Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Julho 7, 2022

Espanha propõe aos catalães referendo sobre autogoverno

Pedro Sánchez, primeiro-ministro espanhol do Partido Socialista Operário Espanhol, propôs à Catalunha um referendo para um autogoverno, o que poderá abrir novas possibilidades de negociação e conclusão pacífica.O processo independentista catalão marcou a anterior legislatura e nos próximos meses será um tema central da polícia espanhola. Num avanço considerável em relação ao antecessor, o conservador Mariano Rajoy, o socialista Pedro Sánchez propôs na segunda-feira (3) que os catalães realizem “um referendo sobre o autogoverno, mas não pela autodeterminação”.

Segundo o jornal português Publico, em uma entrevista à rádio Cadena Ser, o primeiro-ministro garantiu que a sua defesa do diálogo como único caminho da resolução desta crise entre o Estado e a Generalitat (governo regional catalão) não tem limites: Independentemente do que diga o governo catalão, o Governo de Espanha não se levantará da mesa das comissões bilaterais”.

“Queremos dialogar e resolver uma crise política. E no final, terá de haver uma votação”, assegurou Sánchez, defendendo que o problema político catalão começa no facto de “ter um estatuto que não votou”.

O diálogo sempre foi a tática defendida pela Esquerda Unida espanhola, que apoiava um referendo legítimo para consultar de forma democrática a opinião e vontade dos catalães, para que sua insatisfação. A solução nesse caso seria a criação de um Estado Plurinacional, para que não haja separação e para que as reivindicações da Catalunha sejam ouvidas. Sánchez parece abrir uma nova porta para a negociação permanente, sem ultimatos ou violência como fez Rajoy.

A estratégia do primeiro-ministro parece clara e passa por oferecer aos catalães o que eles passaram anos a pedir: diálogo e uma votação. Ao contrário de Rajoy, que recusava negociar por considerar que em causa estava apenas uma questão legal (referendar a independência, como os catalães tentaram fazer a 1 de Outubro de 2017, é inconstitucional), vai permitir aos catalães algum tipo de referendo, ao mesmo tempo que admite conversar sobre tudo.

Sánchez, que tomou posse no início de junho depois de derrubar o governo da direita do PP com uma moção de censura (devido a repetidos atos de corrupção do partido), já se encontrou com o atual líder do Generalitat (parlamento catalão), Quim Torra, membro do movimento de Carles Puigdemont. Uma nova reunião está prevista para outubro.

 

Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

VER…

Boa pergunta

Além Tejo (1)

- Publicidade -