Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Dezembro 4, 2021

Nina Simone | Os primeiros anos

José Alberto Pereira
Professor Universitário, Formador Consultor e Mestre em Gestão

Eunice Kathleen Waymon, profissionalmente conhecida como Nina Simone, foi uma cantora, pianista, compositora, arranjadora e ativista dos direitos civis dos negros norte-americanos.

Eunice Kathleen Waymon, com 8 anos

Nascida em 1933 e falecida aos 70 anos, a sua música reuniu uma ampla gama de estilos musicais, incluindo música clássica, jazz, blues, folk, rhythm & blues, gospel e pop.

Eunice foi a sexta de oito filhos nascidos de uma família pobre em Tryon, Carolina do Norte. O seu pai era um pastor metodista e biscateiro na cidade. A sua mãe era ministra na igreja local e empregada doméstica. Começou a tocar piano com 3 anos e logo demonstrou um talento inato para este instrumento, tocando desde muito nova na igreja. Com 12 anos estreou-se ao vivo, com um recital clássico. Durante o concerto os seus pais, sentados nos lugares da frente, tiveram de se mudar para as filas de trás para ceder os seus lugares a brancos. Eunice parou de tocar e não recomeçou enquanto eles não voltaram aos lugares iniciais. Segundo disse mais tarde, este incidente foi a sua estreia na luta pelos direitos civis dos negros.

O seu talento para o piano levou a sua professora de música a reunir um grupo de paroquianos, que se disponibilizaram a financiar os seus estudos musicais de forma continuada. Assim, Eunice matriculou-se na Juilliard School of Music, em Nova Iorque. Em 1950, Eunice terminou o curso e candidatou-se ao prestigiado Curtis Institute of Music, em Filadélfia. Passou o verão todo a praticar e, apesar de uma audição bem conseguida, acabou por não ser aceite, no seu entender por motivos raciais.

Eunice Kathleen Waymon, com 14 anos

No entanto a sua família já se mudara para Filadélfia, crente da sua entrada. Triste e desanimada, Eunice acabou por ter aulas particulares de piano com Vladimir Sokoloff, professor no instituto, mas nunca se voltou a candidatar. Começou a trabalhar como assistente de fotógrafo, como acompanhante num estúdio de gravação e dava aulas de piano em casa.

Para complementar os seus rendimentos, Nina começou a tocar piano no Midtown Bar & Grill, em Atlantic City. Na altura estes bares tocavam aquilo a que os crentes chamavam “música do diabo” e o dono insistiu em que ela cantasse e tocasse piano simultaneamente. Em 1954, para não ser detetada pela família e não magoar a sua mãe, Eunice mudou o seu nome artístico para Nina Simone. Nina de niña (o diminutivo utilizado pelo seu namorado porto-riquenho da altura) e Simone de Simone Signoret, uma atriz de cinema francesa muito em voga à altura. A sua música era uma mescla de jazz, blues e música clássica, que lhe dava uma sonoridade muito própria e rapidamente lhe grangeou uma pequena mas leal base de fãs.

Em 1958 Nina conheceu Don Ross, beatnik e locutor num parque de diversões. Apaixonou-se, casou-se mas rapidamente se fartou. Nesse ano tocou frequentemente em pequenos clubes e gravou “I Loves You Porgy” a sua versão da canção de Gershwin. Nina aprendeu a música a ouvir um disco de Billie Holiday e gravou-a em favor a um amigo. Mas “I Loves You Porgy” tornou-se no seu talismã. Foi o seu maior êxito, a sua imagem de marca e o power-play do seu disco de estreia, “Little Girl Blue”, lançado no mesmo ano.

Após o sucesso de “Little Girl Blue”, Nina assinou contrato com a Colpix Records e gravou uma infinidade de álbuns de estúdio e ao vivo. A Colpix renunciou a qualquer controlo criativo sobre ela, incluindo a escolha do material que seria gravado, para conseguir que Nina assinasse contrato com eles. O seu segundo disco foi um álbum ao vivo “Nina Simone no Town Hall”, que transformou Nina na artista favorita em Greenwich Village. Nessa altura, O seu foco era a música clássica, tocando música pop apenas para ganhar dinheiro e continuar os seus estudos de música clássica. Nina era indiferente a ter ou não um contrato de gravação, uma atitude que manteve durante a maior parte de sua carreira.

Vídeos


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -