Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Etiópia e Tigray enfrentam opções duras, o Ocidente precisa ser neutro

A comunidade internacional apoia a independência do Tigray contra o governo etíope. Segunda onda de guerra promete ser mais devastadora e o Tigray continua dividido sobre suas possibilidades futuras.

por Mohammed Girma, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A guerra estourou em Tigray em novembro de 2020, colocando a Força de Defesa Nacional da Etiópia ao lado da Eritreia contra a Frente de Libertação do Povo Tigrayan.

O conflito causou danos colossais à vida humana, à economia e ao tecido social da nação. Após a recente declaração do governo de um cessar – fogo unilateral, a Frente de Libertação do Povo Tigrayan declarou vitória.

Após duas semanas de relativa calma, outra rodada de guerra está no horizonte. A Frente de Libertação do Povo Tigrayan afirma que está determinada a “libertar” Tigray da “ocupação” do Amhara e das forças federais. Por sua parte, o governo também declarou que irá vencer as forças Tigrayan uma vez por todas.

A TPLF é encorajada pelo apoio da comunidade internacional. Mas já está claro, pelo modo como os dois lados estão se reagrupando, que a segunda onda de guerra abrirá outro – e talvez mais devastador – capítulo dessa trágica saga. A questão é: qual é o fim do jogo?

Vários fatores podem estar em jogo para definir a próxima fase. Isso inclui um arranjo constitucional que dá à Tigray o direito à autodeterminação, incluindo a cessação – tornando-se um país independente. Mas eles podem não ter alcançado unanimidade no campo Tigrayan sobre isso ainda.

Outro elemento que pode influenciar o resultado é a animosidade palpável contínua entre os políticos de ambas as ilhas. Isso pode atrapalhar qualquer diálogo.

E, por último, muitos Tigrayans se consideram parte integrante – na verdade, uma parte fundadora – da Etiópia.

Então, como o futuro poderia se desdobrar?

Secessão

O primeiro cenário possível é a secessão. Em sua entrevista ao The New York Times, Debretsion Gebremichael, o vice-presidente do estado regional de Tigrayan, lançou dúvidas sobre o futuro de Tigray como parte da Etiópia. Ele afirmou que “a confiança foi quebrada completamente”.

Se a Frente de Libertação do Povo Tigrayan optar por isso, terá de superar vários obstáculos. O primeiro é interno. Não está claro que todos os membros da liderança da Frente de Libertação do Povo Tigrayan endossariam a secessão porque há alguns moderados entre eles. Figuras influentes – incluindo o comandante das forças rebeldes Tsadkan Gebretensae, e talvez o próprio Debretsion – podem ver esta guerra como um meio de encontrar um acordo mais favorável para a Frente de Libertação do Povo Tigrayan na Etiópia, em vez de secessão.

Em segundo lugar, os Tigrayans se orgulham de ser o berço do estado, religião e civilização da Etiópia. Isso tornaria difícil sair da federação.

O terceiro obstáculo é político e econômico.

Politicamente, se Tigray se separasse, ficaria sem litoral. Também seria cercado por nações hostis no norte (Eritreia) e no sul (Etiópia). Poderia, concebivelmente, abrir um corredor através do Sudão para conectar-se com países mais amigos. Mas, no longo prazo, o Sudão se beneficiaria mais de um relacionamento forte com a Etiópia, dados os recursos do país.

A Frente de Libertação do Povo Tigrayan deixou claro que está determinada a recuperar o território em disputa no oeste – que são terras férteis – das forças regionais de Amhara. Isso pode ter a ver com a garantia da segurança alimentar como um trampolim para a secessão. No entanto, o processo de reclamação seria contencioso, e possivelmente até sangrento, se acontecer, porque o governo regional de Amhara está determinado a mantê-lo.

O Ocidente parece estar do lado deles por enquanto. Mas, por um lado, não está claro por quanto tempo durará o apoio do Ocidente. Por outro lado, a desintegração da federação que constitui a Etiópia pode não ser o melhor resultado para o Ocidente, porque pode ter um impacto catastrófico na região. O caos político em plena expansão no já volátil Chifre da África significa que a região se tornaria um terreno fértil para grupos extremistas.

No entanto, a cessação é um cenário extremo, mas não é rebuscado.

Controlando o centro

Controlar o centro do poder na Etiópia pode ser outra ponte que está longe demais para a Frente de Libertação do Povo Tigrayan, que, eles podem pensar, pode ser realizada com o apoio ocidental. Isso está enraizado na aliança histórica do Ocidente com Meles Zenawi. O legado intelectual e a rede diplomática que ele deixou para trás provaram ser muito benéficos para a Frente de Libertação do Povo Tigrayan em angariar o apoio do Ocidente.

Está se tornando cada vez mais claro que as potências ocidentais querem a Frente de Libertação do Povo Tigrayan como parte do futuro da Etiópia. Não está claro, no entanto, se eles prevêem isso dentro da administração do primeiro-ministro etíope Ahmed Abiy ou sem ela.

Mas a que custo?

Se o Ocidente estiver determinado a ressuscitar seu cliente de confiança para controlar o centro da política etíope, pode desencadear outras forças etno-federalistas – especialmente em Oromia – que podem estar dispostas a formar uma aliança com a Frente de Libertação do Povo Tigrayan. Além disso, antigos grupos satélites embutidos em cada grupo étnico poderiam ser reativados, aumentando a tensão e a possibilidade de conflito.

Outro risco relacionado é se a Frente de Libertação do Povo Tigrayan voltar com apoio estrangeiro. Isso pode criar um sentimento de ressentimento. Abiy Ahmed ainda é popular em algumas regiões, incluindo partes de Oromia, região de Amhara e a capital Adis Abeba. As recentes eleições , embora imperfeitas, são uma prova de que ele tem o mandato popular.

No entanto, o governo em Addis Abeba continua vulnerável, apesar de vencer as eleições. Esta guerra foi crivada de erros de cálculo e erros crassos de ambos os lados. O governo prometeu encerrar a campanha militar em semanas. Não foi assim.

Uma opção construtiva – diálogo

A violência trouxe uma perda tremenda. As pessoas precisam de paz, segurança e um retorno à vida normal.

Portanto, seria sábio para ambos os lados seguir uma direção mais frutífera.

Ambas as partes precisam se comprometer com um cessar-fogo. Isso deve começar com o fim de rotular uns aos outros como “expansionistas” ou “terroristas. Essas narrativas criam desculpas para a violência”.

Um acordo só acontece quando os políticos colocam seus egos de lado e prestam atenção ao sofrimento das pessoas que sofrem – os grandes perdedores nesta guerra trágica.

Isso deve levar ao diálogo sobre como reconfigurar a união da nação. Mais importante ainda, a Frente de Libertação do Povo Tigrayan faria bem em se reinventar como um partido de oposição que lidera uma luta pacífica. A única escolha não deve ser entre assumir o controle do governo ou conduzir a nação inteira a um abismo sem fim. A voz dos Tigrayans precisa ser representada – a Etiópia sem Tigrayans não está completa. Os líderes do governo central deveriam acabar com a retórica desumanizante.

Por sua vez, em vez de atiçar as chamas, o Ocidente precisa ser imparcial ao trazer os lados em conflito para a mesa.


por Mohammed Girma, Professor visitante, Universidade de Roehampton  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -