Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Dezembro 6, 2022

Laerte a olho nu; Documentário

Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Pesquisadora, coordenadora do Centro de Memória Sindical e jornalista do site Radio Peão Brasil. Escreveu o livro "O mundo do trabalho no cinema", editou o livro de fotos "Arte de Rua" e, em 2017, a revista sobre os 100 anos da Greve Geral de 1917

Começou assim: dia desses estava no bar São Cristóvão com amigos e um deles falou do filme do Laerte. Ele era da Oboré e conhece o Laerte desde antes dele se tornar um dos principais cartunistas do país. Gostou do filme e nos recomendou.

Tem no Netflix, e tal. Mas passaram meses entre essa recomendação e o dia em que cliquei no filme. Estava sozinha na sala, comecei a assistir e… não é um épico.

O João olhou, não se interessou de primeira, mas queria saber onde eram aquelas filmagens na praia nos anos de 1960. “Vamos ver do início então”.

Vimos. “Não vai falar da história dele, desde as greves de 78?”. “Não, não vai”. Fomos até o fim. Acabou com calma. Nada?

Dias depois estava pensando no filme e, mais do que isso, me identificando com sensações que ela, expôs com tanta clareza.

Em uma discussão boba em um grupo de Whatsapp, sobre um assunto que espantosamente ainda gera discussão (já devia estar superado) citei e recomendei o filme.

Dia desses estava eu sozinha em casa, cliquei no filme novamente, e rodou inteiro. Por quê? Perguntou João. Porque é calmo. É sensível e real. Porque ela fica na calçada com a gata paraplégica.

Porque ela tem a gata paraplégica, que é linda. Porque ela dançou na rua com um micro vestido de lantejoulas dourado, e parece preocupada em saber se estava ou não linda naquele vestido. Ora, mas quem dança, com a turma, na rua com um vestido dourado está além das aparências. Está além de estar em forma para o micro vestido.

Me meti então a escrever sobre o filme. As palavras, entretanto, faltam. Difícil falar o óbvio. A vontade que tenho é de dizer: assista, sinta e reflita.

Rodapés, monitores, pratos, pianos, vestidos, maquiagens, gatos, vizinhos, enfim, detalhes tão reais expostos no documentário, que quase podemos toca-los e sentir seus aromas. O filme não é sobre a história da cartunista Laerte. Mas sim sobre seu momento. Sua busca. A busca de sua própria verdade.

Por isso, talvez, ele não cause um grande impacto imediato. Ele vai se colocando. Não é uma válvula de escape em tempos como esse? Acho que é. Bem, não sei. Vou ver de novo…

Laerte-se (2017) Trailer

Data: 2017
Direção: Lygia Barbosa da Silva, Eliane Brum
Elenco: Laerte
Gênero: Documentário
País: Brasil
Distribuidor: Netflix


Texto em português do Brasil


Receba regularmente a nossa newsletter

Contorne a censura subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -