Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Julho 5, 2022

Em “Não Olhe para Cima” a crise vem do nada

Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Pesquisadora, coordenadora do Centro de Memória Sindical e jornalista do site Radio Peão Brasil. Escreveu o livro "O mundo do trabalho no cinema", editou o livro de fotos "Arte de Rua" e, em 2017, a revista sobre os 100 anos da Greve Geral de 1917

Circulou como piada um tweet que diz: “meu pai, bolsonarista, assistiu Não Olhe para Cima e entendeu que é um filme sobre a volta de Jesus. Eu desisto”. Isso é um exagero, mas o filme permite essa interpretação porque descontextualiza o tema.

Logo após sua estreia no Netflix, Não Olhe para Cima dominou os debates nas redes sociais. Para onde quer que se olhe vemos o rosto cínico de Meryl Streep travestida de presidente dos EUA, ou o semblante assustado de Leonardo Di Caprio como um cientista ignorado na iminência de uma catástrofe.

É uma comédia que faz do escracho a denúncia do absurdo. A trama em torno da descoberta de um cometa que destruirá a vida na Terra, se fecha nas relações entre cientistas desesperados, governo negligente e uma imprensa frívola.

Logo de cara o público entendeu a metáfora com a gestão caótica de governos negacionistas, como o de Donald Trump e Jair Bolsonaro, sobre a pandemia e decretou que o filme parodia pessoas como Átila Iamarino e Natália Pasternak, os cientistas, Bolsonaro, o presidente negacionista, e até mesmo Carlos Bolsonaro, representado pelo ator Jonah Hill no papel de Jason Orlean.

Isso é tudo muito espirituoso. É bom rir de um desgoverno que parece um show de horrores. Mas o fato de o filme aparentemente defender o nosso lado (o lado dos que não aguentam mais Trump, Bolsonaro e companhia) e de abordar questões atuais de forma dinâmica, não deveria encobrir seus erros sobre a ferida em que pretende pôr o dedo.

Entendi que Não Olhe para Cima pode tanto ser uma caricatura da política em torno da pandemia, quanto do descaso com a degradação ambiental. Em ambos os casos é no mínimo estranho, mesmo em uma comédia, defender que a causa do problema é alheia às ações humanas.

Pode-se dizer que a opção foi pinçar o negacionismo como forma de ridicularizar gestões grosseiras e descaradamente ineficientes. Mas mesmo o negacionismo não vem do nada. Também é semeado e cultivado. Os problemas que afligem a humanidade, supostamente parodiados no filme, surgiram e se desenvolveram cercados por diversas incertezas. Não de forma tão nítida e matemática como um cometa em um telescópio.

O cometa que ameaça a humanidade em forma de destruição e peste foi criado, grão a grão, por um sistema de fabricação e poluição em massa, um sistema que incentiva o consumismo desenfreado, que prega alienação e individualismo e, sobretudo, que gera desigualdade e miséria. Tais ameaças trazem com elas, de forma indissociável, a longa história que as moldaram.

Nas redes sociais eu li comentários que me levam a pensar que estou sendo ranheta ao querer aplicar algum rigor histórico em um produto da indústria cultural que serve, no fim das contas, para provocar riso ou, no máximo, um debate superficial. Pode ser. Mas é proveitoso não deixar escapar esse debate.

Além disso, seria ainda uma comédia se contemplasse de alguma forma o contexto da crise. Como, por exemplo, em A Vida de Brian (Terry Jones, 1979) e em Bastardos Inglórios (Quentin Tarantino, 2009). Desta forma o filme seria mais politizado e não mera gozação da política.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Titãs cantam: “Comida”

Caminhar

Além Tejo (1)

- Publicidade -