Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Abril 19, 2024

A fúria contra os convites a políticos e a governantes

Estrela Serrano
Estrela Serranohttps://vaievem.wordpress.com/
Professora de Jornalismo e Comunicação

O país político e mediático descobriu agora que as empresas têm o hábito de convidar políticos e jornalistas para visitas de trabalho no País ou no estrangeiro relacionadas com as actividades em que estão inseridas. Essa prática, tida até há pouco como normal, envolvia diferentes modalidades, quer ao nível dos programas organizados quer dos encargos financeiros, estes em geral assumidos totalmente pela entidade convidante.

Esses convites têm, como é natural, uma vertente de informação estratégica por parte das empresas que pretendem dar a conhecer a entidades qualificadas os  serviços que prestam e os benefícios que deles resultam para a sociedade. Mas os convites são também uma forma de cortesia muito enraizada nos hábitos culturais do nosso País e de muitos outros.

Os convites são em geral dirigidos a responsáveis políticos e altos a quadros da função pública e, no caso dos jornalistas, a directores e outros responsáveis editoriais ou a jornalistas especializados nas áreas das entidades que convidam.

Por seu turno, os governos usam a prática de convites a jornalistas para  viagens de Estado, almoços de trabalho, etc., não apenas para repórteres encarregados da cobertura de eventos mas também como gesto de cortesia para com jornalistas veteranos. Esses convites incluem viagens e /ou instalação. Esta prática é usada por governos e presidentes da República, sendo mesmo, no caso das viagens ao estrangeiro, vista como uma forma de apoio à imprensa.

Há uns anos esta matéria não era assunto de controvérsia e os governantes ou presidentes não estavam à espera de que os jornalistas pelo facto de lhes serem oferecidas as viagens e/ou hotéis ou refeições, deixassem de ser isentos. Também não era hábito, como passou a ser ultimamente em alguns jornais, (DN; Publico e Expresso) as peças publicadas trazerem a indicação “o jornalista viajou a cargo de …”(nome da entidade convidante). Hoje mesmo, o DN e o Expresso (não vi noutros) trazem uma peça sobre a Nato, surgindo no  DN, no final da peça, a indicação  “o jornalista viajou a convite da Nato”.

É evidente que  os convites de empresas a políticos e a jornalistas e de políticos a jornalistas, podem condicionar quem os aceita e favorecerem de algum modo quem convida. Mas quando assim é trata-se de pessoas eticamente permeáveis e venais, sem pefil nem preparação para as funções que desempenham.

É certo que houve no passado casos como os convites de Ricardo Salgado a jornalistas e as cumplicidades daí resultantes, e na política outros haverá, mas diabolizar os convites a políticos e a governantes para acções de trabalho ou como gesto de cortesia é assumir que os políticos são todos potencialmente corruptos e que os jornalistas se deixam “comprar”. O que não significa que não devam existir regras quer para as entidades convidantes quer para quem aceita os convites.

Levante o dedo o político de “topo” e o jornalista de “elite” que não tenha aceite um convite para uma “viagem de trabalho”….

Exclusivo Tornado / VAI E VEM

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -