Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 1, 2022

Índia e China concordam em reduzir escalada e distensionar fronteira

Ministros das Relações Exteriores de rivais asiáticos com armas nucleares concordam com a retirada das tropas após um impasse na fronteira de meses.

Na cidade de Leh, no Himalaia – a capital do recém-criado território da Índia, Ladakh, localizado 11.500 pés (3.505 metros) acima do nível do mar – as pessoas estão preocupadas com a perspectiva de guerra. O impasse na fronteira de meses entre a Índia e a China, juntamente com as restrições ao coronavírus, já afetou a movimentada temporada de turismo, eliminando a renda tão necessária na região.

Milhares de soldados dos gigantes asiáticos estiveram em um confronto olho a olho, particularmente na região de Ladakh, desde que pequenas escaramuças foram constatadas no final de abril.

No entanto, em um grande alívio para as pessoas dali, a sombra da guerra parece ter acabado por agora, depois que os ministros de relações exteriores dos rivais com armas nucleares anunciaram na sexta-feira que suas tropas devem se desligar e tomar medidas para restaurar a “paz e tranquilidade” na disputado fronteira.

 

Xadrez americano

“Os dois chanceleres concordaram que a situação atual nas áreas de fronteira não é do interesse de nenhum dos lados. Eles concordaram, portanto, que as tropas de fronteira de ambos os lados devem continuar seu diálogo, se desligarem rapidamente, manterem a distância adequada e aliviarem as tensões”, declaração conjunta do chanceler chinês Wang Yi e seu homólogo indiano Subrahmanyam Jaishankar disse.

Chering Dorjay Lakrook, ex-líder do partido governista indiano está “cautelosamente otimista” porque diz que os chineses estão ganhando tempo para fortalecer sua posição. Os analistas de defesa indianos também com preocupações semelhantes apontando para acordos anteriores alcançados durante negociações em nível militar que não conseguiram diminuir as tensões de fronteira mais sérias em quase 50 anos.

O analista e comentarista político Einar Tangen, um especialista chinês baseado em Pequim, discorda dos indianos que apontam uma atitude belicosa e sistemática da China. Ele também elogiou o avanço diplomático, dizendo que “isso é um começo, mas o diabo está nos detalhes”.

“Os chineses veem uma Índia cada vez mais nacionalista, cujas ações – Caxemira, declarações hostis de ministros do governo indiano, infraestrutura militar intensificada na fronteira, participação no Quad, listas negras comerciais etc … como hostis”, disse ele.

O Diálogo de Segurança Quadrilateral, também conhecido como Quad, é um grupo de segurança formado pelos Estados Unidos, Austrália, Japão e Índia.

Tangen culpa os EUA por colocarem os dois gigantes asiáticos um contra o outro. “O conflito assumiu uma aparência colonial, onde os Estados Unidos, temendo um século asiático em crescimento, estão tentando colocar os dois países mais populosos da Ásia um contra o outro.”

“Dado o déficit de confiança, era hora de que este assunto fosse tratado por diplomatas, que pensam no quadro geral, em vez de generais que pensam em vantagem estratégica”, disse Tangen.

“Neste ponto, em vez de tentar apontar o dedo e atribuir culpas … é hora de ambos os países se concentrarem nas sérias questões econômicas e de saúde que têm pela frente.”

 

Confronto corpo-a-corpo

Os dois países recorreram a um enorme aumento de tropas ao longo de sua fronteira de fato, conhecida como Linha de Controle Real (LAC), desde 15 de junho, quando 20 soldados indianos foram mortos no Vale Galwan de Ladakh em combates corpo a corpo envolvendo porretes e pedras.

A China também sofreu um número não especificado de vítimas, mas isso não foi divulgado.

Os confrontos mortais de junho – os piores desde a guerra de 1962 – causaram um retrocesso na Índia, forçando o governo a proibir dezenas de aplicativos chineses, incluindo o popular TikTok, e restringiu os investimentos da China.

O aumento das tensões pode afetar o comércio bilateral anual que está em US$ 92 bilhões.

Várias rodadas de negociações militares e diplomáticas tiveram pouco sucesso no fim das tensões renovadas, com as duas nações acusando-se mutuamente de confrontos militares nas últimas semanas.

As tensões recentes eclodiram em 29 de agosto, quando o exército indiano disse que frustrou uma “ação provocativa” dos soldados chineses para mudar o status quo na margem sul do lago Pangong Tso. Dois dias depois, o governo chinês acusou o lado indiano de cruzar a ALC.

Em 7 de setembro, o Exército de Libertação do Povo (PLA) acusou o Exército indiano de disparar tiros de advertência – uma acusação negada pelo lado indiano.

 

Dois governos nacionalistas

Nova Déli exigiu a restauração do status quo anterior, mas o acordo de cinco pontos na reunião diplomática de alto nível em Moscou, paralelamente à reunião da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) na sexta-feira, dizem especialistas e partido de oposição na Índia, falhou em mencionar isso.

Pravin Sawhney, um analista de defesa veterano, saudou o acordo de Moscou, acrescentando que “isso levará a um grande alívio da tensão entre os dois lados”.

Mas ele disse que a questão da transgressão chinesa ao território não foi mencionada no acordo. “Os chineses já conseguiram o que queriam. Já estão sentados dentro do território indiano e não vão desocupá-lo. O que significa que o status quo antes de abril de 2020 de que a Índia falava não vai acontecer”, disse ele à Al Jazeera. “A única coisa que vai acontecer é o desligamento para evitar a guerra “, disse Sawhney, o editor da revista Force.

O líder do partido da oposição, Rahul Gandhi, atacou o governo do primeiro-ministro Narendra Modi tweetando: “Os chineses tomaram nossa terra. Quando exatamente o GOI planeja recuperá-la?”

Os especialistas acreditam que uma combinação de fatores pode ter contribuído para a situação longa e tensa entre os gigantes asiáticos em sua fronteira disputada de 3.500 km (2.175 milhas), que se estende de Ladakh ao estado oriental de Arunachal Pradesh.

“Governos nacionalistas em ambos os países, uma política externa chinesa cada vez mais vigorosa e agressiva e um movimento indiano na Caxemira fortemente contestado por Pequim são alguns dos fatores responsáveis ​​pelo recente surto”, disse Michael Kugelman, vice-diretor e associado sênior da Woodrow Wilson International Center for Scholars.

Pequim condenou a decisão de Nova Délhi, em agosto de 2019, de tirar a autonomia limitada da Caxemira administrada pela Índia e dividir a região em dois territórios administrados pelo governo federal – Jammu e Caxemira e Ladakh – o local do confronto na fronteira.

“Na verdade, existem fatores únicos em jogo que tornam esta crise muito mais do que simples provocações de fronteira.”

O ex-comandante-em-chefe do Comando Norte do Exército indiano, Deependra Singh Hooda, disse que o impasse na fronteira não é um “incidente localizado”, mas “aprovado nos níveis mais altos” do governo chinês.

“Eles estão fazendo isso em todos os lugares e não apenas na Índia. Seja no Mar da China Meridional, Austrália, União Européia, Hong Kong, Taiwan. Acho que os chineses estão tentando mostrar que são uma grande potência com a qual se pode contar.”

Sawhney, o analista de defesa, acredita que o confronto foi resultado da decisão da Caxemira da Índia e da exibição do território de Aksai Chin controlado pela China, que a Índia afirma ser seu, em seus mapas.

 

Desde 1962

Os dois países mais populosos têm uma disputa de fronteira de longa data. Eles entraram em guerra em 1962 pelo estado de Arunachal Pradesh, no nordeste, onde a China possui cerca de 90.000 quilômetros quadrados (34.750 milhas quadradas). A China chama isso de Tibete do Sul.

Em 2017, eles ficaram cara a cara na área de Doklam – uma disputa de fronteira há muito pendente entre a China e o Butão, depois que o exército indiano enviou tropas para impedir a China de construir uma estrada lá.

De volta a Ladakh, uma região onde vivem 274.000 pessoas, a vida normal foi interrompida devido ao impasse militar.

Konchock Stanzin, conselheiro executivo do eleitorado de Chushul no Conselho de Desenvolvimento Autônomo de Leh e líder do BJP, disse à Al Jazeera: “Esperamos que a situação seja resolvida logo, caso contrário, terá um grande impacto em nossas vidas – as pessoas não serão capazes de levar seu gado para pastar nas regiões mais altas; nossa economia, que depende do turismo, será muito atingida.“


por Cézar Xavier   |  Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -