Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

Ensino superior angolano mais próximo das Ordens Profissionais

A Universidade Privada de Angola (UPRA) assinou um Protocolo de Cooperação com a Ordem dos Advogados, com a Ordem dos Arquitectos e com a Ordem dos Engenheiros de Angola. Uma das finalidades imediatas é a oferta de um curso de Pós-Graduação Profissional de Gestão em Desenvolvimento Local e Sustentabilidade.

O Centro de Estudos, Investigação Científica e Pós-Graduação (CEIP) da UPRA tem como missão a produção e disseminação de conhecimento sobre todas as áreas do saber, procura relacionar-se de forma estreita com os parceiros fundamentais do Ensino Superior, redes científicas, centros de investigação e outros públicos, nacionais e internacionais.

No passado dia 14 de Dezembro, no Instituto Sapiens, em Luanda, a UPRA e as três Ordens Profissionais angolanas assinaram um protocolo de cooperação, muito importante e inédito, “numa perspectiva de aproveitamento de sinergias”.

O propósito do Protocolo de Cooperação com as três Ordens Profissionais, segundo Manuel Azancot de Menezes, Director do Centro de Estudos, Investigação Científica e Pós-Graduação (CEIP) da UPRA:

visa estabelecer uma relação jurídica entre as partes, no sentido de promover o desenvolvimento académico, profissional, científico e tecnológico, através do estabelecimento de uma parceria entre as instituições, tendo como objectivo a oferta de acções formativas profissionalizantes, bem como, a troca de experiências e o apoio técnico da especialidade”.

 

Gestão em Desenvolvimento Local e Sustentabilidade

A Ordem dos Engenheiros, representada pelo Vice-Presidente, Augusto Baltazar de Almeida, a Ordem dos Advogados, pelo Representante do Conselho Nacional e Director do Centro de Formação, Francisco Marcos Ngola, a Ordem dos Arquitectos, representada pelo Bastonário, Celestino Chitonho,  e o CEIP da UPRA reconheceram a necessidade de se aprimorar e actualizar profissionais, por meio da oferta do Curso de Pós-Graduação Profissional de Gestão em Desenvolvimento Local e Sustentabilidade, “para enriquecer as competências trabalhadas pelos gestores e profissionais administrativos do sector público e privados; além de corroborar para um maior desempenho estratégico voltado para as tomadas de decisões e aplicabilidade do saber nos serviços”.

UPRA, Ordem dos Advogados, Ordem dos Arquitectos, Ordem dos Engenheiros e Mota-Engil

No entender do CEIP, o termo desenvolvimento “está relacionado com a mudança ao longo de um período, o qual deve ser planeado, ordenado, sequencial e articulado”. Neste sentido, o “desenvolvimento local”, foi entendido “como um território estruturado e organizado por meio da articulação do planeamento estratégico trans-intersectorial e interdisciplinar, fortalecendo a integração e inter-relacções do micro com o macro-sistema, de modo a promover o desenvolvimento das cidades, bem como o mecanismo de retro-alimento que garante a sustentabilidade”.

“Compreender-se os desafios do Estado, da Sociedade Civil e Empresarial e o plano de desenvolvimento provincial retrospectivo e prospectivo no âmbito destas dimensões”, na opinião do CEIP, é “imprescindível para que os gestores possam promover o desenvolvimento local e consolidar um fluxo de sustentabilidade, como elemento estratégico para a  tomada de decisão, a partir do empreendedorismo aplicado, do olhar inovador e da potencialização dos sistemas produtivos”.

Neste sentido, acrescentou M. Azancot de Menezes, “o Desenvolvimento Local envolve dimensões fundamentais, tais como o fortalecimento e diversificação da economia local e mobilização social, inovação na gestão pública, protecção ambiental, uso racional dos recursos naturais e inclusão social”.

M. Azancot de Menezes, Director do CEIP/UPRA

O académico da UPRA relembrou que:

a boa formação que leva ao sucesso na administração local é, acentuadamente, fruto de uma cultura do saber e do saber fazer bem, uma preocupação que deve ser abrangente a todos os que cooperam nas cadeias de valor nas linhas de preparação da decisão, da decisão propriamente dita e da acção a empreender estruturas de governação pública local”.

E destacou a razão de ser da pós-graduação profissional e a razão do envolvimento de três Ordens Profissionais, a Ordem dos Engenheiros de Angola, a Ordem dos Arquitectos de Angola e a Ordem dos Advogados de Angola”:

“numa perspectiva de aproveitamento de sinergias, no comprometimento com o desenvolvimento do país, através de uma oferta de um conhecimento qualificado para criar habilitados profissionais a actuar nas organizações públicas e privadas do poder local”.

Marcos Ngola (Ordem dos Advogados) e Pinto de Sousa (Reitor da UPRA)
Celestino Chitonho (Ordem dos Arquitectos) e Pinto de Sousa (Reitor da UPRA)
Augusto de Almeida (Ordem dos Engenheiros) e Pinto de Sousa (Reitor da UPRA

O Curso de Pós-Graduação Profissional de Gestão em Desenvolvimento Local e Sustentabilidade, com a duração de 220 horas, a ser ministrado em Luanda, no Instituto Sapiens, com início na segunda quinzena de Fevereiro de 2022, é constituído por cinco módulos, e tem como principais destinatários técnicos superiores da administração pública e privada, gestores e administradores do topo das organizações que queiram, segundo o Director do CEIP, “desenvolver competências-chave para o sucesso do poder local numa óptica de sustentabilidade, portanto, visando o equilíbrio entre o que a natureza nos pode oferecer, conhecendo os limites para o consumo dos recursos e a melhoria da qualidade de vida”.

Reitor da UPRA, Carlos Pinto de Sousa, no acto de encerramento

O Director do CEIP referiu que o programa curricular do Curso de Pós-Graduação Profissional de Gestão em Desenvolvimento Local e Sustentabilidade foi concebido pela Comissão Científica Permanente do CEIP, contudo, “de forma participada, envolveu na análise e nas discussões especialistas do Gabinete de Quadros da Presidência da República e das três Ordens Profissionais presentes no acto e que muito contribuíram para a melhoria significativa dos seus conteúdos e coerência interna, obedecendo às boas práticas e à necessidade de se conceber um projecto formativo coerente e integrado”.

Para além das personalidades já referenciadas, por parte da UPRA estiveram presentes no acto de assinatura de protocolos o Promotor da UPRA, Manuel João Fonseca, a Vice-Reitora para os Assuntos Científicos e de Extensão, Cristiane Miguel Neto, a Pró-Reitora de Qualidade, Avaliação e Desenvolvimento Institucional, Silvana Rocha da Silveira, o Decano da Faculdade de Ciências Exactas, Francsico Stlano, o Responsável do Gabinete de Comunicação, Victor Burity da Silva, o Director do Gabinete de Apoio aos alunos e docentes, J. Saveia, Karen do Gabinete de Design e Yolanda Leitão do Secretariado Executivo da UPRA.

A conhecida empresa de construção civil Mota-Engil também esteve presente, e fez-se representar pelo seu Administrador, José Mangueira, e por Tânia Silva dos Recursos Humanos.


por Luís dos Santos, Angola

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Boa pergunta

VER…

Além Tejo (1)

- Publicidade -