Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Novembro 30, 2021

Ninguém se calará para o Brasil retomar o caminho da civilização

Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Jornalista, assessor do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

Como hoje é o Dia Internacional de Luta Contra a Tortura, seis canções para celebrar a vida, a paz, o amor e a luta por um mundo sem tortura, sem ódio, sem preconceitos, sem violência, sem balas perdidas, encontradas em corpos negros, sem femincídio, sem genocídio da juventude negra, com respeito às terras indígenas, aos trabalhadores da cidade e do campo, aos direitos sociais e individuais. Respeito à diversidade humana.

Canções que cantam as dores, os amores e a vontade de suplantar todos os males que afligem principalmente as mulheres, os povos indígenas, os negros, os LGBTQIA+, os pobres. Essencialmente quem vive do trabalho e está sem trabalho por falta de responsabilidade de um governo que não faz nada. Aliás só insufla o ódio, a ignorância e a violência contra quem pensa.

Já passa da hora de dar um basta a tudo isso. Para o canto ser livre e voltado para a transformação do mundo em um lugar onde todas as pessoas vivam, sorriam e possam ir e vir em segurança e em paz. Chega de cale-se.

Francisco, el Hombre

O grupo paulista Francisco, el Hombre é um dos destaques da música popular brasileira contemporânea. Mistura sons latino-americanos com a música brasileira e o rock. Sempre voltado para as questões políticas e sociais.

“Triste, louca ou má
será qualificada
ela quem recusar
seguir receita tal

a receita cultural
do marido, da família.
cuida, cuida da rotina

só mesmo rejeita
bem conhecida receita
quem não sem dores
aceita que tudo deve mudar

que um homem não te define
sua casa não te define
sua carne não te define
você é seu próprio lar

que um homem não te define
sua casa não te define
sua carne não te define

ela desatinou
desatou nós
vai viver só

eu não me vejo na palavra
fêmea: alvo de caça
conformada vítima

Prefiro queimar o mapa
traçar de novo a estrada
Ver cores nas cinzas
E a vida reinventar.

e um homem não me define
minha casa não me define
minha carne não me define
eu sou meu próprio lar

ela desatinou
desatou nós
vai viver só”

Triste, Louca ou Má (2016), de Vivien Carelli; canta: Francisco, el Hombre

 

 

Marcos Brey

O mineiro Marcos Brey está na estrada há 20 anos. Voltado para o rock, ele mistura esse gênero com sons regionais de Minas Gerais. Brey busca uma simbiose entre os anseios sociais e individuais para mostrar que todas as pessoas são especiais, mas ninguém vive só.

O seu álbum mais recentes “Luzir” será lançado neste sábado (26), em uma live, às 20h no seu canal do YouTube: https://youtu.be/61BP0E_Izs8  Vale conferir.

“Que dia vou te ver sonhar de novo?
Que dia vou te ver sorrir?

Quantas pedras estão?
Quão pesado está?
Uma formiga na multidão
O pensar e o ouvir

A vida amarga eu sei
Mas em nós há o doce
Um dia de cada vez
Um passo longo ao mês

Quantas pedras estão?
Quão pesado está?
Uma formiga na multidão
O pensar e o ouvir”

Esperança (2021), de Marcos Brey

 

 

Joana Duah

A brasiliense Joana Duah começou sua carreira no grupo Maskavo Roots, em 1993. Depois integrou o grupo Batacotô. Viveu nos Estados Unidos por alguns anos e retornou ao Brasil em 2004, partindo para carreira solo.

Seu trabalho é voltado para a bossa nova. Já se apresentou com João Bosco, Rosa Passos, Jorge Benjor, Ivan Lins, Simone, Gilberto Gil, Dominguinhos, Guinga, Roberto Menescal, e Dionne Warwick, entre outros.

Dá Licença (2007), de Joana Duah

 

 

Metallica

A banda estadunidense Metallica formou-se em 1981. Seu trabalho é contundente com um som pesado e poesias ácidas. É uma das mais importantes bandas de heavy metal do planeta.

“Durma com um olho aberto
Segurando seu travesseiro firme
Sai a luz
Entra a noite
Pegue minha mão
Nós vamos para a Terra do Nunca

Algo está errado, apague a luz
Pensamentos pesados esta noite
E eles não são com a Branca de Neve
Sonhos com guerras, sonhos com mentirosos
Sonhos com fogo do dragão
E com coisas que vão morder
Sim”

Entre Homem de Areia (Enter Sandman, 1990), de James Hetfield, Kirk Hammett e Lars Ulrich

 

 

Legião Urbana

Como uma das principais bandas de rock brasileiro, a Legião Urbana existiu de 1982 a 1996, quando o seu vocalista e líder, Renato Russo morreu. Não tinha mais sentido manter o trio brasiliense.

Uma mistura de sons com predominância do rock e as poesias de Renato marcam a vida de gerações. O grupo jamais será esquecido.

“Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?

No Amazonas, no Araguaia iá, iá
Na Baixada Fluminense
Mato Grosso, Minas Gerais
E no Nordeste tudo em paz
Na morte eu descanso
Mas o sangue anda solto
Manchando os papéis, documentos fiéis
Ao descanso do patrão
Que país é esse?
Terceiro mundo, se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios num leilão
Que país é esse?”

Que País É Esse? (1987), de Renato Russo; canta Legião Urbana

 

 

Chico Buarque e Gilberto Gil

Para se contrapor à todas as formas de tortura, não poderia faltar “Cálice”, de Chico Buarque e Gilberto Gil, que completa 79 anos neste sábado (26). Essa canção foi proibida pela ditadura por cinco anos. Liberada em 1978, foi gravada por Chico e Milton Nascimento, com participação do MPB4.

Permanece atual como um clamor por liberdade, por respeito à todas as pessoas e à vida.

Cálice (1973), de Chico Buarque e Gilberto Gil


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -