Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Abril 18, 2024

Herbie Hancock | Dos Headhunters a Rockit

José Alberto Pereira
José Alberto Pereira
Professor Universitário, Formador Consultor e Mestre em Gestão

Em 1973 Herbie formou os Headhunters, mantendo apenas Maupin do sexteto anterior, ao qual se juntaram o baixista Paul Jackson, o percussionista Bill Summers e o baterista Harvey Mason.

O álbum “Head Hunters” (1973) foi um sucesso, sobretudo para o seu público pop, mas criticado pelo seu público de jazz.  Em 1974, o baterista Harvey Mason foi substituído por Mike Clark e a banda lançou um segundo álbum, “Thrust”. No ano seguinte foi lançado “Flood”, um álbum ao vivo gravado no Japão, que incluía composições dos dois primeiros álbuns dos Headunters. Este trabalho foi tão bem recebido como o seu antecessor, atingindo o mesmo nível de sucesso comercial.

Herbie Hancock e The Headhunters, 1975

Ainda nesse ano os Headhunters gravaram outro álbum de sucesso, “Survival of the Fittest”, mas sem Herbie. Por outro lado, o pianista começou a gravar álbuns ainda mais comerciais, muitas vezes com alguns membros dos Headhunters, mas não anunciados como tal. Em 1998 os Headhunters voltaram a gravar com Herbie o álbum “Return of the Headhunters”. A banda, liderada por Paul Jackson e Mike Clark, continua até hoje a tocar e gravar.

Também em 1973, Herbie compõe e gravou a banda sonora do filme anti-racista “The Spook Who Sat by the Door”, de Ivan Dixon e, no ano seguinte, compõe a banda sonora de “O Justiceiro da Noite”, filme de Michael Winner. “Joanna’s Theme”, uma das canções deste último filme, foi gravada em 1997 em dueto com Wayne Shorter. Ainda na década de 70, Herbie gravou “Man-Child” (1975) e “Secrets” (1976), álbuns de jazz-funk que apontam uma direção mais comercial, assumida na década seguinte. Para além de alguns membros dos Headhunters, estes álbuns incluem uma variedade de outros músicos em papéis importantes.

Em 1978, Herbie gravou um álbum em dueto com Chick Corea, pianista que o substituíra no quinteto de Miles uma década antes. O Japão foi sempre um mercado de grande sucesso para Herbie, tendo lançado em exclusividade para este país diversos álbuns, quer em nome próprio quer com assinatura do grupo VSOP: “Dedication” (1974), “Tempest in the Colosseum” (1977), “Direct Step (1978)”, “The Piano” e “VSOP: Live Under the Sky”, ambos em 1979.

Herbie Hancock, Buster Williams, Billy Hart

Entre 1978 e 1982 Herbie gravou diversos álbuns de música de dança, nomeadamente “Sunlight” (1978), com a participação de Tony Williams e Jaco Pastorius, e “Feets, Don’t Fail Me Now” (1979). Nestes discos Herbie voltou a manifestar a sua predileção por novos instrumentos, cantando através de um vocoder (sintetizador de voz).

Em 1981 entrou em tournée com Tony Williams e Ron Carter, gravando para o mercado japonês o álbum ao vivo “Herbie Hancock Trio”. Um mês depois, gravou “Quartet”, com o trompetista Wynton Marsalis, e entrou de novo em tournée, juntando ao trio o trompetista Wynton Marsalis e o saxofonista Branford Marsalis, seu irmão, numa formação conhecida como “VSOP II”. Este é o quinteto que pode ser ouvido no álbum de estreia de Wynton Marsalis (1981). Em 1984, os VSOP II participaram no Playboy Jazz Festival como sexteto, juntando aos músicos anteriores o vocalista Bobby McFerrin.

Em 1983 Herbie lança o álbum “Future Shock”, do qual extrai o single “Rockit”, vencedor de um Grammy. Este foi o primeiro tema que juntou hip-hop e jazz, tornando-se um tema seminal para dançarinos de break e hip-hop nos anos 80. Foi também o primeiro tema de jazz mainstream a incluir scratching (uma técnica de DJ), tendo contado com um inovador videoclipe animado. O vídeo foi um sucesso na MTV e ganhou cinco categorias no MTV Video Music Awards. Este álbum deu início a uma colaboração com o baixista e produtor Bill Laswell, com quem produziu ainda “Sound System” (1984, que ganhou um Grammy) e “Perfect Machine” (1988).

Vídeos


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -