Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Junho 17, 2024

Lula e o 25 de Abril

Sem qualquer sombra para a duvida de que o 25 de Abril é uma data histórica na história de Portugal e que por isso só aos Portugueses diz respeito.

A Lusofonia é o universo dos países onde se fala a língua Portuguesa com a devida exceção da Guine Equatorial que, vá-se lá saber porque “carga de agua”, foi inserta no mundo Lusófono só porque alguns são sempre mais espertos do que outros.

No entanto, Lula da Silva, pela sua historia de cidadania e de luta pelos direitos dos mais desprotegidos num país aonde as assimetrias são escandalosas ao ponto de a miséria generalizada ser a força propulsora da criminalidade violenta com maior relevância e num tempo de perseguições politicas indiscriminadas só porque o direito à vida obriga a que se lute por esse direito num contexto de lutas individuais feitas coletivas contra o poder instituído.

Lula foi operário metalúrgico; dirigente sindical; militante politico; fundador de um partido político; condição em que se candidatou à presidência do Brasil e foi eleito; dessa eleição convertida em mandato resultou o reconhecimento mundial do trabalho feito em prol dos mais pobres – Bolsa Família e Fome Zero – foram os programas de maior impacto popular reconhecido pela Organização das Nações Unidas e o prestigio internacional que o Brasil granjeou no mundo foi o expoente de um trabalho sério, e frutífero de um efetivo chefe de Estado.

Findo o mandato foi substituído e, mais tarde, num processo viciado foi julgado e condenado cujo fim foi o de ser impedido de apresentar a sua candidatura contra Jair Bolsonaro que viria a ser o presidente de um Brasil a caminho do precipício politico e social com eventuais repercussões na América Latina.

Foi ilibado e, por isso, pôde concorrer e ganhar a ultima eleição presidencial numa luta desigual e tirânica num Brasil de interesses dispares com relevância para a eliminação das populações indígenas e da desflorestação da Amazónia que condenaria o Planeta ao colapso.

Mesmo assim, a data do 25 de Abril de 1974 é um momento histórico da história de Portugal em que o movimento das forças armadas depôs o Governo da Primavera Marcelista acabando com o regime do Estado Novo e, impôs uma nova Constituição da República Portuguesa onde os direitos da cidadania se sobrepuseram e as liberdades direitos e garantias dos cidadãos passaram a ter forma de Lei e a democracia a ser o modelo de organização politica e social do País.

Esta nova condição transformou por completo a organização social e politica do País de forma a gerar novas e melhores condições de vida aos Portugueses motivo que os leva festejar essa data todos os anos enquanto Nação e Estado.

Não fazendo por isso qualquer sentido a interferência externa seja ela qual for e da forma que for.

É um evento nacional que ocorreu num tempo de viragem e reordenação politica internacional transversal em vários locais do mundo mas com maior enfase na CEE hoje UE muito mais alargada.

Lula da Silva trará a Portugal e à Europa a esperança para as gerações futuras de um mundo melhor na defesa do ambiente e da biodiversidade que são condição de vida inorescindivel.

Esse foi também o espirito de Abril circunscrito à área de influência da Lusofonia.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -