Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022

Já sabe o NIF do seu animal?

João Vasco AlmeidaO animal  cão  não é uma coisa e deve ser tratado como semi-pessoa. O porco da Índia também, mas o porco preto, numa atitude claramente racista, continua a ser uma coisa para grelhar. Já o gato, por causa do seu estrelato online, protege-se.

Há nisto tudo uma razão mas uma hipocrisia. A razão é que os animais de companhia são, de facto, parte do ambiente familiar, afectivo e de desenvolvimento das dinâmicas sociais. A frase-chave do projecto-lei do PS é esta: “os animais não devem ser reconduzidos ao estatuto jurídico das coisas, reconhecendo que são seres vivos dotados de sensibilidade”.

Claro que são, não precisamos da lei para nos esclarecer. A ovelha de uma amiga minha era amiga dela, também. Quando um dia lhe deram a chanfana à ceia, a minha amiga sentiu-se uma canibal e nunca mais comeu tal coisa.  É esta a hipocrisia, mas nada que nos apoquente. Somos omnívoros por biologia, não nos damos só a talos de couve e seitan de cebolada.

Os cães que pernoitam cá em casa têm estatuto de lordes, não de semi-pessoas. Nunca passou pela cabeça de ninguém, que com eles convive, que pudéssemos temperá-los com alho (embora um deles trague uma cabecita de vez em quando, enganado pela fatia de presunto que envolve o antibiótico natural).

A discussão é de costumes. A um chinês, quem lhe tira o cão, tira-lhe um pitéu. Ao indiano quem lhe tira a vaca, tira-lhe a espiritualidade. A nós, quem nos tirar o gato tira-nos a paciência e corremos a fazer cartazes, mais espampanantes que nos anos 70 aqueles anúncios da PJ sobre os cidadãos desaparecidos.

Se quiser, passo a tarde toda a lamber-me
Se quiser, passo a tarde toda a lamber-me

A relação com os animais não deve ser, por isso, vista a preto e branco. Há animais que, domesticados, servem para que os comamos.

Outros, para que os montemos. Por fim, há os que não servem para nada e os que se tornam verdadeiros amigos – numa relação bilateral sentida pelos humanos e pelos animais.

Há, também, aqueles que não se compreende. Um hamster deve ser uma seca e ter uma vida mórbida. Ou a passarada que foi feita para voar e passa a vida em jaulas, para deleite dos observadores.

O PCP, o PSD e o CDS estão contra a mudança da lei, que introduz uma sensibilidade legal à tradição europeia de olhar para os animais de companhia como semi-pessoas e não coisas. O PCP diz que não é com mais penalização que se ensina a sociedade a gostar de animais. É um argumento, rebuscado, a atirar ao lado do alvo, mas mesmo assim um argumento.

Percebe-se a ideia, mas há que explicar à bancada comunista que andar as tardes de sábado a pendurar cães em cordas, pela boca, de barras a dois metros de altura é um mau trato. A pessoa que faz isto pode e deve ser castigada, porque ali só há maldade e treino para lutas canídeas.

Já PSD e CDS dizem que as propostas do BE, PS e PAN são um passo-a-passo para acabar com as toiradas e outras coisas semelhantes, a que chamam “tradição”.

Aqui, não há grande pachorra para contraditar. Pela tradição ainda andávamos a comer putos como os gregos ou a violar ovelhas como ainda há uns anos foi noticiado. (Disse violar, porque se for de livre vontade, enfim, o debate alarga-se).

Ou, grita o CDS, ai ai ai que se vai proibir a caça. Pois devia. A caça ainda é mais revelha que a toirada – é do tempo do paleolítico, coisa que CDS deve pensar se é época que mereça defender-se.

Mas um destaque é engraçado: estabelece-se no parlamento uma aliança cada vez mais clara entre os conservadores e os outros, que nem sequer se podem colocar no mesmo saco.

Nisto da tradição e patriotismo podemos contar com os três partidos que desta vez estão contra. De pontos de vista diferente, como se disse, e com uma razão até atendível do PCP.

Mas conservadores nos costumes. Uma curiosa clarificação, porque o diabo está nos detalhes.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -