Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Setembro 29, 2021

Em ano de BlackLivesMatter, holandeses mantém tradição do Black Pete

A tradição constrangedora, entendida como racista, é disputada e começa a ser trocada pelo Pete Fuligem, desaparecendo gradualmente.

por Ayanna Thompson e Coen Heijes, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Enquanto os protestos e levantes sociais do Black Lives Matter se espalhavam pelas cidades dos EUA no verão, o ícone dos direitos civis, o reverendo Jesse Jackson, escreveu uma carta pessoal ao primeiro-ministro holandês Mark Rutte sobre uma tradição anual que muitos acreditam ser racista. Todo 5 de dezembro, as pessoas em toda a Holanda pintam o rosto de preto e usam perucas afro para comemorar a chegada de Pete Negro, o servo de São Nicolau que ajuda a entregar os presentes.

Com conversas sobre justiça racial, racismo sistêmico e preconceito anti-negro ganhando novo ímpeto em todo o mundo, Jackson questionou a defesa do líder holandês da tradição do Pete Negro. “Excelência”, escreveu ele, “enquanto o mundo inteiro lamenta o assassinato brutal de George Floyd, seguido pelas manifestações de protesto em massa em todo o mundo pedindo ações para combater o racismo, não acho que foi apropriado para você explicar que você entende melhor o sofrimento dos negros … e que você não considere o Pete Negro racista. ”

Como estudiosos que pesquisaram o blackface (rosto pintado de preto) nos EUA, na Holanda e em todo o mundo, acreditamos que o episódio captura a evolução, embora ambivalente, das atitudes holandesas em relação a Black Pete e a necessidade de um cálculo global mais amplo sobre as performances do blackface em geral.

Em sua carta, Jackson argumentou que a tradição do Black Pete não poderia “ser separada da tradição muito ofensiva do blackface” e observou que o reverendo Martin Luther King Jr. reconheceu que “há momentos em que é apropriado ser político, mas às vezes é mais importante ser profético – apenas fazer o que é certo”.

 

Uma controvérsia crescente

Este ano não é a primeira vez que a tradição de desempenho do blackface de Black Pete está sob escrutínio internacional. Nos últimos anos, a polêmica tem recebido atenção crescente fora da Holanda.

A campanha Kick Out Black Pete (Um chute no Black Pete) tem crescido em força nos últimos anos

A reação contra a tradição fez com que empresas sediadas nos EUA, como Amazon e Facebook, não permitissem mais a representação de Black Pete em seus sites. Na Holanda, também, a maré parece estar mudando na esteira dos protestos Black Lives Matter.

O primeiro-ministro Rutte indicou que suas opiniões sobre Black Pete estão mudando, dizendo que está ciente da dor que essas representações e performances podem causar. Bibliotecas de toda a Holanda começaram silenciosamente a remover livros infantis que contêm ilustrações de Black Pete, argumentando que a tradição está em desacordo com a decência pública.

A chegada deste ano de São Nicolau em um barco a vapor, tradicionalmente algumas semanas antes de 5 de dezembro, o deixou cercado pelos chamados Fuligem Petes em vez de Pretos. Em vez de um rosto completamente enegrecido, Fuligem Petes tem um rosto estriado com linhas de cinzas de chaminé – supostamente causadas por sua escalada através das chaminés fuliginosas para entregar presentes.

É a única variação de Pete que é aceitável pelo movimento Kick Out Black Pete, a organização ativista holandesa fundada em 2014 para acabar com qualquer representação racialmente ofensiva do personagem.

Performers do ‘Soot Pete’ (Pete Fuligem) usam cinzas para sujar o rosto

Em uma pesquisa nacional representativa de novembro, a oposição à substituição de Black Pete por Fuligem Pete diminuiu de 66% para 43%. E apenas 19% pensaram que Black Pete ainda existiria em 10 anos. No entanto, isso é apenas parte da história.

O primeiro-ministro Rutte indicou que a proibição de Black Pete não deveria ser uma tarefa do governo central, argumentando que a mudança cultural acontece por si só. E um olhar mais atento na pesquisa nacional deste ano revela que apenas 17% consideram o Pete Negro um fenômeno racista; em vez disso, eles o vêem como parte de sua história cultural holandesa.

A tradição holandesa do católico São Nicolau remonta à Idade Média, enquanto o Pete Negro foi frequentemente associado às tradições indo-europeias de personagens diabólicos com uma mistura de máscaras negras, chifres, rostos e roupas que ocasionalmente acompanhavam um branco, homem de cabelos grisalhos carregando presentes.

Embora a tradição do Pete Negro possa não estar diretamente relacionada ao menestrel ou à escravidão, sua influência era inconfundível e, na segunda metade do século 19, o personagem holandês Pete Negro cada vez mais adotou aspectos das apresentações de menestréis, que eram um elemento popular do repertório do teatro holandês na época.

O crescente apoio à substituição do Pete Negro por Fuligem deriva, no entanto, não tanto de um desejo de ser anti-racista, mas de as pessoas “estarem fartas do debate em curso” ou “quererem restaurar a paz durante uma festa infantil”, como os entrevistados na pesquisa nacional testemunharam.

Em uma reviravolta final, o Google levou a pressão em torno da tradição um passo adiante, banindo o Soot Pete (Fuligem Pete) de sua publicidade algumas semanas atrás, argumentando que o compromisso alternativo, que ainda é apoiado por Kick Out Black Pete, também se baseia em estereótipos raciais.

 

Um ajuste de contas global

A ambivalência em torno do status de Pete Negro na Holanda não é uma questão holandesa isolada. Em vez disso, reflete uma inquietação internacional sobre a função e o significado das imagens e performances do blackface globalmente.

Embora muitas vezes tratada como uma tradição e problema de performance exclusivamente americana, as performances blackface foram exportadas globalmente tanto através de performances blackface do Otelo de Shakespeare quanto através de shows do menestrel blackface.

Uma produção holandesa de 2018 de “Othello” foi apenas a segunda na história do país a apresentar um ator negro no papel principal – a primeira foi a atuação do ator americano Ira Aldridge em 1863. A produção de 2018 foi bem recebida, e a mídia elogiou o introdução de um ator negro e o foco da produção no racismo – a primeira em Othellos holandês.

Ainda uma inspiração para essa performance, o livro de 2017 “Hello White People”, que criticava o blackface holandês e se concentrava no racismo anti-negro, foi ridicularizado pela mídia de esquerda e de direita por exagerar o problema e ser um produto venenoso de identidade política.

Variações do debate sobre o rosto negro nas tradições holandesas estão ocorrendo em todo o mundo. O uso de blackface por cantores japoneses contemporâneos em programas de variedades tem sido investigado nos últimos anos. Nos Estados Unidos, estrelas de televisão como Tina Fey, Jimmy Fallon, Jimmy Kimmel e Sarah Silverman se desculparam pelo uso de blackface no século 21. Enquanto isso, no início deste ano na Rússia, um programa de televisão pró-Kremlin zombou de Barack Obama em um sketch de black face.

Como Jesse Jackson avisou, Black Pete não pode ser entendido isoladamente da história do blackface. Nem Black Pete deve ser tratado como um problema holandês isolado. Se aceitarmos a visão do primeiro-ministro Rutte de que a mudança cultural acontece sem intervenção do governo, então as conversas sobre a história, a importância e o legado das performances blackface precisam, acreditamos, ser mais robustas, mais globais e mais sustentadas.


por Ayanna Thompson e Coen Heijes, em The Conversation    |   Texto original em português do Brasil com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Ayanna Thompson, Professora regente de Inglês na Arizona State University
  • Coen Heijes, Professor assistente da Universidade de Groningen

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -