Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

Morre Donald Rumsfeld, o senhor da guerra ao terror

Rumsfeld, que serviu como secretário de defesa de George W Bush, foi o arquiteto das guerras dos EUA no Iraque e no Afeganistão. Morre aos 88 anos sob as críticas de disseminar torturas no Oriente Médio.

Donald Rumsfeld, que foi secretário de defesa do ex-presidente dos Estados Unidos George W Bush e foi o arquiteto das guerras dos EUA no Afeganistão e no Iraque, morreu aos 88 anos, conforme anunciou sua família nesta quarta-feira.

Sua passagem como secretário de defesa de Bush de 2001-2006 foi a segunda, depois de servir como o mais jovem secretário de defesa na história dos Estados Unidos sob o ex-presidente Gerald Ford de 1975-1977.

Mas muitos observadores responderam à notícia do falecimento de Rumsfeld na quarta-feira destacando seu papel central nas invasões americanas no Afeganistão em 2001 e no Iraque em 2003, na morte de milhares de pessoas em ambos os países e no uso de tortura.

Em uma declaração, Bush elogiou Rumsfeld como “um homem de inteligência, integridade e energia quase inesgotável” que “nunca empalideceu diante de decisões difíceis e nunca se esquivou da responsabilidade”.

Embora Bush se lembre bem de Rumsfeld, é provável que a história não considere seu legado, a julgar pelas reações iniciais à morte de Rumsfeld.

Bush e Rumsfeld obtiveram sucesso preliminar depois que os EUA entraram em guerra com o Afeganistão após os ataques de 11 de setembro à cidade de Nova York e ao Pentágono.

Mas isso deu lugar a anos de contratempos, uma guerra com o Iraque baseada em inteligência defeituosa e reações internacionais sobre o uso da tortura pelos Estados Unidos e o assassinato de civis pelos militares, entre outras controvérsias.

Rumsfeld disse, de maneira infame, que a guerra com o Iraque, baseada nas alegações de que o então presidente Saddam Hussein teria armas de destruição em massa, seria uma guerra curta.

Iyad el-Baghdadi, presidente da Fundação Kawaakibi, um grupo de pesquisa e ativista focado na liberdade no mundo árabe, disse “Donald Rumsfeld era um criminoso de guerra que presidiu guerras ilegais que envolveram massacres de civis em massa, tortura sistêmica e pilhagem, e corrupção massiva”.

“O país que ele ajudou a quebrar ainda não se recuperou. Este é o seu legado. Que ele queime no inferno por toda a eternidade. ”

Rumsfeld supervisionou a invasão americana do Afeganistão em 2001 e a derrubada de Saddam Hussein no Iraque em 2003, mas falhou em manter a lei e a ordem depois disso, e o Iraque caiu no caos com uma rebelião sangrenta e violência entre muçulmanos sunitas e xiitas.

Muitos historiadores e especialistas militares culparam Rumsfeld pelas decisões que levaram a dificuldades no Iraque e no Afeganistão.

Guerra do Iraque

Rumsfeld desempenhou um papel importante antes da guerra no Iraque, defendendo ao mundo a invasão de março de 2003. Ele alertou sobre os perigos das armas de destruição em massa do Iraque, mas nenhuma dessas armas foi descoberta.

Os críticos culparam Rumsfeld por rejeitar a avaliação pré-invasão do principal general do Exército dos EUA, Eric Shinseki, de que várias centenas de milhares de soldados aliados seriam necessários para estabilizar o Iraque.

Rumsfeld também foi acusado de demorar para reconhecer o surgimento da rebelião em 2003 e a ameaça que ela representava.

As guerras no Iraque mataram centenas de milhares, incluindo dezenas de milhares de militares dos EUA. O número total de mortes de civis iraquianos é desconhecido. O projeto Iraq Body Count coloca o número de mortes desde 2003 entre 185.724 e 208.831, em 30 de junho.

Momento sombrio

Rumsfeld ofereceu duas vezes sua renúncia a Bush em 2004, em meio a revelações de que tropas americanas haviam abusado de detidos na prisão de Abu Ghraib no Iraque – um episódio que ele mais tarde chamou de seu momento mais sombrio como secretário de defesa.

Só em novembro de 2006, depois que os democratas ganharam o controle do Congresso por meio de uma onda de sentimento anti-guerra, Bush finalmente decidiu que Rumsfeld tinha que ir. Ele deixou o cargo em dezembro, substituído por Robert Gates.

George Zornick, editor do The Huffington Post, compartilhou o memorando assinado por Rumsfeld em 2 de dezembro de 2002, que autorizava interrogatórios de 20 horas, uso de fobias e posições estressantes.

Zornick observou a caligrafia de Rumsfeld na parte inferior que desafiava o limite de quatro horas para ficar em pé: “No entanto, eu fico de pé por 8 a 10 horas por dia. Por que ficar em pé é limitado a 4 horas ”.

Jameel Jaffer, chefe do Instituto Knight da Primeira Emenda da Universidade de Columbia e ex-vice-diretor jurídico da American Civil Liberties Union, disse no Twitter: “Rumsfeld deu as ordens que resultaram no abuso e tortura de centenas de prisioneiros sob custódia dos EUA no Afeganistão, Iraque e a Baía de Guantánamo. Isso deve estar no topo de cada obituário. ”


por Cezar Xavier   | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -