Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Fevereiro 25, 2024

Não basta chorar os mortos!

Maria do Céu Pires
Maria do Céu Pires
Doutorada em Filosofia. Professora.

Maria do Céu PiresOs locais atingidos são inundados de flores e de velas, as redes sociais de “je suis”, os principais monumentos iluminados com as cores do país em questão, os responsáveis políticos fazem declarações solenes e nas televisões passam intermináveis reportagens e debates.

Tudo isto é muito interessante e mostra que a opinião pública ainda não está totalmente indiferente à dor dos outros. O terror ainda levanta ondas de indignação. Por isso, são muito positivas todas estas manifestações de solidariedade!

Contudo, era bom que se alargassem, também, à Nigéria, onde o terrorismo fundamentalista islâmico matou 1427 pessoas, ou ao Iémen (220 mortos), à Somália (116 mortos), ao Paquistão (65 mortos) e a todos os lugares do mundo onde o fanatismo mata, espalha o medo e o terror.

São todas estas vítimas, em qualquer território, de qualquer religião ou etnia (que pode ser qualquer um de nós, a qualquer momento), que devemos chorar.

chorar os mortos1Assim, uma reflexão um pouco mais aprofundada torna claro uma outra faceta do que está a acontecer no mundo: à banalização do mal e do absurdo, à ausência total de racionalidade parece que está a corresponder a banalização da resposta, muito sentida e emotiva nos primeiros dias mas logo esquecida quando a agenda noticiosa muda de tema.

Igualmente, se nos detivermos com mais atenção ao que se passa, vemos, com nitidez a hipocrisia da maior parte dos dirigentes dos países europeus e da comunicação social que lucra com o espectáculo da morte. Em paralelo, assistimos à confusão entre o que é uma religião e a sua interpretação fundamentalista, com o consequente crescimento do ódio em relação aos muçulmanos.

A conjugação de todos estes (e outros) factores constitui-se como cortina que evita compreender a raiz do problema e, assim, poder actuar para o resolver. Com efeito, o problema envolve essencialmente três vertentes: religiosa, política e económica.

De facto, a Europa continua sem rumo, incapaz de estabelecer prioridades, colocando sempre os negócios e o lucro como finalidade última para a qual todos os meios podem ser usados. Esquece os seus princípios fundadores, fazendo dos refugiados “mercadoria” que troca com a Turquia, país que apoia o Daesh, e que reenvia refugiados para cenários de guerra.

chorarTrata-se de uma hipocrisia absoluta, bem expressa na recente condecoração (Legião de Honra) atribuída por François Hollande ao ministro do interior e herdeiro do trono da Arábia Saudita, Mohammed ben Nayef. Foram precisamente a Turquia e a Arábia Saudita que apoiaram a chacina na cidade de Mosul, no norte do Iraque, em 2014.

Aí aconteceu o genocídio de 5 mil pessoas, com decapitações e massacres de cristãos, shiitas, alevis, shabaks, yezidis, numa demonstração insana e apocalíptica de obscurantismo e fanatismo.

Quantas bombas terão ainda de explodir, cá e lá? Quantas?

Até se colocar a questão onde deve ser colocada: quem financia os grupos terroristas, quem lhes compra petróleo e os tesouros arqueológicos que vandalizam, quem lhes vende as armas?

É necessário chorar todas as vítimas! Mas não é suficiente!

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

1 COMENTÁRIO

Comentários estão fechados.

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -