Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Maio 19, 2022

Educar pela Paz

Alexandre Honrado
Alexandre Honrado
Historiador, Professor Universitário e investigador da área de Ciência das Religiões

A ilusão de ter, de usufruir, de poder (poder comprar, poder ter e usufruir, poder no sentido de domínio e afirmação) generalizou-se. E tanto faz se o que se tem é o Pokémon virtual, a cara sorridente aprisionada numa selfie, ou o território onde os poços de petróleo permitem outros domínios.

Historiador, Professor Universitário; investigador da área de Ciência das Religiões

Incapaz de gerar ideologias, o mundo ficou-se na prisão de grades inquebráveis do capitalismo – e, para manter esse calabouço onde se encerra voluntariamente, promove guerras, destruição e morte, sabendo que bombardear uma localidade equivale a reconstruí-la algum tempo depois, erguendo novas estruturas, dos grandes centros de comércio aos enormes cemitérios que promoveu algum tempo antes.

Há economias que apenas se mantêm graças à guerra – os Estados Unidos da América são um paradigma por excelência dessa opção – e investem nela, normalmente em territórios fora das suas fronteiras, porque o sangue nas alcatifas custa muito a limpar.

Aqui na Europa já sofremos as consequências dessa ilusão, na primeira e na segunda guerras mundiais, na guerra da Bósnia, na desvalorização comum do homem perante as suas ambições.

Há sociedades onde hoje parece normal tirar a vida ao outro, na depreciação dolorosa do que temos de mais valioso. Essa cultura – do sórdido, do assassinato, do terrorismo, da guerra, do inumano – não é, no entanto, dos nossos dias: a história humana está cheia desses exemplos.

Não se trata, como alguns menos avisados disseram, de choques de civilizações – não há por exemplo nenhum choque de civilizações nos ramos comuns civilizacionais nascidos no médio oriente, ramos de um mesmo tronco histórico, religioso e cultural, e que agora se entrechocam.

E também não se trata de nenhuma guerra estritamente religiosa – nenhum assassino do DAESH está em luta contra nenhuma religião concreta e provavelmente de religião – ou de qualquer outra matéria preciosa – entenderá muito pouco.

Os homens matam-se e opõe-se por interesse – e muito menos por convicções profundas.

Quando vemos os assassinos do DAESH procurar impor as suas fraquezas ao mundo, entendemos logo como o fazem brutalmente, com uma violência final que nos amedronta, agradando aos seus investidores que não olham a meios para atingirem os seus fins.

É que esses assassinos agem em nome de interesses muito próprios e inquietantes, interesses forjados no ocidente e aplicados onde mais facilmente os cenários da imbecilidade ganham dimensão.

Com a hipótese, ainda remota, de uma vitória de Donald Trump, as coisas irão piorar. Porque Trump é um catalisador de frustrados e de frustrações, uma nódoa intelectual que pode ter o mundo nas mãos – e destruí-lo bastante mais.

educar-para-a-paz-2

Ensinar a disparar uma arma é coisa de segundos. Educar para a Paz é um trabalho de vida inteira – até porque o seu material essencial é esse mesmo, a vida.

Permitir a ignorância – e é espantoso como nos nossos dias sabemos tão pouco de história, de política ou de relações internacionais, só para dar alguns exemplos poderosos – conduz-nos às portas da guerra.

Muitos reclamam-na por desconhecê-la. Outros promovem-na, porque nos ignoram.

Este texto respeita as regras do AO90.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Mariupol

Elza Soares

- Publicidade -