Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Kid Vinil canta: “Sou boy”

Resgatamos a memória do nosso grande roqueiro Kid Vinil (1955 – 2017) nesta semana em que se comemora o Dia do Rock, dia 13 de julho.

A divertida música Sou Boy descreve o cotidiano de um office boy. Um cotidiano marcado pelo tempo do trabalho, com ares e símbolos dos expedientes em escritórios de grandes cidades. Com uma batida típica da década de 1980 a música debocha de uma estrutura na qual o boy está na base e se subordina aos demais.

Resgatamos a memória do nosso grande roqueiro Kid Vinil (1955 – 2017) nesta semana em que se comemora o Dia do Rock, dia 13 de julho.

Em 2021 o gênero não está em seu melhor momento. Segundo o aplicativo Spotify o rock está bem atrás do funk, do forró e do sertanejo como gênero mais ouvido no Brasil. Pode-se afirmar com segurança que as últimas grandes expressões internacionais foram o grunge, lá se vão trinta anos, e artistas pontuais que misturam rock com outros gêneros, como Amy Winehouse (que morreu em 2011). Por aqui é mais difícil delimitar. A mistura de gêneros, muito bem vinda por sinal, torna difuso entendimento sobre as fases do rock. É certo que tivemos uma boa fase nos anos de 1980 e 1990 com Ira!, Titãs, Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Capital Inicial e o Kid Vinil que, além de cantor era um estudioso do ramo e um dos maiores incentivadores do punk cá por essas bandas. Em 1989 ele assumiu o programa Som Pop, da TV Cultura, trazia videoclipes e comentários sobre as músicas, um precursor do tema, muito antes da MTV aterrizar por aqui.

Entretanto, independente da fase, o rock é um estilo universal consolidado, típico do ambiente urbano e industrial e talvez a melhor definição desta sociedade, reproduzindo sons metálicos, repetitivos, abafados, batidas continuadas como acontece nas fábricas, no trânsito, nos escritórios e comércio em lugares fechados.

Já em 1983 Kid Vinil captou perfeitamente essa sinergia do rock com o mundo do trabalho e com o cotidiano do operário urbano. Ele musicou o dia a dia do office boy, categoria rara hoje em dia, que cada vez mais perde espaço para entregadores por aplicativo, em uma sociedade em que os direitos trabalhistas são flagrantemente subtraídos. Fez isso sem cair em um discurso político panfletário. Usou o humor e a crítica vai embutida para quem puder entender.

Sou Boy

Composição: Kid Vinil/1983
Intérprete: Kid Vinil

Acordo sete horas
Tomo ônibus lotado
Entro oito e meia
Eu chego sempre atrasado
Sou boy, eu sou boy
Sou boy, boy, sou boy…

Atento oito e meia
Eu tenho que bater cartão
Mal piso na firma
Tem serviço de montão
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy…

Ando pela rua
Pago conta, pego fila
Vou tirar xerox
E batalho alguma fila
Sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy…

Na hora do almoço
A minha fome é de leão
Abro a marmita
E o que vem, feijão!…

Chega o fim do mês
Com toda aquela euforia
Todos ganham bem
Eu aquela mixaria
Sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy…

E logo chega a tarde
Estou com pressa
De ir embora
Meus pés estão doendo
E meus calos tão prá fora
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy…

Bate cinco e meia
Acerto em filas infinitas
Ônibus lotado
E cai da mala
A minha marmita
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy…

Na hora do almoço
A minha fome é de leão
Abro a marmita
E o que vem, feijão!…

Chega o fim do mês
Com toda aquela euforia
Todos ganham bem
Eu aquela mixaria…

Sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy…


Fonte: Centro de Memória Sindical  | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial Rádio Peão Brasil / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -