janeiro, foi alvo de um ataque a bomba. Dois coquetéis molotov foram atirados no interior do prédio da produtora do grupo de humor.

Via assessoria de imprensa, o Porta dos Fundos informou que, se não fosse a presença de um segurança, a sede da produtora certamente seria incendiada. Em nota, o grupo humorístico afirmou que “condena qualquer ato de ódio e violência e, por isso, já disponibilizou as imagens das câmeras de segurança para as autoridades, para o Secretário de Segurança, e espera que os responsáveis pelos ataques sejam encontrados e punidos”. Além disso, ressaltou que seguirá em frente “mais unido, mais forte e mais inspirado pela liberdade de expressão”.

A produção audiovisual chegou, inclusive, a ser alvo de petições e ações na Justiça. Na última sexta-feira (20), uma juíza negou um pedido para que o especial de Natal fosse retirado do ar. “Seria inequivocamente censura”.


Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -