Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Setembro 29, 2021

Escravidão moderna

Paulo Vieira de Castrohttp://www.paulovieiradecastro.pt
Autor na área do bem-estar nos negócios, práticas educativas e terapêuticas. Diretor do departamento de bem-estar nas organizações do I-ACT - Institute of Applied Consciousness Technologies (USA).

Hoje a escravidão é uma  assustadora realidade em países como a Índia, a China, o Paquistão, o Bangladesh e o Uzbequistão. Só estes 5 exemplos representam 58 % dos escravos modernos em todo o mundo. Lamentavelmente muitos entre estes acabam por ser traficados para outras latitudes, incluindo Portugal.

Segundo o site responsável pelo índice anual sobre escravatura moderna[1] são 45,8 milhões de pessoas em tais condições, isto em mais de 167 países.

Mas, o que é a “escravatura moderna” ?

É escravo moderno todo e qualquer ser humano que se encontre numa situação de exploração da qual não se consegue libertar  porque está sob ameaça, violência, coerção ou abuso de poder. Exemplos mais comuns  para as mulheres são os serviços domésticos, a escravatura sexual ou o casamento forçado. No caso dos homens serão mais vulgares os serviços relacionados com as pescas e frutos do mar e, ainda, a  agricultura. As crianças são usadas em industrias artesanais ou na produção de bens de consumo ilegais, como será o caso de drogas. Igualmente, são muito utilizadas para a mendicidade.

Há mesmo  países que usam mão de obra escrava em plantações públicas. Exemplos disso, de entre outros, são a Uzbequistão, o Turquemenistão, Tajiquistão, Bielorrússia, Eritreia, Coreia do Norte, Suazilândia e Vietnam.

E o que é que nós temos a ver com todos estes países? Muitos entre eles produzem e fornecem bens de consumo para a Europa, Japão, EUA, etc…

Penso que isso nos deixa a todos com a consciência mais pesada.  E Portugal[2]? No “Índice Global da Escravatura Moderna 2016” como se classifica entre os 167 países analisados?

Relativamente ao nosso país estima-se que existam cerca de 12.800 escravos modernos (Lugar 49). Outros exemplos, Angola 159.700 (19). Moçambique 145.600 (22). Guiné Bissau 11.400 (21). Timor-Leste 3.500 (39). Cabo Verde 2.400 (26).

As conclusões caberão a cada um de nós. Seria bom refletirmos sobre tudo isto…

[1] The Global Slavery Index / Global Findings
[2]
The Global Slavery Index / Portugal

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -