Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Haitianos protestam em inglês, acusando os EUA pela crise política

O presidente atual avança com autoritarismo sobre as instituições democráticas, enquanto chafurda na corrupção e incompetência. Tudo com o apoio dos EUA.

por Tamanisha John, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Manifestantes haitianos nas ruas do país têm uma longa lista de motivos pelos quais acreditam que o presidente Jovenel Moïse deveria renunciar.

Eles culpam Moïse por prolongar seu mandato, que deveria ter terminado em 7 de fevereiro, pela austeridade fiscal que causou uma rápida inflação e deterioração das condições de vida e por patrocinar ataques de gangues que mataram pelo menos 240 pessoas desde 2018, segundo grupos de direitos humanos.

E embora muito poucas pessoas no Haiti falem inglês, os manifestantes haitianos estão usando o inglês para fazer suas demandas conhecidas, com hashtags virais de protesto no Twitter como #FreeHaiti e placas de protesto dizendo “Jovenel is a dictator” (Jovenel é um ditador).

Minha pesquisa sobre o imperialismo e a política caribenha sugere que os haitianos estão usando o inglês não apenas para chamar a atenção do Ocidente para a crise local, mas também para acusar os EUA por seu papel na criação dessa crise.

 

Um presidente atormentado por escândalos

Protestos prolongados têm sido uma marca registrada do mandato de Moïse desde que ele foi eleito em novembro de 2016, em uma eleição em que menos de 12% dos haitianos votaram.

O presidente haitiano, Jovenel Moïse, fala em 18 de novembro de 2019 (Reprodução)

Moïse foi o sucessor escolhido a dedo do impopular último presidente do Haiti, Michel Martelly. Seu fraco sucesso eleitoral em 2016 veio depois de dois anos de votos atrasados ​​e fraude eleitoral confirmada pelo governo de Martelly. Em 2017, seu primeiro ano de mandato, o Senado haitiano emitiu um relatório acusando Moïse de desviar pelo menos US$ 700.000 de dinheiro público de um fundo de desenvolvimento de infraestrutura chamado PetroCaribe para seu negócio pessoal de banana.

Manifestantes invadiram as ruas gritando ”Kot Kòb Petwo Karibe a?” – “onde está o dinheiro da PetroCaribe?”

Sem a confiança do povo haitiano, Moïse confiou no hard power para permanecer no cargo.

Ele criou uma espécie de estado policial no Haiti, revivendo o exército nacional duas décadas depois de sua dissolução e criando uma agência de inteligência doméstica com poderes de vigilância. Desde o início do ano passado, Moïse também governa por decreto. Ele efetivamente fechou a legislatura haitiana ao se recusar a realizar eleições parlamentares programadas para janeiro de 2020 e demitiu sumariamente todos os prefeitos eleitos do país em julho de 2020, quando seus mandatos expiraram.

Os protestos de rua existentes explodiram no início deste ano depois que Moïse se recusou a realizar uma eleição presidencial e renunciar quando seu mandato terminou em fevereiro de 2021 . Em vez disso, ele afirma que seu mandato termina em fevereiro de 2022, porque as eleições de 2016 do Haiti foram adiadas.

Nos próximos meses, disse Moïse, ele pretende mudar a Constituição haitiana para fortalecer os poderes da presidência e prolongar seu governo.

 

Memórias de uma ditadura

Para muitos haitianos, as tomadas de poder não democráticas de Moïse lembram os 30 anos de ditadura de François Duvalier, apoiada pelos Estados Unidos, também conhecido como “Papa Doc”, e seu filho Jean-Claude “Baby Doc” Duvalier.

François Duvalier com guarda-costas e sua esposa, Simone, depois de terem votado nas eleições presidenciais do Haiti de 1957, nas quais Duvalier foi um dos principais candidatos (Reprodução)

Tanto Papa Doc quanto Baby Doc confiaram no assassinato e brutalização de haitianos para permanecer no poder, em estreita colaboração com interesses corporativos e políticos ocidentais no Haiti. Os Duvaliers enriqueceram – junto com os investidores financeiros americanos do Haiti e os fabricantes americanos baseados lá – enquanto deixavam o país com dívidas enormes.

Quando os protestos haitianos crescentes acabaram com o regime em 1986, Baby Doc fugiu do país. O Haiti estava em colapso econômico e ruína social.

A Constituição haitiana de 1987 que Moïse agora busca mudar foi escrita logo depois para garantir que o Haiti nunca voltaria à ditadura.

Além do uso da violência estatal por Moïse para suprimir a oposição, os manifestantes haitianos hoje veem outra semelhança com a era Duvalier: o apoio dos Estados Unidos.

Em março, o Departamento de Estado dos EUA anunciou que apoia a decisão de Moïse de permanecer no cargo até 2022, para dar ao país atingido pela crise tempo para “eleger seus líderes e restaurar as instituições democráticas do Haiti”.

Essa postura – que ecoa a de organizações internacionais dominadas pelo Ocidente e que têm influência substancial no Haiti, como a Organização dos Estados Americanos – sustenta o que resta da legitimidade de Moïse para permanecer presidente.

Haitianos insatisfeitos com o apoio americano contínuo a seu presidente em apuros realizaram inúmeras manifestações em frente à embaixada dos Estados Unidos na capital haitiana de Porto Príncipe, enquanto haitianos americanos nos Estados Unidos protestaram em frente à embaixada haitiana em Washington, DC.

Alguns manifestantes haitianos também queimaram a bandeira americana em vários protestos em Porto Príncipe. A queima da bandeira, assim como os slogans de protesto em inglês, visa destacar a história da intervenção estrangeira ocidental que criou a situação de desastre no Haiti.

Desde a invasão e ocupação militar do Haiti de 1915 a 1934 até o apoio ao regime de Duvalier, os Estados Unidos desempenharam um papel importante na desestabilização do Haiti. Desde o devastador terremoto no Haiti em 2010, organizações internacionais como as Nações Unidas e organizações sem fins lucrativos como a Cruz Vermelha norte-americana também tiveram uma presença exagerada no país.

No ano passado, os manifestantes fizeram protestos em frente à sede das Nações Unidas no Haiti, enquanto o Conselho de Segurança da ONU se reunia para discutir o futuro de Moïse e a crise política do país. A mensagem deles, de acordo com a publicação Haïti Liberté, “Chega de intromissão estrangeira”.

Manifestantes em Porto Príncipe em 2019 destacam o papel dos governos estrangeiros no apoio ao presidente Jovenel Moïse, que foi acusado de corrupção (Reprodução)

 

Por que inglês?

Os manifestantes haitianos não são os únicos que não falam inglês a usar o inglês para expressar suas queixas. Em Mianmar, onde um golpe de 1º de fevereiro derrubou o governo democraticamente eleito do país, placas de protesto em inglês, vídeos e hashtags abundam.

De acordo com o livro de 2018 da lingüista Mary Lynne Gasaway Hill, “The Language of Protest”, o uso de uma língua amplamente falada e politicamente dominante como o inglês ajuda a fazer com que os veículos de notícias tradicionais cubram levantes que ocorrem no exterior. E se o estado reprimir a dissidência, isso significa que o público internacional também verá a violência – potencialmente protegendo os manifestantes e prejudicando a credibilidade do governo.

O inglês é uma ferramenta de protesto mais provável, então, em um país onde as pessoas locais se sentem – ou de fato são – impotentes para efetuar mudanças sem alianças externas. Juntamente com “a mídia social e a rapidez da comunicação globalizada”, escreve Hill, as mensagens de protesto em inglês podem levantar alguma solidariedade internacional crítica.

Também vejo outra razão para a recente adoção do inglês pelos manifestantes haitianos: é a língua dos Estados Unidos, o país mais poderoso do mundo e o apoiador internacional mais influente de Moïse.

Os gritos dos haitianos por “Liberte o Haiti” pedem aos americanos não apenas que prestem atenção à sua luta – mas também que considerem a responsabilidade de seu país por ela.


por Tamanisha John, Candidata Ph.D. de Relações Internacionais, Florida International University  |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -