Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Educação e esporte de mãos dadas no caminho para o futuro

A educação e esporte dão perspectivas para crianças e jovens, são pilares para o futuro.

Nos últimos dias, o Brasil parou para ver a gigante Rebeca Andrade nas Olimpíadas de Tóquio. Medalha de Ouro e de Prata, ela elevou ainda mais o legado brasileiro na ginástica artística e fez história

Assim como ela, muitas crianças podem ter suas vidas transformadas com incentivo ao esporte. Rebeca começou a treinar aos quatro anos em um projeto social de iniciação ao esporte em Guarulhos. Como a educação, o esporte dá perspectivas a crianças e jovens. Ambos são pilares para o futuro. E toda a verba destinada a eles é investimento que garante desenvolvimento social e econômico.

O Brasil já soma 19 medalhas nos Jogos Olímpicos. Conforme avançamos nas competições e nomes se destacam, surgem revelações sobre as reais condições do esporte de alto rendimento no Brasil. Na semana passada, informações levantadas em uma reportagem do Globo Esporte viralizaram no Twitter.

Mais de 40% dos atletas brasileiros nesta edição das Olimpíadas, segundo o levantamento, não possuem patrocínio. Para participarem dos Jogos, 13% deles realizaram “vaquinhas” e financiamentos coletivos. Sem qualquer bolsa, 10% trabalham em outras funções para ter renda. Por exemplo, como motoristas de aplicativos.

O Bolsa Atleta, que em 2020 não teve edital lançado pelo governo Bolsonaro, já teve seu orçamento reduzido em quase 20%, desde a última Olimpíada. Para a próxima geração do esporte brasileiro, sendo assim, os horizontes estão se estreitando. Hoje, um atleta de base tem direito a bolsa menor que mil reais, o que o faz ser necessário ter outra profissão para completar a renda. Aqueles que são estudantes, tem hoje o valor de R$ 370 para dedicar seu tempo ao treino. Vale lembrar que o Ministério do Esporte foi extinto assim que Bolsonaro assumiu a presidência em 2009, e reduzido a uma pasta dentro do Ministério da Cidadania.

O investimento no esporte reduz os índices de criminalidade, por promover mudanças sociais profundas. Assegurado pela Constituição Federal de 1988 como um direito, a formação de base deve estar presente nas escolas de educação básica e também nas políticas públicas para crianças e jovens, para que eles conheçam as modalidades e se desenvolvam, formando um ciclo contínuo de renovação e aprimoramento do esporte.

A campeã olímpica Rebeca Andrade começou a treinar ainda criança num projeto social de esporte

Nas universidades públicas e privadas, os estudantes podem receber bolsas por meio dessas iniciativas: as instituições podem oferecer bolsas internas e também auxílios, incentivando o esporte e as equipes internas, fortalecendo a Lei de Incentivo ao Esporte (Lei nº 11.438/06).

Educação e Esporte requerem projeto e continuidade. A necropolítica e o sucateamento promovidos pelo governo Bolsonaro levam a retrocessos imensos ao desenvolvimento e soberania do Brasil.


por Bruna Brelaz, Estudante de Direito e presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE)   |    Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -